G1 Mundo

Campanha de Biden combinou e enviou perguntas que radialistas fizeram ao presidente em entrevistas

today6 de julho de 2024 5

Fundo
share close

Biden participou na última quinta-feira (4) de programas de rádio voltados para o público negro nos estados críticos de Wisconsin e Pensilvânia.

Foram as primeiras oportunidades do presidente mostrar que podia responder a perguntas e discutir seu histórico após um debate no qual o candidato de 81 anos teve dificuldades para completar frases e defender suas propostas contra o republicano Donald Trump.

O apresentador de rádio Earl Ingram disse neste sábado que os assessores de Biden o procuraram diretamente para a entrevista e lhe enviaram uma lista de quatro perguntas com antecedência, sobre as quais não houve negociação.



“Eles me deram as perguntas exatas para fazer”, disse Ingram, cujo programa “The Earl Ingram Show” é transmitido em todo o estado em 20 emissoras de Wisconsin, à Associated Press. “Não houve idas e vindas.”

As entrevistas foram parte de um esforço para restaurar a confiança na capacidade de Biden não apenas de governar o país nos próximos quatro anos, mas de fazer uma campanha bem-sucedida.

Mas a revelação sobre a lista prévia de perguntas acabou criando dúvidas sobre se Biden é capaz de se sair bem em momentos que não estão planejados.

Aparecendo com Ingram mais cedo na CNN, a apresentadora Andrea Lawful-Sanders, do programa “The Source”, na WURD na Filadélfia, disse que havia recebido uma lista de oito perguntas, das quais aprovou quatro.

O que diz a campanha de Biden

A campanha de Biden alegou que sugerir perguntas é uma prática comum e que não exigiu que elas fossem aceitas para que as entrevistas fossem realizadas.

Lauren Hitt, porta-voz da campanha de Biden, disse que “não é de forma alguma uma prática incomum que os entrevistados compartilhem tópicos que preferem”, acrescentando que as perguntas enviadas a Ingram e Lawful-Sanders “eram relevantes para as notícias do dia”, incluindo o desempenho de Biden no debate e “o que ele havia feito pelos afro-americanos”.

Ela também apontou para uma estação de TV da Virgínia, dizendo que a campanha de Trump cancelou uma entrevista após o debate depois que o repórter da estação se recusou a concordar com as condições para suas perguntas. A campanha de Trump não respondeu imediatamente a uma mensagem solicitando comentários sobre suas práticas de entrevista ou se tais aparições foram canceladas devido ao assunto.

Biden argumentou no programa de Ingram que muito mais do que seu próprio futuro político estava em jogo, dizendo: “As apostas são muito altas. Eu sei que você sabe disso. Para a democracia, para a liberdade… nossa economia, tudo está em jogo.”

Ingram fez quatro perguntas em sua entrevista de 18 minutos. Ele perguntou se Biden poderia “falar sobre algumas conquistas que podemos ou não estar familiarizados com seu histórico, especialmente aqui em Wisconsin”, o que estava em jogo para os eleitores negros na eleição, o que Biden diria às pessoas que acreditam que seu voto não importa e se ele poderia abordar seu desempenho no debate e um comentário que Trump fez durante o debate sobre pessoas cruzando a fronteira e tomando o que ele chamou de “empregos dos negros”.

“Eu não tive um bom debate. Foram 90 minutos no palco. Olhe o que eu fiz em 3,5 anos”, disse Biden ao responder à última pergunta antes de falar por vários minutos sobre Trump, a economia e questões dos veteranos.

Desde a entrevista com Biden, Ingram disse que todas as seis linhas telefônicas para seu programa diário têm estado lotadas com ouvintes querendo opinar sobre se Biden deveria desistir da corrida, estimando que mais de dois terços querem que Biden continue.

Quando questionado sobre a lista fixa de perguntas, Ingram — que está no rádio há 15 anos e disse que não se considera um jornalista — afirmou que a ideia de receber uma lista fixa de perguntas para um convidado o deixou hesitante, mas também apresentou uma oportunidade talvez única na carreira.

“Provavelmente nunca teria aceitado, mas esta foi uma oportunidade de falar com o presidente dos Estados Unidos“, disse ele.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

‘excalibur’-francesa:-espada-de-1.300-anos-que-estava-encravada-na-pedra-e-roubada;-policia-investiga

G1 Mundo

‘Excalibur’ francesa: espada de 1.300 anos que estava encravada na pedra é roubada; polícia investiga

A espada Durandal, também conhecida como a "Excalibur francesa", em referência à lenda da espada mágica do Rei Arthur, despareceu da rocha em que estava cravada há mais de 1.300 anos no último 22 junho, na comuna de Rocamadour, na França. O artefato estava em uma pedra a mais de 10 metros de altura do chão e as investigações preliminares trabalham com a hipótese de que ela tenha sido roubada, […]

today6 de julho de 2024 6

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%