G1 Santos

Brasileira ganha bolsa de U$ 150 mil para estudar formas de melhorar cuidado marinho em áreas de proteção ambiental do litoral de SP

today1 de abril de 2023 7

Fundo
share close

Os ganhadores da bolsa foram divulgados na última terça-feira (21). O grupo escolhido reúne pesquisadores dos Estados Unidos, Austrália, Reino Unido, Cabo Verde e China.

Quando descobriu que fazia parte dos selecionados, Leandra ficou emocionada. Para ela, ter a oportunidade de gerar conhecimento para contribuir com a diversidade biológica é uma honra, já que a região escolhida para o estudo, o litoral paulista, enfrenta desafios para compatibilizar o crescimento, desenvolvimento e conservação.

Além disso, Leandra também ressalta a oportunidade de ser financiada para realizar pesquisas. Segundo ela, a ciência brasileira enfrentou nos últimos quatro anos severos cortes no orçamento de bolsas e projetos.



Os ganhadores da bolsa Pew Fellowship in Marine Conservation foram divulgados na última terça-feira (21). — Foto: Deborah Gallo

A bióloga conta que a paixão pela natureza surgiu desde a infância. Ela nasceu em Jundiaí (SP), uma cidade que é rodeada por Mata Atlântica, mas, foi o primeiro mergulho no mar durante o Ensino Médio que a fez entender que queria trabalhar com e pelo o mar.

“É um privilégio poder trabalhar com o que gosta e o que acredita. Não que não existam desafios, [porque] existem, e não são poucos, mas alimenta o coração fazer o que acreditamos”.

O programa Pew Fellows apoia cientistas em meio de carreira e outros especialistas que buscam soluções para os desafios que afetam o oceano no mundo todo. A brasileira foi escolhida por um comitê internacional de ciência marinha, que avaliou o plano que foi apresentado após ela ser indicada por um especialista da área.

“Essa pesquisa é pautada pela construção colaborativa e participativa com os atores locais [veja explicação abaixo], e que tem interesses e atividades relacionadas ao mosaico de áreas marinhas protegidas do litoral de São Paulo”, explica a bióloga.

Os atores locais os quais Leandra se refere fazem parte da população em geral que frequenta os locais que serão estudados, seja banhistas, pescadores, moradores, entre outros. Dentre as áreas de proteção que a bióloga pretende estudar estão o Parque Estadual Marinho da Laje de Santos, a Área Marinha Protegida do Litoral-Centro e o Parque Nacional Marinho de Alcatrazes.

A pesquisadora ainda usará a ferramenta analítica “Contribuições da natureza para as pessoas”, que é uma forma de mapear tudo o que a natureza oferece aos seres humanos, como alimento, lazer, regulação do clima, entre outros. A partir disso, a população deve ser conscientizada para que entendam, na prática, os benefícios da natureza para a humanidade.

Produzindo mapas de ecossistemas marinhos na rede de áreas marinhas protegidas, inclusive com as condições e os serviços ecológicos, a pesquisadora deverá desenvolver novos meios de incluir as comunidades locais na conservação ambiental das áreas marinhas protegidas.

É um projeto que parte da premissa que a conservação é feita com as pessoas e para as pessoas”, ressalta.

Todas as informações relevantes coletadas serão compartilhadas em uma série de workshops e kits de ferramentas online de melhores práticas para melhorar o gerenciamento de áreas marinhas protegidas.

Ilha dos Alcatrazes (SP) é berçário para muitas espécies nativas e migratórias. — Foto: Terra da Gente

VÍDEOS: Mais assistidos do g1 nos últimos 7 dias




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Santos.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

idoso-rompe-o-musculo-da-perna-apos-cair-em-buraco-de-esgoto-no-litoral-de-sp

G1 Santos

Idoso rompe o músculo da perna após cair em buraco de esgoto no litoral de SP

Ao g1, o professor aposentado contou que o buraco estava coberto com um pedaço de madeira. "Fui comprar pão na padaria da Rua Martim Afonso e, quando estava voltando para pegar meu carro, fui surpreendido com um buraco na tampa do esgoto, que estava disfarçado [escondido] com madeira", disse ele, que se machucou na tarde de sexta-feira (31) por volta das 16h. Segundo Benedito, o pé dele ficou preso no […]

today1 de abril de 2023 9

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%