G1 Mundo

A política do Japão que submeteu milhares de pessoas a esterilização forçada, incluindo crianças

today12 de julho de 2023 13

Fundo
share close

Ela tinha apenas 16 anos quando foi levada a uma clínica no nordeste do Japão para o procedimento, que ela descobriria mais tarde que a deixou irreversivelmente estéril.

Mas isso não foi uma consequência indesejada de uma cirurgia necessária. Não.

A impossibilidade de ter filhos foi o principal objetivo daquela intervenção cirúrgica, realizada no âmbito da política de eugenia aplicada no Japão entre 1948 e 1996, com o objetivo de “impedir o nascimento de descendentes de má qualidade… e proteger a vida e a saúde da mãe”.



Estima-se que 16.500 pessoas – principalmente mulheres – foram operadas sem seu consentimento, cerca de 8.000 deram autorização – embora se acredite que provavelmente sob pressão – e outras 60.000 mulheres fizeram abortos para evitar doenças hereditárias, segundo um relatório parlamentar de 1.400 páginas que foi apresentado recentemente.

O relatório, resultado de uma investigação iniciada em 2020, gerou muita indignação ao revelar que pelo menos uma menina e um menino de 9 anos foram submetidos a esses procedimentos.

O texto também foi criticado por deixar questões importantes sem resposta em relação a essa política, que, na opinião de muitos, o Japão demorou a repudiar.

Uma lei para “proteger” a descendência

A Lei de Proteção Eugênica foi aprovada em 1948 e permitiu que os médicos esterilizassem pessoas com ou sem o seu consentimento.

Neste último caso, se o médico considerasse que a intervenção era necessária “para proteger o interesse público de modo a prevenir a transmissão hereditária de doença”, deveria solicitar uma comissão à prefeitura local para avaliar se o procedimento era adequado.

Então, teoricamente, foi criado um mecanismo de revisão do caso que permitia ao paciente apresentar objeções e até mesmo iniciar um julgamento para evitar a operação.

No entanto, como alerta Takashi Tsuchiya, professor da Osaka City University, em um artigo publicado em 1997: “essas disposições de notificação, revisão e demanda não se aplicam no caso de pacientes com deficiência mental ou intelectual”.

Além disso, algumas diretrizes aprovadas pelo Ministério da Saúde em 1953 estabeleciam que, quando a comissão julgasse necessário, esse tipo de cirurgia poderia ser realizada “contra a vontade do paciente” e autorizavam a realização do procedimento “submetendo o corpo do paciente, dando lhe um analgésico ou o enganando.”

“Esses novos regulamentos no início dos anos 1950 permitiram e autorizaram a esterilização forçada e enganosa, que era a forma como era comumente praticada”, observa Tsuchiya.

Assim, de acordo com o relatório parlamentar, alguns pacientes foram informados de que seriam submetidos a procedimentos de rotina, como uma operação de apêndice, quando na verdade seriam esterilizados.

A lei incluía uma lista de doenças que eram então consideradas hereditárias e que tornavam o paciente candidato à esterilização, como esquizofrenia, psicose maníaco-depressiva, “desejo sexual acentuadamente anormal”, “inclinação criminosa acentuada”, albinismo, distrofia muscular, epilepsia , surdez, hemofilia, daltonismo, “mão quebrada” e “pé quebrado”, entre outros.

Como aponta Tsuchiya, essa legislação não era apenas um reflexo da preocupação do governo japonês com a superpopulação, mas também com a “deterioração” da descendência.

O governo do Japão pediu desculpas por essa política em 2019 e anunciou que pagaria a cada sobrevivente uma indenização equivalente a cerca de US$ 28.600 (cerca de R$ 140 mil).

O então primeiro-ministro, Shinzo Abe, disse em seu pedido oficial de desculpas que a lei de eugenia causou “grande sofrimento” às suas vítimas.

Para Junko lizuka, que passou anos lutando para receber justiça e hoje usa óculos e máscara para não ser reconhecida publicamente, as consequências foram muito além.

“A cirurgia eugênica me privou de todos os meus modestos sonhos de ter um casamento e filhos felizes”, disse Iizuka a repórteres.

