G1 Mundo

Brasil e Argentina: 200 anos de uma relação diplomática que foi do fracasso à mais estratégica

today25 de junho de 2023 9

Fundo
share close

Fernández, será recebido pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no Palácio do Planalto. Brasil e Argentina formam uma aliança estratégica de integração regional e de inserção internacional, mas nem sempre os dois países foram unidos.

Em 25 de junho de 1823, as Províncias Unidas do Sul ou Províncias Unidas do Rio da Prata, hoje Argentina, foram o primeiro país a reconhecer a Independência do Brasil e o seu sistema de governo monárquico, único em todo continente americano.

Esse reconhecimento internacional chegou através de uma carta escrita pelo então ministro de Governo das Províncias Unidas do Sul, Bernardino Rivadavia, ao primeiro chanceler do Império do Brasil, José Bonifácio de Andrada e Silva.



Mas, além de expressar que “o governo de Buenos Aires celebrava com a mais plena satisfação a Independência do Brasil”, o ministro argentino indicava que “queria tratar definitivamente da evacuação da Faixa Oriental”, hoje Uruguai.

Sete anos antes, em 1816, o atual Uruguai, chamado por “Banda Oriental” (Faixa Oriental) pelas Províncias Unidas do Sul e por Província Cisplatina, pelo Brasil, tinha sido ocupado pelo Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves, sendo incorporado ao território brasileiro.

No entanto, a Argentina, cuja declaração de Independência se deu em 1816, mas só teve o primeiro reconhecimento em 1821, justamente por parte de Portugal, entendia a ocupação como uma invasão do seu território.

“Excelentíssimo Senhor Ministro de Estado e de Relações Exteriores do Gabinete do Brasil, este Governo celebrou com a mais plena satisfação a Independência do Brasil e o estabelecimento de um Governo que satisfaz as suas necessidades”, começava a carta de 25 de junho de 1823.

A missiva foi levada pelo primeiro representante diplomático de Buenos Aires à capital do Império, o Rio de Janeiro, para “estabelecer relações entre os dois governos”. O presbítero argentino José Valentín Gómez tornou-se, assim, o primeiro diplomata estrangeiro no Brasil independente.

Relações começam em 5 de agosto de 1823

No dia 5 de agosto, Valentín Gómez se apresentou a José Bonifácio. Se a carta marca a formalização do primeiro reconhecimento internacional da Independência do Brasil, essa reunião marca o começo formal das relações diplomáticas entre o Império do Brasil e as Províncias Unidas do Sul. No entanto, essas relações não foram amistosas.

Valentín Gómez procurava abrir negociações para que o Brasil se retirasse do Uruguai, mas o objetivo fracassou. O Imperador D. Pedro I estava decidido a ficar com a margem direita do Rio da Prata, devido à importância estratégica e portuária de Colónia do Sacramento e de Montevidéu.

Por isso, em maio de 1825, designou Antonio José Falcão da Frota como “agente político do Império do Brasil”, mas o diplomata também fracassou no objetivo de fazer as Províncias Unidas do Sul desistirem da Província Cisplatina.

Em 4 de novembro de 1825, a Argentina rompeu relações diplomáticas com o Império do Brasil. Em 10 de dezembro de 1825, o Brasil declarou formalmente guerra às Províncias Unidas do Sul.

A guerra com a Argentina duraria três anos, até 27 de agosto de 1828 e, do acordo de paz, com a mediação da Inglaterra, nasceria o Uruguai como um estado-tampão.

Aliança total só começaria em 1985

Esse clima de guerra e de desconfiança permaneceu ao longo da História até que nos anos de 1980 os dois países, com democracias recém-recuperadas, selaram uma aliança total, embrião da integração regional.

O passo mais crucial para essa aliança foi a abertura dos segredos nucleares. Num caso único no mundo, em 1991, os dois países criaram a Agência Brasileiro-Argentina de Contabilidade e Controle de Materiais Nucleares (ABACC), trocando a corrida por uma bomba nuclear pela confiança mútua. Foi um ponto de não retorno no processo de integração.

Desde então, o período de maior distanciamento entre os dois países foi entre 10 de dezembro de 2019 – posse do atual presidente argentino, Alberto Fernández – e 31 de dezembro de 2022 – último dia de governo do ex-presidente brasileiro, Jair Bolsonaro. Durante três anos, por razões ideológicas, Bolsonaro e Fernández não tiveram nenhuma reunião bilateral presencial.

Porém, desde que Lula ganhou as eleições, em outubro passado, Alberto Fernández já se reuniu com o seu amigo brasileiro cinco vezes, sendo a desta segunda-feira a sexta vez. O sétimo encontro já está marcado para o dia 4 de julho, durante a Cúpula do Mercosul.

Na visita anterior de Alberto Fernández a Brasília, em 30 de maio passado, o Brasil formalizou o financiamento para a construção de um gasoduto entre a reserva argentina de Vaca Muerta, a segunda maior jazida de gás de xisto e a quarta de petróleo não convencional do mundo, até o Sul do Brasil.

Brasil e Argentina também intensificaram a integração de energia elétrica que permite um país trocar energia com o outro em tempos de maior demanda de um e de maior produção do outro.

Se, no passado recente, até mesmo a bitola dos trilhos ferroviários era diferente para impedir que um país invadisse o outro, há 40 anos, tudo é feito para reforçar uma aliança estratégica, plataforma de inserção internacional dos dois países.

No campo comercial, o Brasil é o principal mercado para os produtos argentinos e, embora para o Brasil a Argentina seja atualmente o terceiro maior mercado, a Argentina é o país que mais produtos industrializados compra do Brasil, aqueles que mais empregos geram para os brasileiros.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

quais-os-possiveis-impactos-do-motim-do-grupo-wagner-na-guerra-entre-russia-e-ucrania

G1 Mundo

Quais os possíveis impactos do motim do Grupo Wagner na guerra entre Rússia e Ucrânia

Desde o início da guerra entre Rússia e Ucrânia, o Grupo Wagner teve papel fundamental para os russos. Trata-se de um exército privado de mercenários que, acredita-se, tenha defendido os interesses russos na Síria e na Líbia, assim como no Sudão ou na República Centro-africana. Mas o conflito dos últimos dias colocou em xeque a aliança entre as tropas russas e o grupo de mercenários. Putin classificou a ação dos […]

today25 de junho de 2023 4

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%