G1 Mundo

4 razões por que franceses votaram no partido de direita radical de Marine Le Pen

today2 de julho de 2024 4

Fundo
share close

A aliança de esquerda Nova Frente Popular (NPF) ficou em segundo lugar com 28%, enquanto a aliança do presidente Emmanuel Macron ficou em terceiro lugar com cerca de 21% dos votos.

Macron apelou agora aos partidos de centro e de esquerda para se unirem para evitar que a direita radical ganhe o controle do Parlamento.

Quais são algumas das principais razões pelas quais os eleitores franceses se voltaram para o partido liderado por Marine Le Pen e Jordan Bardella como nunca antes, permitindo-lhes vencer pela primeira vez as eleições parlamentares francesas?



O simples fato de isso ter se tornado possível é histórico, diz o veterano comentarista político francês Alain Duhamel.

1. Razões internas e a economia

No topo da lista de preocupações dos eleitores está a crise do custo de vida, que afetou o poder de compra, bem como o aumento dos preços da energia, acesso a cuidados de saúde e o medo da criminalidade.

Embora a economia francesa esteja bem de maneira geral, no interior do país, longe das grandes cidades, as pessoas dizem que se sentem ignoradas pelo governo, enquanto o desemprego regional em algumas áreas é elevado e pode até atingir 25% da população.

A moradia é inacessível para alguns, enquanto em algumas áreas as escolas e centros de saúde nessas regiões fecharam as portas devido a cortes de orçamento.

O economista Thomas Piketty disse à BBC que os “vencedores da globalização” formam o principal bloco de apoio a Macron, e aqueles que se sentem deixados para trás estão inclinados para a direita radical.

Piketty, autor do best-seller O Capital no Século 21, identifica uma grande base de apoio da direita “em pequenas cidades que tiveram uma grande perda de indústria e têm muitas dificuldades de acesso a serviços públicos, como linhas de trem e hospitais que foram fechados”.

“É diifícil educar os filhos quando se vive longe dos grandes centros”, diz.

Patrick, morador da cidade de Pontault-Combault, a leste de Paris, votou no RN nas eleições para o Parlamento Europeu. “As pessoas querem mudanças aqui e estão motivadas a votar”, diz Patrick. “Eles não ficam felizes quando se sentem inseguras nas ruas.”

Aurélie, uma faxineira de 37 anos com um filho de dois anos, na cidade de Amiens, no norte da França, onde Macron cresceu, diz que a segurança é o tema que a levou a votar no RN.

“Eu acordo todas as manhãs às 4h30 para ir trabalhar. Eu costumava andar de bicicleta ou caminhar em qualquer lugar de Amiens. Não mais. Agora vou no meu carro”, disse ela à BBC. “Sempre há rapazes por perto e tenho medo.”

Também entre as preocupações dos eleitores está a previdência social, depois de Macron sancionar no ano passado a reforma altamente impopular que aumentou a idade de aposentadoria de 62 para 64 anos.

Macron disse que a reforma era essencial para evitar o colapso do sistema previdenciário.

Os recentes aumentos acentuados no custo da eletricidade e do gás para aquecimento das casas são um grande problema para os eleitores, e o líder da RN, Jordan Bardella, disse que se concentraria na redução do IVA (imposto sobre vendas) sobre energia e em mais de 100 bens essenciais, além de revogar a reforma previdenciária do governo Macron.

O presidente francês, Emmanuel Macron, sai de cabine de votação durante eleições legislativas na França, em 30 de junho de 2024. — Foto: Yara Nardi/ Reuters

2. Insatisfação com o sistema político

Os eleitores do RN também dizem que o sistema político do país não funciona mais e que o partido de Le Pen ainda não foi testado no governo.

“Precisamos de mudança”, disse Jean-Claude Gaillet, 64 anos, morador de Hénin-Beaumont, à agência de notícias Reuters após a votação de domingo. “As coisas não mudaram e devem mudar.”

Outra apoiador do RN, Marguerite, de 80 anos, também moradora de Hénin-Beaumont, afirmou: “Eles conseguiram avançar porque as pessoas estão fartas. Portanto, as pessoas dizem agora: ‘Não nos importamos, vamos votar e ver o que acontece’.”

“Mas agora, tenho medo que outros partidos políticos coloquem obstáculos no caminho. Votamos, estes são os resultados, temos que aceitá-los e ver o que acontece.”

Mas uma moradora da cidade vizinha de Oignies, Yamina Addou, disse estar chocada com o sucesso da direita radical.

Segundo ela, os eleitores “foram manipulados para apoiar a direita e que essa decisão pode levar a divisões graves e perigosas na sociedade francesa.”

