G1 Mundo

A decisão da Suprema Corte dos EUA que aponta exageros em casos de acusados de invadir o Capitólio

today29 de junho de 2024 4

Fundo
share close

A decisão também pode afetar um processo contra o ex-presidente Donald Trump.

Os juízes decidiram que as acusações de obstrução de um processo oficial deveriam incluir provas de que os réus tentaram adulterar ou destruir documentos.

Mais de 350 pessoas foram acusadas de obstruir o trabalho do Congresso — que, na ocasião, era a certificação da eleição presidencial de 2020, com a vitória de Joe Biden.



A lei que os promotores usaram foi aprovada em 2002, após o escândalo da gigante do setor energético americano Enron, para impedir má conduta corporativa.

O Caso Enron envolvia fraudes contábeis para maquiar perdas financeiras na empresa e é considerado um símbolo dos escândalos corporativos nos EUA.

A lei, que ficou conhecida como Sarbanes-Oxley, descreve penalidades criminais para qualquer pessoa que “alterar, destruir, danificar ou ocultar um registro, documento ou outro objeto”.

Ela também trata de qualquer pessoa que “de alguma forma obstrua, influencie ou impeça qualquer procedimento oficial”.

Os promotores do Departamento de Justiça defenderam uma interpretação ampla da lei para incluir aqueles que invadiram o Capitólio em 6 de janeiro de 2021 na tentativa de manter Trump na Casa Branca.

Mas, num placar de 6×3, o tribunal decidiu que a lei deve ser interpretada de forma relativamente restrita — e usada apenas contra réus que adulteraram ou danificaram documentos.

Como a decisão afeta a situação de Trump?

Mas ainda não está claro se a decisão interromperá um dos processos contra ele.

No caso da invasão do Capitólio e da tentativa de reverter o resultado das eleições, Trump é acusado de quatro crimes, incluindo obstrução.

A Suprema Corte também deve decidir na próxima semana sobre o argumento de Trump de que um ex-presidente não pode ser processado como qualquer outro cidadão.

“Para Trump, acho que haverá litígios”, avalia Aziz Huq, professor da Faculdade de Direito da Universidade de Chicago.

“Mas as acusações contra ele envolvem falsificar ou alterar ‘registros, documentos ou objetos’. Portanto, acho que [a decisão da Suprema Corte] provavelmente não prejudica essas acusações.”

Além disso, o conselheiro especial Jack Smith também acusou Trump de outros crimes em conexão com suas tentativas de reverter o resultado da eleição de 2020: conspirar para fraudar os EUA e conspirar contra os direitos dos cidadãos.

Essas acusações continuarão independentemente do resultado do caso de obstrução.

Mas o promotor especial enfrenta um prazo óbvio. Se Trump vencer a eleição de novembro, ele poderá remover Smith de seu cargo e encerrar o caso legal federal.

Joseph Fischer (no centro, segurando um telefone) entrou brevemente no Capitólio e encontrou policiais em 6 de janeiro de 2021. Ele levou o caso à Suprema Corte. — Foto: Divulgação/Departamento de Justiça dos EUA

E os outros réus do 6 de janeiro?

A Lei Sarbanes-Oxley foi apenas uma das várias leis usadas contra aqueles que invadiram o Capitólio em janeiro de 2021.

Cerca de 25% dos réus do motim na sede do legislativo dos EUA foram processados sob essa lei. Mas, de acordo com o procurador-geral Merrick Garland, todos eles enfrentaram acusações adicionais.

“A grande maioria dos mais de 1,4 mil réus acusados por suas ações ilegais em 6 de janeiro não será afetada por essa decisão”, disse Garland em um comunicado emitido após a decisão, no qual também expressou sua decepção com o veredicto.

O caso foi levado à Suprema Corte por Joseph Fischer, um ex-policial da Pensilvânia que participou do comício de Trump em Washington em 6 de janeiro de 2021 e depois entrou brevemente no Capitólio.

Ele foi visto discutindo com policiais em um vídeo antes de sair do prédio.

Os tribunais inferiores agora decidirão se a acusação de obstrução contra ele pode continuar.

No entanto, Fischer também enfrenta julgamento por várias outras acusações, incluindo desordem civil, conduta desordeira e agressão, resistência ou impedimento a um policial.

Mais de 1,4 mil pessoas foram acusadas de crimes relacionados ao motim de janeiro de 2021.

De acordo com dados do Departamento de Justiça, mais de 500 réus foram acusados de agredir, resistir ou impedir policiais, incluindo mais de 130 que foram acusados de usar uma arma perigosa ou causar lesões corporais graves a um policial.

E mais de 1,3 mil pessoas foram acusadas de entrar ou permanecer em um edifício ou terreno federal restrito. Mais de 100 dessas pessoas foram acusadas de entrar em uma área restrita com uma arma perigosa ou mortal.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

justica-do-panama-absolve-28-acusados-no-caso-‘panama-papers’

G1 Mundo

Justiça do Panamá absolve 28 acusados no caso ‘Panama Papers’

Entre os absolvidos estão os fundadores do escritório, Jürguen Mossack e Ramón Fonseca, que morreu no mês passado em um hospital panamenho. Um tribunal do Panamá absolveu, nesta sexta-feira (28), 28 pessoas acusadas de lavagem de dinheiro relacionada ao extinto escritório de advocacia panamenho Mossack Fonseca, epicentro do escândalo internacional "Panama Papers". A juíza Baloísa Marquínez "absolveu 28 pessoas acusadas do crime contra a ordem econômica na modalidade de lavagem […]

today29 de junho de 2024 3

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%