Notícias

Acuados pelo aumento do antissemitismo, judeus franceses enfrentam o dilema do voto entre a extrema esquerda e a extrema direita

today25 de junho de 2024 3

share close

A extrema direita, representada pelo Reagrupamento Nacional, de Marine Le Pen, tem raízes calcadas na xenofobia, no populismo e no ódio aos judeus. A extrema esquerda, reunida na França Insubmissa, de Jean-Luc Melénchon, aponta Israel como único responsável pela guerra em Gaza, vê o Hamas como um movimento de resistência legítimo e abraça o boicote e as sanções ao país.

Esta polarização, aliada à coligação enfraquecida centrista, comandada pelo presidente Macron, confunde e divide os judeus franceses e vem causando reviravoltas surpreendentes.

É o caso do prestigiado historiador Serge Klarsfeld, sobrevivente e estudioso do Holocausto, conhecido também como caçador de nazistas, que defendeu o partido de Le Pen. O mesmo Klarsfeld, que em 2022, proclamou “Não a Le Pen, filha do racismo e do antissemitismo” num artigo publicado no jornal “Libération”, agora, aos 88 anos, considera que o partido RN amadureceu:



“O Reagrupamento Nacional apoia os judeus, apoia o Estado de Israel. Quando houver um partido antijudaico e um partido pró-judaico, votarei no partido pró-judaico.”

O fundador da Frente Nacional, que antecedeu o RN, Jean Marie Le Pen, foi condenado pelo discurso antissemita e minimizou a existência do Holocausto, até ser expulso do partido pela filha Marine. Ela lustrou e suavizou a imagem da legenda, além de mudar o seu nome. Nas duas últimas eleições, Marine Le Pen ficou em segundo lugar, atrás de Macron.

Manifestantes contra a extrema esquerda exibem faixa que diz “o antissemitismo não é uma promessa de campanha”, em 14 de junho de 2024. — Foto: AP Photo/Thomas Padilla

Após o massacre do Hamas em solo israelense, em outubro passado, Le Pen filha participou de uma marcha gigantesca em Paris contra o antissemitismo e passou a cortejar os eleitores judeus. A comunidade judaica, no entanto, encara o aceno da extrema direita com cautela.

Conforme declarou Yonathan Arfi, presidente do Conselho Representativo das Instituições Judaicas Francesas (Crif), “existem alternativas a esta oposição entre uma esquerda antissemita e uma extrema direita nacionalista e populista”.

“A situação dos judeus é muito, muito difícil. Mesmo que alguns às vezes pensem que são atraídos pela extrema direita como resposta ao antissemitismo, a maioria dos judeus pensa que esta também é uma ameaça real”, ponderou Arfi, em entrevista a uma rádio.

Avanço da extrema direita na Europa: Macron dissolve Parlamento

Avanço da extrema direita na Europa: Macron dissolve Parlamento

Os partidos Socialista, Comunista e Verde se aliaram nestas eleições à França Insubmissa na coligação Nova Frente Popular, contra a extrema direita e, desta vez, sem a presença de Macron.

Melénchon tornou-se um crítico veemente da operação militar israelense em Gaza e se recusou a classificar o Hamas como grupo terrorista. Num post em redes sociais, ele considerou “residual” e “ausente” o antissemitismo em manifestações pró-Palestina, o que lhe rendeu acusações de minimizar os atos contra judeus no país.

Uma pesquisa do Instituto Francês de Opinião Publica publicada no início deste mês constatou que 92% dos entrevistados judeus acreditam que o partido França Insubmissa contribui para aumentar o antissemitismo no país. O RN aparece em terceira posição, citado por 49% dos ouvidos, atrás do partido ambientalista EELV.

Quase 60% optam por uma solução drástica: dizem que sairiam da França caso o partido de extrema esquerda estivesse no comando do governo, num indicativo de que, para boa parte dos judeus franceses, a escolha de domingo não traz qualquer vestígio de entusiasmo.

O presidente francês, Emmanuel Macron, fala através de uma tela na sede do partido de extrema-direita Rassemblement National (RN) após o fechamento das urnas durante as eleições para o Parlamento Europeu, em Paris, França. — Foto: Reuters/Sarah Meyssonnier




Todos os créditos desta notícia pertecem a Notícias.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

iranianos-sao-condenados-por-se-tornarem-cristaos

Destaques

Iranianos são condenados por se tornarem cristãos

Cinco iranianos convertidos ao cristianismo foram recentemente condenados a um total de mais de 25 anos de prisão pelo Tribunal Revolucionário de Ahvaz, conforme relatado pelo grupo de direitos humanos Hengaw. Os condenados são Hamid Afzali, Nasrollah Mousavi, Bijan Gholizadeh e Iman Salehi, cada um sentenciado a 10 anos de prisão, e Zohrab Shahbazi, que recebeu uma sentença de 9 meses . Até o momento, não foram divulgadas informações detalhadas […]

today25 de junho de 2024 2

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%