“Isso me choca. Acho muito triste, porque acho que as pessoas não percebem o que está acontecendo. Eles levam em consideração apenas o poder de compra e outras coisas de curto prazo.”

“Mas por trás disso há muitas ideias e manipulações, que nos levarão a um tipo diferente de guerra. Ao contrário da Primeira e da Segunda Guerra Mundial, será algo muito mais sutil. As pessoas não percebem que haverá uma guerra civil, é o que penso, e que pessoas como nós é que vamos sofrer.”

Muitos culpam Macron pela atual crise do país.

Sophie Pedder, chefe da sucursal da revista britânica The Economist em Paris, disse à BBC: “Macron criou um movimento consensual para reunir pessoas de todas as diferentes convicções políticas. Funcionou e foi para pôr fim às intermináveis ​​disputas que aconteciam no Parlamento”.

“Mas o resultado é que todos os moderados da esquerda e da direita aderiram ao partido de Macron e isso [apenas] deixou uma alternativa para as pessoas: os extremos.”

3. Imigração e ‘perda’ da identidade francesa

Ao longo dos anos, Marine Le Pen, líder do RN no Parlamento, tem trabalhado para tornar o seu partido mais popular e mais aceitável para os eleitores franceses.

Ela afastou o partido das raízes antissemitas e extremistas de seu pai, Jean-Marie Le Pen, e de seus colegas fundadores da Frente Nacional, e o renomeou como Reunião Nacional.

No entanto, continua a ser um partido populista, eurocético e fortemente anti-imigração.

O seu atual líder, Jordan Bardella, disse que quer proibir os cidadãos franceses com dupla nacionalidade de ocupar cargos estratégicos sensíveis, chamando-os de “meio-nacionais”.

Ele também quer limitar o bem-estar social para os imigrantes e se livrar do direito automático à cidadania francesa para crianças com pais nascidos fora do país.

Uma candidata do RN, Ivanka Dimitrova, disse à BBC que o partido tomaria medidas contra os imigrantes que gostariam de ter a sua lei religiosa acima das leis da nação francesa.

Não há provas de que esta seja uma crença dominante nas comunidades de imigrantes, e o partido também não deixou claro em que consistiria a “ação”, para além da lei atual.

Leila Abboud, chefe da sucursal do jornal Financial Times em Paris, afirma: “A opinião pública na França endureceu contra a imigração na última década: talvez se possa atribuir isso à crise de refugiados da guerra na Síria em 2015″.

Quando se trata da União Europeia, o RN prometeu acabar com a primazia das leis europeias, uma pedra angular do projeto da UE.

Mas as políticas anti-Otan e anti-UE foram suavizadas e os laços estreitos do Reunião Nacional com a Rússia de Vladimir Putin foram silenciosamente abandonados. Sair da UE não está na agenda desde 2022.

Os líderes da extrema direita francesa, Marine Le Pen e Jordan Bardella, em junho de 2024. — Foto: AP Photo/Thomas Padilla

4. A direita radical nas redes sociais

O RN tem feito campanha com sucesso com base em slogans e ideias simples, aproveitando os receios das pessoas de perderem a sua identidade francesa e a crise mais ampla do custo de vida.

Eles usaram as redes sociais de forma muito eficaz para aumentar seu perfil e fazer com que os eleitores se sentissem confiáveis ​​e familiares.

“Na França, chamamos Jordan Bardella de político do TikTok porque ele é um político que mobiliza as redes sociais e está muito à vontade com isso”, disse Vincent LeBrou, da Université de Franche-Comté, ao programa Newsnight da BBC.

“É algo que tem contribuído bastante para o perfil dele. Você não sabe exatamente o que ele está propondo, mas vê muito.”

“Muitas pessoas [que votaram no RN] não são racistas”, diz Charles Culioli, um candidato de esquerda do NPF que se opõe ao NR. “Eles estão simplesmente fartos do sistema, estão fartos das políticas de Macron, de todas as coisas que lhes foram prometidas.”




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

coreia-do-norte-diz-ter-testado-missil-balistico-capaz-de-transportar-‘ogiva-supergrande’

G1 Mundo

Coreia do Norte diz ter testado míssil balístico capaz de transportar ‘ogiva supergrande’

Governo norte-coreano afirmou que armamento poderá transportar ogiva de 4,5 toneladas. Novo lançamento acontecerá ainda neste mês para testar 'poder de explosão'. ARQUIVO: Teste de míssil 'estratégico' da Coreia do Norte feito em 30 de janeiro de 2024 — Foto: KCNA via Reuters A Coreia do Norte disse que testou com sucesso um novo míssil balístico capaz de transportar uma "ogiva supergrande" de 4,5 toneladas. As informações foram divulgadas pela […]

today2 de julho de 2024 3

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%