G1 Mundo

Brasileiro suspeito de matar policial de elite francês é preso na Guiana Francesa

today9 de abril de 2023 20

Fundo
share close

O promotor público de Caiena, Yves Le Clair, disse que o jovem tinha demonstrado a intenção de se entregar à polícia. 

O policial militar de elite Arnaud Blanc, 35 anos, foi assassinado em 25 de março com dois tiros, quando participava de uma operação contra a mineração ilegal na Guiana Francesa.

De acordo com os primeiros elementos da investigação, o brasileiro detido fazia parte de um grupo criminoso que roubava ouro extraído de atividades de garimpo clandestino, mas não era um garimpeiro. 



O suposto atirador se encontra sob regime de detenção judicial. Ele irá comparecer nas próximas horas diante de um juiz de liberdade e custódia, que deve ordenar sua prisão. 

O policial assassinado pertencia ao grupo de elite francês GIGN, especializado em operações de inteligência e alto risco. Ele havia chegado à Guiana Francesa em 22 de março e foi transportado de helicóptero, junto com nove colegas, para uma área de floresta no centro do território francês, onde havia sido localizado o garimpo ilegal de Dorlin, próximo do município de Maripasoula.

Na aproximação do acampamento onde dormiam os garimpeiros clandestinos, os policiais franceses foram recebidos a tiros pelo grupo criminoso. Blanc, que estava à frente dos colegas, chegou a responder com sua pistola até esvaziar a última bala de seu cartucho. Porém, baleado duas vezes, o francês não resistiu aos ferimentos e morreu. 

De acordo com o promotor de Caiena, o brasileiro suspeito de ser o autor dos disparos continuou na área depois do incidente.

Macron homenageou policial morto

O crime provocou comoção na França. O major Arnaud Blanc deixou uma companheira e dois filhos. Em 31 de março, poucos dias depois do assassinato, o presidente francês, Emmanuel Macron, prestou uma homenagem ao policial militar. “Era um homem sorridente e livre, um soldado da lei”, afirmou o chefe de Estado durante a cerimônia póstuma. 

Atirador de elite, motorista de veículo blindado e especialista em escavações, Blanc tinha o perfil indicado para a operação contra o garimpo ilegal na Guiana Francesa.

“Seu objetivo era desmantelar um desses campos ilegais de mineração de ouro onde não só ouro, mas também drogas, medicamentos, armas e até mesmo humanos são comercializados”, disse Macron durante a cerimônia realizada na região parisiense, referindo-se a “mulheres prostituídas”, “crianças escravizadas” e “migrantes ilegais cuja desgraça é explorada por ameaças e chantagem”.

Desde 2008, o Exército francês e a polícia local realizam operações de grande escala na Guiana Francesa para desmantelar garimpos ilegais. Do final de outubro ao início de dezembro de 2022, até 500 soldados franceses estiveram mobilizados para “neutralizar” essa atividade clandestina.

Porém, de acordo com o Observatório de Atividade Mineira (OAM), existem 500 garimpos explorados ilegalmente no território ultramarino, 150 deles localizados dentro do Parque Nacional da Amazônia, criado em 2007 para proteger a floresta e sua biodiversidade. Em 2022, as autoridades francesas realizaram mais de 1.000 patrulhas na floresta e apreenderam 59 quilos de mercúrio e cinco quilos de ouro, de acordo com um relatório oficial.

Um relatório parlamentar publicado em julho de 2021 já apontava a existência de cerca de 8.600 garimpeiros clandestinos na área, inclusive brasileiros em situação ilegal.

Além das dificuldades encontradas para penetrar na floresta amazônica, a luta contra este fenômeno é complicada por sua natureza transfronteiriça, com garimpeiros operando nos dois lados do rio Oiapoque, que separa a Guiana Francesa do Amapá, e também do rio Maroni, na fronteira do Suriname.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

na-missa-de-pascoa,-papa-condena-violencia-no-oriente-medio,-repressao-na-nicaragua-e-pobreza-no-haiti

G1 Mundo

Na missa de Páscoa, papa condena violência no Oriente Médio, repressão na Nicarágua e pobreza no Haiti

A violência em Jerusalém e nos arredores esta semana "ameaçam o desejado desejado clima de confiança e respeito recíproco, necessário para retomar o diálogo entre israelenses e palestinos", declarou o papa durante a tradicional bênção "Urbi et Orbi" (à cidade e ao mundo) na praça São Pedro do Vaticano. As declarações de Francisco se referiram à nova espiral de violência que começou após a intervenção da polícia israelense na mesquita […]

today9 de abril de 2023 9

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%