Ela explicou que seu marido a abandonou e pediu o divórcio imediatamente depois que ela lhe disse que havia se submetido a uma cirurgia de esterilização e não poderia ter filhos.

“Eu tinha problemas de saúde mental e não conseguia trabalhar. Fui diagnosticada com transtorno de estresse pós-traumático. A cirurgia eugênica virou minha vida de cabeça para baixo”, disse ela.

De acordo com Tsuchiya, muitas das esterilizações forçadas foram realizadas em pacientes em hospitais psiquiátricos e outros centros para pessoas com deficiência intelectual, que muitas vezes eram enganados para se submeter à operação.

“Às vezes, essas pessoas eram perguntadas (se queriam passar pelo procedimento), mas eram virtualmente forçadas a dar consentimento porque a esterilização era frequentemente um requisito para admissão nessas instituições, que é o que os pais dessas pessoas desejavam”, diz.

Como o objetivo dessas cirurgias não era apenas evitar que essas pessoas tivessem filhos, mas também – no caso das mulheres – interromper a menstruação para facilitar o atendimento dessas pessoas nos centros de saúde, muitas vezes essas esterilizações não eram realizada através de ligadura das trompas de falópio, mas através de uma histerectomia completa.

“Para interromper a menstruação, a cirurgia precisa remover os ovários ou o útero, mas, como a perda dos ovários causava ‘perda da feminilidade’, os médicos preferiam remover o útero ‘para benefício da paciente’. Esse procedimento era ilegal porque a lei permitia apenas a esterilização ‘sem remover os órgãos reprodutivos'”, explica Tsuchiya.

Durante décadas, as vítimas fizeram campanha pelo reconhecimento dos danos sofridos e pela indenização.

Em alguns casos, elas foram diretamente aos tribunais, obtendo resultados diferentes.

No ano passado, um tribunal superior em Osaka ordenou que o governo japonês pagasse US$ 200.000 (cerca de R$ 970 mil) a três vítimas.

No entanto, no início deste mês, outro tribunal rejeitou essa decisão, argumentando que, depois de mais de 20 anos, a causa legal havia expirado.

Junko Lizuka, que foi uma das responsáveis por processar o governo, chamou a decisão de “terrível” por não levar em consideração as razões pelas quais as vítimas não puderam processar antes.

Em declarações à imprensa, declarou que, como “a responsabilidade do governo é óbvia”, queria que houvesse uma solução mais rápida que oferecesse indenizações mais ajustadas sem necessidade de recorrer aos tribunais.

Mas, aparentemente, a justiça que as vítimas esperam também não será derivada do recente relatório parlamentar.

Koji Niisato, um advogado que representou vítimas dessa política, contestou o relatório por não ir longe o suficiente.

Ele destacou que se trata basicamente de um apanhado do que já foi investigado e relatado sobre o assunto.

“Falta um resumo de por que essa lei terrível foi criada e existiu por 48 anos e não menciona por que o governo não assumiu a responsabilidade mesmo depois que a lei foi alterada. Isso é extremamente lamentável”, disse Nisato a repórteres nesta semana.

Para algumas vítimas como Saburo Kita, que foi esterilizada à força aos 14 anos, o relatório mostra que o governo enganou as crianças.

Agora com 80 anos, ela manifesta o desejo de que a questão seja resolvida o mais rápido possível.

“Gostaria que o estado não escondesse o problema no escuro, mas levasse a sério nosso sofrimento logo”, disse.

Por enquanto, a espera continua.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

vigilantes-de-unidades-de-saude-em-santos-protestam-por-atraso-nos-salarios:-‘estamos-desesperados’

G1 Santos

Vigilantes de unidades de saúde em Santos protestam por atraso nos salários: ‘estamos desesperados’

Os vigilantes e controladores de acesso das unidades de saúde de Santos, no litoral de São Paulo, reclamam que há dois anos têm recebido os salários atrasados da empresa terceirizada Hedge Segurança, responsável pelo serviço na cidade. Ao g1, os profissionais contaram que deveriam receber no 5º dia útil, mas até o momento nada. A reportagem conversou com três funcionários da empresa que tem aproximadamente 30 contratados. Eles informaram que […]

today12 de julho de 2023 4

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%