G1 Mundo

Brasil deixa consenso internacional contra o aborto assinado no governo Jair Bolsonaro

today18 de janeiro de 2023 14

Fundo
share close

Na nota, o governo brasileiro diz que decidiu “atualizar o posicionamento do país em fóruns e mecanismos internacionais que tratam da pauta das mulheres”.

E que o Consenso de Genebra assinado pelo chanceler Ernesto Araújo em 2020 “contém entendimento limitativo dos direitos sexuais e reprodutivos e do conceito de família e pode comprometer a plena implementação da legislação nacional sobre a matéria, incluídos os princípios do Sistema Único de Saúde (SUS)”.

O consenso foi assinado na época por Brasil, EUA (na gestão Trump), Egito, Hungria, Uganda e Indonésia.



“O Governo reitera o firme compromisso de promover a garantia efetiva e abrangente da saúde da mulher, em linha com o que dispõem a legislação nacional e as políticas sanitárias em vigor sobre essa temática, bem como o pleno respeito às diferentes configurações familiares”, diz o Itamaraty, agora já sob comando do chanceler Mauro Vieira.

Veja abaixo uma entrevista da ministra de Igualdade Racial, Anielle Franco, sobre a abordagem dos direitos das mulheres no governo Lula:

Anielle Franco sobre defesa dos direitos das mulheres no governo Lula: Temos feito diagnóstico para os primeiros 100 dias

Anielle Franco sobre defesa dos direitos das mulheres no governo Lula: Temos feito diagnóstico para os primeiros 100 dias

Também nesta terça, o Brasil informou ter comunicado a fóruns interamericanos a decisão de se associar a dois protocolos recentes sobre direitos das mulheres adotados pelo continente:

  • o Compromisso de Santiago (2020), que trata de uma resposta à crise da Covid que leve em conta parâmetros de gênero;
  • e a Declaração do Panamá, de 2022, que tem como título “Construindo pontes para um novo pacto social e econômico gerido por mulheres”.

“O Governo entende que o Compromisso de Santiago e a Declaração do Panamá estão plenamente alinhados com a legislação brasileira pertinente, em particular no que respeita à promoção da igualdade e da equidade de gênero em diferentes esferas, à participação política das mulheres, ao combate a todas as formas de violência e discriminação, bem como aos direitos sexuais e reprodutivos”, diz o governo.

“Ao associar-se aos referidos instrumentos, o Brasil passará a dispor de ferramentas valiosas para coordenação e promoção de políticas a fim de garantir os direitos das mulheres no âmbito regional e hemisférico, fortalecendo, desse modo, a interlocução técnica e o potencial para cooperação multilateral sobre os temas”, prossegue.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

membros-de-grupo-de-extrema-direita-sao-julgados-na-franca-por-querer-atentar-contra-macron

G1 Mundo

Membros de grupo de extrema direita são julgados na França por querer atentar contra Macron

O tribunal correcional de Paris julga 11 homens e duas mulheres, com idades entre 26 e 66 anos, que podem receber sentenças de até 10 anos de prisão. A investigação começou em outubro de 2018 com base em informações de inteligência de que Jean-Pierre Bouyer queria matar Macron no leste da França. O ativista de extrema direita, segundo essas informações, planejava fazê-lo em 11 de novembro, no centenário do armistício […]

today18 de janeiro de 2023 10

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%