G1 Mundo

Ameaça de recrutamento de ultraortodoxos ao Exército reforça a crise no governo Netanyahu

today4 de março de 2024 12

Fundo
share close

O ministro da Defesa, Yoav Gallant, abriu uma nova crise com o premiê israelense, Benjamin Netanyahu, ao apoiar o fim da isenção do recrutamento militar aos membros da comunidade religiosa, que representa 16% dos cidadãos israelenses.

Os partidos ultraortodoxos são essenciais para o funcionamento e a sobrevivência da coalizão extremista liderada por Netanyahu e asseguram uma série de benefícios em relação aos demais setores da sociedade.

Em três ocasiões, o tribunal decidiu que a exclusão do serviço militar para estudantes das escolas religiosas é discriminatória, ilegal e viola o princípio da igualdade. A partir disso, o tema foi devolvido ao Parlamento israelense.



Os sucessivos acordos entre o premiê e os partidos representados pelos ultraortodoxos adiaram uma solução, até que a procuradora-geral, Gali Baharav-Miarak, se pronunciou em favor do recrutamento dos homens desta comunidade, se até o dia 1º de abril o Parlamento não apresentasse um projeto de lei.

Segundo as Forças de Defesa de Israel, 66 mil jovens ultraortodoxos foram liberados do serviço militar, obrigatório para os demais durante o período de pelo menos dois anos.

Enquanto isso, a guerra contra o Hamas — desencadeada após o massacre de 1.200 israelenses por terroristas infiltrados no sul do país — obrigou o Exército a convocar 300 mil reservistas, com reflexos na economia.

Com a prorrogação da guerra em Gaza, este reforço foi ampliado, assim como o adiamento da aposentadoria dos reservistas ativos, deflagrando mais indignação e revolta entre os israelenses seculares contra o desgastado governo israelense.

Os ultraortodoxos são dispensados do serviço militar, para que possam estudar as escrituras judaicas em tempo integral, nas escolas religiosas subsidiadas pelo governo.

Em discurso transmitido à nação na quarta-feira, o ministro Gallant explicou que os combates em Gaza e na fronteira norte, com o Hezbollah, exigem a participação de todos os setores da sociedade.

“O fardo do serviço militar tem sido um desafio há 75 anos e estamos num tempo de guerra que não conhecíamos há 75 anos. Portanto, somos obrigados a fazer acordos e decisões, o que não fazemos há 75 anos”, ponderou Gallant.

As palavras do ministro surpreenderam e irritaram Netanyahu. Gallant ainda conclamou os partidos de centro a se juntarem em um projeto de lei que estenda o serviço militar aos religiosos para torná-lo viável. Jogou a bola para o campo de Benny Gantz, do Partido da Unidade Nacional, que lidera as pesquisas de opinião para suceder a Netanyahu.

Não é a primeira vez que o premiê e o ministro da Defesa externam publicamente suas divergências. No ano passado, Gallant foi demitido pelo premiê, depois de manifestar-se contra a sua reforma judicial, e readmitido em seguida, em função dos protestos gigantescos contra a sua saída.

Dependente de seus aliados ultraortodoxos, Netanyahu enfrenta agora também a ira desta parcela da sociedade israelense, refletida em manifestações de religiosos para fugir ao recrutamento militar.

“Morreremos e não nos alistaremos”, gritavam centenas deles ao bloquearem no domingo (3) uma rodovia perto de um bairro ultraortodoxo.

”Morreremos e não nos alistaremos’, gritavam judeus ultraortodoxos em protesto contra declaração do Ministro da Defesa favorável a derrubar medida que isenta o grupo de servir o Exército, em 26 de fevereiro de 2024. — Foto: Ronen Zvulun/ Reuters

EUA enviam sua 1ª ajuda humanitária por avião a Gaza

EUA enviam sua 1ª ajuda humanitária por avião a Gaza




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

forca-tarefa-procura-quatro-suspeitos-de-estupro-coletivo-de-brasileira-na-india

G1 Mundo

Força-tarefa procura quatro suspeitos de estupro coletivo de brasileira na Índia

O ataque ocorreu na noite de sexta-feira, no distrito de Dumka, no estado de Jharkhand, no leste da Índia), onde o casal, que viajava de moto, parou para acampar. Sete homens teriam atacado a mulher. "Formamos uma equipe para descobrir o paradeiro dos suspeitos", declarou à AFP o policial Pitamber Singh Kherwar. "Em breve eles serão detidos", prometeu. Kherwar anunciou também que uma equipe especial foi criada para examinar a […]

today4 de março de 2024 8

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%