G1 Santos

Brasileira morre em grave acidente nos EUA e família implora por ajuda para repatriar corpo

today14 de julho de 2023 10

share close

Uma família de Santos, no litoral de São Paulo, luta para conseguir repatriar o corpo de Aléxia Annozoro de Campos, de 19 anos, e poder se despedir da jovem que morreu em um acidente de carro nos Estados Unidos. O pai, Alexandre Ribeiro de Campos, contou ao g1, nesta sexta-feira (14), que é grande a angústia pela espera devido à burocracia na liberação que, segundo ele, pode chegar a três meses.

O carro em que Aléxia estava com outros quatro brasileiros capotou na cidade de St. George, no estado norte-americano de Utah, no último dia 7 de julho. Além dela, outra jovem morreu, enquanto os demais três ocupantes ficaram feridos. A jovem morava há cinco anos em Provo, que fica no mesmo estado e está a três horas de distância do local da fatalidade.

Segundo Alexandre, as duas vítimas fatais e uma das feridas estavam sem cinto de segurança. “Isso demonstra a importância de se estar com cinto no banco traseiro”, enfatizou o pai e escrivão de polícia.



Embora a família seja adepta da doutrina espírita e acredite que ela está em um lugar de luz, Alexandre ressalta que tem sido difícil suportar a “angústia pela espera em sepultá-la”.

Tem dinheiro e burocracia

Após o acidente, uma vaquinha virtual foi iniciada para levantar recursos para ajudar as famílias das vítimas a arcar com os custos hospitalares e dos funerais dos envolvidos no acidente.

Segundo Alexandre, rapidamente o dinheiro foi arrecadado, no entanto, o prazo informado para o traslado do corpo da filha foi de dois a três meses.

“Esse grande lapso de tempo chega a ser desumano”, disse o escrivão de polícia.

De acordo com Alexandre, a filha era “uma menina de muita luz e alegria”, que se mudou há cinco anos para os EUA para estudar. Durante esse tempo, sempre manteve o contato com a família. A jovem morava em Provo e cursava faculdade de microbiologia, mas sonhava em ser médica.

“Medicina é pós-graduação [nos Estados Unidos], então há necessidade de se cursar uma faculdade anterior”, explicou Alexandre.

Família de Aléxia, que mora em Santos, SP, luta para fazer a despedida da filha — Foto: Arquivo Pessoal

Ele contou que a filha esteve no Brasil em maio para visitá-los. “Falávamos com ela todos os dias, sempre mais de uma vez”, relatou o escrivão. Ele contou, ainda, que Aléxia ligava ao sair, chegar em casa e antes de dormir. “Para darmos o boa noite”.

Nos EUA, a jovem trabalhava como assistente médica e ajudava na organização de eventos na faculdade. Ate março ela morava na casa dos tios, mas se mudou quando a tia morreu. “Abalou muito minha filha, mas ela tinha um sonho e decidiu permanecer nos EUA”.

A jovem estava em viagem com os amigos. Ela saiu de Provo e pretendia passar o final de semana em St. George, cidade onde o carro capotou com quatro ocupantes — ela e outra jovem morreram. Alexandre contou que amigos em outro veículo que seguia para o mesmo destino de viram o acidente.

“Uma das colegas desse segundo veículo foi quem nos comunicou, pois possuía nosso contato. Um policial americano, que falava um pouco de português, também fez questão de passar as informações do acidente”, ressaltou o escrivão.

Ao saber a notícia, a família cogitou ir aos Estados Unidos, mas chegou à conclusão de que não adiantaria, pois o corpo de Aléxia aguarda translado [transferência] no necrotério.

Desta forma, os familiares deram início aos procedimentos para que o corpo para ser sepultado no Brasil. “Os trâmites burocráticos estão sendo realizados”, disse Alexandre, que luta para reduzir o tempo e repatriar a filha antes do prazo informado, de dois a três meses.

VÍDEOS: g1 em 1 Minuto Santos




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Santos.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

G1 Santos

Jovem come larvas em empada antes de telhado da casa ser destruído por ciclone no litoral de SP: ‘duas pauladas’; VÍDEO

Uma jovem, de 21 anos, comeu uma empada de frango repleta de larvas e, horas depois, viu o telhado da própria casa ser destruído pelas rajadas de vento causadas pelo ciclone extratropical que passa pelo Sul do país e atinge o litoral de SP. A moradora de Praia Grande (SP) Verônica Oliveira afirmou ao g1, nesta sexta-feira (14), ter sofrido "duas pauladas de uma vez só" (veja o vídeo acima). Ela contou ter comido a empada na noite da última […]

today14 de julho de 2023 1

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%