G1 Mundo

Biden chama decisão da Suprema Corte que concedeu imunidade a Trump de ‘precedente perigoso’ e diz que ninguém está acima da lei

today2 de julho de 2024 6

Fundo
share close

Biden chamou a decisão de “um precedente perigoso”, porque o poder da presidência não será mais limitado pela lei.

“Esta nação foi fundada no princípio de que não há reis na América. Ninguém está acima da lei, nem mesmo o presidente dos Estados Unidos”, disse o presidente, acrescentando que agora “isso mudou fundamentalmente”. Nesta segunda, um de seus assessores de campanha afirmou que a decisão facilita para Trump “seguir um caminho rumo à ditadura.”

A decisão, vista como uma vitória para Trump, deve atrasar os julgamentos dos processos, que podem acontecer apenas depois das eleições presidenciais, em 5 de novembro. O ex-presidente é candidato pelo Partido Republicano.



A decisão não concede imunidade automática para Trump, mas aponta que ex-presidentes dos EUA podem ser imunes de processos na esfera criminal. Com isso, o caso voltará a tribunais da 2ª instância, que terão de julgar se Trump é imune em cada um dos três processos.

Por seis votos contra três, os juízes disseram, pela primeira vez na história dos EUA, que os ex-presidentes têm direito a imunidade absoluta. No entanto, essa imunidade só vale em atos cometidos por um ex-presidente quando ele ainda estava no poder e em atos oficiais da presidência.

Suprema Corte dos EUA decide que Trump pode ter direito a imunidade

Suprema Corte dos EUA decide que Trump pode ter direito a imunidade

“Agora, o homem que enviou aquela multidão ao Capitólio dos EUA está enfrentando uma possível condenação criminal pelo que aconteceu naquele dia. O povo americano merece ter uma resposta nos tribunais antes da próxima eleição”, disse Biden, referindo-se ao julgamento de Trump por seu papel em incitar o tumulto.

Biden também chamou a decisão de um “terrível desserviço” aos americanos, porque o público tem o direito de saber os resultados da acusação contra Trump antes da eleição em novembro, o que agora é improvável.

A Suprema Corte dos Estados Unidos decidiu nesta segunda-feira (1º) que o ex-presidente dos EUA Donald Trump tem direito a receber imunidade parcial nos processos a que ele responde na Justiça norte-americana.

Trump se tornou réu nesse processo em agosto de 2023, mas a data para o julgamento ainda não foi marcada.

Em sua própria rede social, a Truth Social, Donald Trump celebrou a decisão, que classificou de uma “grande vitória para a nossa Constituição e a democracia”.

Trump sentado no tribunal no segundo dia de julgamento — Foto: JUSTIN LANE/Pool via REUTERS

O assessor-chefe da campanha de Joe Biden disse que “a decisão de hoje não altera os fatos, por isso sejamos muito claros sobre o que aconteceu em 6 de janeiro (de 2021): Donald Trump encorajou uma multidão a derrubar os resultados de uma eleição livre e justa”.

A sentença da Suprema Corte desta segunda também determina que, agora, os tribunais inferiores são os que deverão decidir sobre a imunidade como aplicar a nova decisão ao caso de Trump. O caso, originalmente, foi julgado em um tribunal da 2ª instância, que rejeitou o pedido do ex-presidente por imunidade.

Os advogados de Trump apresentaram recurso, e o caso subiu, então, para a Suprema Corte.

No pedido original, Trump argumentou que estaria imune porque era presidente quando tomou as medidas que levaram a todos os processos — como as acusações de que ele incitou manifestantes a invadirem o Capitólio e de que pressionou autoridades eleitorais do estado da Georgia a recontar os votos.

A Suprema Corte dos EUA tem maioria conservadora — seis juízes foram indicados por presidentes republicanos, três deles pelo próprio Donald Trump. Os outros três foram indicações democratas.

Na sentença, a juíza Sonia Sotomayor, indica pelo ex-presidente democrata Barack Obama e que deu voto contrário à imunidade, argumentou que, com direito a serem imunes, presidentes e ex-presidente se tornaram “reis acima da lei”.

Processos em que Trump poderia ser imune

No ano passado, Trump se tornou réu em quatro processos criminais na Justiça norte-americana. Apenas em um deles, o julgamento já aconteceu. Em maio, o ex-presidente foi condenado por fraude contábil ao ocultar um pagamento de US$ 130 mil para comprar o silêncio da ex-atriz pornô Stormy Daniels na eleição de 2016, que ele venceu.

A pena da condenação estava prevista para ser determinada pelo juiz do caso em julho. Até a última atualização desta reportagem, o juiz não havia informado se adiaria a sessão para estipular a pena por conta da nova decisão da Suprema Corte.

Neste caso, no entanto, a imunidade não se aplicaria, já que ele não estava no poder quando cometeu o crime, segundo entendimento da Justiça.

Nos outros dois processos, a defesa de Trump poderia pedir que ele seja imune, seguindo a compreensão dos juízes da Suprema Corte.

Em um deles, Trump é acusado de ser o chefe de uma organização criminosa com o objetivo de fraudar a eleição no estado da Georgia.

Neste caso, segundo a Promotoria, o ex-presidente chegou a telefonar pessoalmente para secretário de Estado da Georgia e para a autoridade eleitoral máxima do estado com o objetivo de pressioná-los a alterar o resultado da contagem local de votos, que davam vitória aos democratas. Na ocasião, ele era presidente dos EUA.

No entanto, agora caberá aos juízes da 2ª instância decidir se a imunidade se aplicará em cada um dos casos ou não, e de que forma.

Biden e Trump trocam ofensas em 1º debate presidencial

Biden e Trump trocam ofensas em 1º debate presidencial

A decisão da Suprema Corte ocorre poucos dias depois do primeiro debate presidencial entre Trump e Biden, no qual o desempenho do democrata foi considerado ruim pelo seu partido e por ele próprio.

A atuação de Biden, hesitante e lento durante o debate, gerou pressões por parte de membros do partido para que ele desistisse de concorrer à presidência pelo Partido Democrata, que indicaria então outro candidato.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

Notícias

A extrema direita na França tem mais de 50 anos; por que só agora ela está perto do poder?

Ainda assim, a extrema direita na França continuou à margem da política, sendo vista como um pária. As coisas começaram a mudar junto da chegada de um novo nome para o partido, que em 2018 mudou de nome para Reunião Nacional —já sob comando de sua atual secretária-geral, Marine Le Pen. Mas foi só com a geração das redes sociais que a sigla conseguiu dar um salto e se tornar o partido favorito para governar o país -- o RN […]

today2 de julho de 2024 3

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%