G1 Mundo

Brasileiras que ficaram ‘presas’ no Peru e caminharam 12 h para fugir de protestos conseguem remarcar retorno e devem chegar ao Brasil no domingo

today17 de janeiro de 2023 33

Fundo
share close

Ao g1, Alice e Daniela contaram que só foi possível remarcar o retorno para São Paulo depois que peruanos a ajudaram a sair da cidade do interior no dia 14 de janeiro. Elas foram informadas que algumas barricadas eram liberadas pela madrugada e existiam viagens pelas rotas alternativas.

“Saímos 0h30 do dia 14 de janeiro e fomos de carro com outros locais, pegando rotas alternativas para evitar outras barricadas no caminho. Chegamos às 13h em Nazca, e de Nazca pegamos um ônibus até Lima, pois essa rota estava operativa e livre. Aí chegamos em Lima 22h30″.

“Ficamos com medo de encontrar barricadas. Mas dos peruanos não. Eles que têm ajudado a gente durante todo esse perrengue. Até agora não recebemos nada da Embaixada. Saímos com ajuda de locais”, ressaltou.



Ainda conforme Alice, a companhia aérea trocou a data de volta para o dia 22. Agora, ela espera que tudo acalma pelo país e que voos não sejam suspensos. “Torcer pra tudo continuar normal em Lima“, afirma.

Brasileiras no Peru não conseguem sair de cidade após protesto fechar estradas

Brasileiras no Peru não conseguem sair de cidade após protesto fechar estradas

Em nota, o Itamaraty informou que tinha conhecimento do caso e que estava “prestando a assistência possível às nacionais, em conformidade com os tratados internacionais vigentes e com a legislação local”.

O Ministério recomendou ainda que brasileiros considerem adiar temporariamente visitas ao Peru que não sejam urgentes ou indispensáveis.

“Brasileiros que estejam no Peru ou tencionem viajar àquele país devem também manter-se informados sobre alertas para viajantes na página do serviço consular da Embaixada do Brasil em Lima e no Portal Consular, seguindo as recomendações ali expressas, em especial as que dizem respeito a cuidados a serem tomados em viagens e deslocamentos por via terrestre”.

Manifestações durante viagem de férias

Brasileiras no Peru mostram comércios fechados e barricadas durante manifestação

Brasileiras no Peru mostram comércios fechados e barricadas durante manifestação

Alice e Daniela contaram ao g1 que planejavam fazer mochilão pelo Peru e Bolívia durante o mês de janeiro. No dia 4 de janeiro as duas desembarcaram em Lima e tinham como plano ir para Machu Picchu, em Cusco, no dia 16. Depois, seguiriam para a Bolívia. Contudo, os atos a surpreenderam.

“Fomos forçadas a mudar nossa rota de Lima a Paracas ou qualquer outra cidade da província de Ica devido às greves. Fomos no dia 7 de janeiro para Ayacucho, um dos únicos destinos possíveis que se aproximavam do nosso destino real que era Cusco, para fugir desses atos. No entanto, Cusco se tornou um dos lugares mais afetados, além de ter sua principal atração, Machu Picchu, fechada”, diz Daniela.

Manifestante fala com policiais em protesto em Lima, no Peru, em 12 de janeiro de 2023. — Foto: Sebastian Castañeda/ Reuters

Daniela e Alice resolveram então, no dia 9 de janeiro, pegar uma van com peruanos que estava indo até Chincheros como forma de se afastar das áreas com manifestações.

“Mas em Chincheros encontramos a primeira barricada deixada pelos manifestantes e tivemos que fazer o restante do caminho a pé até Uripa. No dia 10 de janeiro, caminhamos de novo por 12 horas, com mochilas de 15 quilos cada, e chegamos em Andahuaylas na esperança de chegar a Cusco, mas os atos vieram na mesma direção”, conta Daniela.

As paulistanas dizem que receberam assistência do setor de turismo da cidade, do governo peruano, e ficaram em um hostel sem custo na cidade do interior.

O que causou os protestos?

Manifestação contra a presidente do Peru, Dina Boluarte, em 12 de janeiro de 2022 — Foto: Angela Ponce/Reuters

As manifestações começaram depois que o Congresso derrubou o presidente Pedro Castillo, no dia 7 de dezembro. Castillo foi preso e condenado a uma pena inicial de 18 meses.

Ainda quando era presidente, ele era investigado em diversos processos. Castillo, então, tentou dissolver o Congresso. Sem apoio do exército, do Judiciário e do Legislativo, ele foi derrubado e preso horas depois.

O que está motivando os protestos?

Os manifestantes querem a renúncia de Boluarte, o fechamento do Congresso, uma nova Constituição e a libertação de Castillo. Também houve marchas que pedem o fim da agitação política.

Grupos de direitos humanos acusam as autoridades de usar armas de fogo contra os manifestantes e de usar helicópteros para jogar bombas de fumaça. O exército afirma que os manifestantes usaram armas e explosivos caseiros.

Em 10 de janeiro, a Procuradoria do Peru afirmou que começou a investigar Boluarte e pessoas do governo dela por “genocídio, homicídio qualificado e ferimentos sérios” relacionados à reação aos protestos.

O que está acontecendo nas manifestações?

Mulher passa debaixo de tronco de árvore em ponte interditada em Cusco pelos protestos que pedem renúncia da presidente do Peru, Dina Bolutarte, em 07 de janeiro de 2023. — Foto: Hugo Courotto/ Reuters

Os manifestantes bloquearam rodovias, incendiaram prédios e invadiram aeroportos. Isso implicou prejuízos de milhões de dólares e perda de receitas. Os bloqueios interromperam o comércio, suspenderam voos e trouxeram problemas para os turistas.

As forças de segurança responderam com violência e acabaram atacando civis que não estavam protestando.

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos condenou a violência tanto das forças de segurança quanto dos manifestantes e pediu diálogo. Os manifestantes até agora se recusaram a dialogar com Boluarte.

Manifestantes com cartaz pedindo antecipação das eleições para 2023 no Peru, em Ica, em 6 de janeiro de 2023. — Foto: Martin Mejia/ AP




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

‘gravei-em-segredo-a-confissao-do-meu-estuprador’

G1 Mundo

‘Gravei em segredo a confissão do meu estuprador’

Ellie Wilson tem 25 anos e gravou Daniel McFarlane confessando seus crimes ao colocar seu celular para gravar dentro da bolsa. McFarlane foi considerado culpado de duas acusações de estupro e condenado a cinco anos de prisão, em julho do ano passado. Wilson afirma que, mesmo com as descrições em áudio e por escrito apresentadas no tribunal, o veredito não foi unânime. Os ataques ocorreram entre dezembro de 2017 e […]

today17 de janeiro de 2023 113

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%