G1 Mundo

Após terremotos na Turquia, pessoas foram torturadas pela polícia, revelam ONGs

today6 de abril de 2023 10

Fundo
share close

Um dos casos relatados é o de Ahmet Guresci que, após ter sido acusado de roubo, foi vítima da brutalidade das forças de segurança turcas. O homem de 27 anos foi preso cinco dias depois dos terremotos por “suspeitas de saques e outros crimes”, junto a seu irmão mais velho, Sabri.

“Até dez policiais [o agrediram] durante muito tempo, tiraram suas roupas, torceram seus testículos e tentaram violentá-lo analmente com cassetetes”, escreveram as organizações em um relatório publicado nesta quarta-feira (5).

Ahment acabou morrendo vítima dos espancamentos. De acordo com as ONGs, a necropsia do homem indicou uma lesão cerebral que pode ter causado sua morte e hematomas em seu corpo.



O boletim médico de Sabri também indicou violência. “Lesões e hematomas longos nos ombros, costas, nádegas e extremidades, além de um polegar quebrado, o que corresponde à versão de que foi espancado com cassetetes e chutado pelos policiais”, mostrou o documento.

De acordo com a Anistia Internacional e a Human Rights Watch, três policiais foram e permanecerão suspensos durante as investigações.

As ONGs ainda documentaram 13 casos de violência das forças de segurança em que 34 vítimas, todos homens, foram espancados por policiais ou soldados no local dos terremotos. Até o momento, nenhuma outra morte foi relatada.

Os ministérios da Justiça e do Interior da Turquia afirmaram que possuem uma política de “tolerância zero sobre a tortura” e responderam que as conclusões das duas instituições são apenas “afirmações vagas sem qualquer fundamento”.

Emma Sinclair-Webb, diretora associada da Human Rights Watch e representante da ONG na Turquia, afirmou que estes 13 casos “são apenas a ponta do iceberg”.

“Temos que admitir que houve um desafio de segurança [para as autoridades], com roubos e saques”, disse. “Mas a polícia e [os militares] têm a responsabilidade de manter as pessoas seguras, o que não significa torturá-las ou espancá-las, mesmo que sejam suspeitas de roubo.”

Para elaborar o relatório, a Anistia Internacional e a HRW utilizaram documentos oficiais, como depoimentos, boletins médicos e registros em imagem.

Em um vídeo que circulou em nas redes sociais dias após os terremotos mostra um homem sendo agredido por de pessoas à paisana, policiais e soldados. A vítima, da cidade de Antioquia, fortemente atingida pelos tremores, estava socorrendo um amigo, que também foi agredido pelas forças de segurança.

Os dois homens conseguiram provar sua inocência e foram liberados, mas prestaram queixa sobre o incidente.

O estado de exceção, declarado por três meses nas áreas afetadas pelo terremoto, “não deve levar à anarquia e à impunidade, tortura e outros maus-tratos”, disse Esther Major, pesquisadora da Anistia Internacional.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

polonia-esta-disposta-a-entregar-todos-os-cacas-mig-29-do-pais-a-ucrania

G1 Mundo

Polônia está disposta a entregar todos os caças MiG-29 do país à Ucrânia

Varsóvia já entregou a Kiev oito MiG-29 e enviará outros seis em breve. Durante uma visita de Volodymyr Zelensky, líder ucraniano, à Varsóvia, o presidente da Polônia, Andrzej Duda, afirmou em entrevista coletiva que a Ucrânia poderá receber "o conjunto de sua frota de MiG" em breve. Antes disso, no entanto, Duda precisa da aprovação dos aliados da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan). Zelensky, chegou nesta quarta-feira (5) […]

today6 de abril de 2023 5

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%