G1 Mundo

Cão farejador ainda é mais eficiente do que robôs para encontrar soterrados

today10 de fevereiro de 2023 31

Fundo
share close

As equipes de resgate trabalham incansavelmente 24 horas por dia na busca por sobreviventes soterrados sob os escombros deixados pelos terremotos na Turquia e na Síria na segunda semana de fevereiro. As chances de encontrar sobreviventes diminuem a cada dia que passa.

Há várias maneiras de descobrir onde possa haver pessoas vivas sob as montanhas de ruínas. Às vezes até é possível a comunicação direta. Voluntários e equipes de ajuda humanitária interrompem seu trabalho quando creem ter ouvido um sinal de vida. Por vezes, os soterrados podem chamar a atenção com gritos ou batidas, ou até mesmo enviar uma mensagem para a família ou amigos.



Equipes de resgate salvam cachorro preso sob os escombros em Iskenderun, na Turquia

Equipes de resgate salvam cachorro preso sob os escombros em Iskenderun, na Turquia

Entretanto, essas são exceções. Normalmente, os socorristas dependem de outros métodos para procurar sobreviventes. O projeto da União Europeia Cursor (abreviatura para o nome em inglês de Uso Coordenado de Equipamentos Robóticos Miniaturizados e Sensores Avançados para Operações de Busca e Resgate) apresentou na terça-feira (7) robôs e drones para ajudarem a resgatar vítimas dos escombros de terremotos.

Os pequenos robôs sobre rodas são equipados com câmeras infravermelhas e térmicas, e sugam o ar do local através de um tubo, a fim de verificar a presença de CO2 e proteínas específicas de seres humanos, localizando-os sob os escombros. Com a ajuda de alto-falantes e microfones, pode-se fazer contato com os soterrados. E drones fornecem imagens 3D do local.

Quando persistem os tremores secundários, a busca por sobreviventes é “altamente perigosa [para equipes de resgate], porque tudo pode desmoronar”, diz Karsten Berns, cientista da computação e chefe do departamento de sistemas de robôs da Universidade Técnica da Renânia-Palatinado. “É isso que se quer melhorar com sistemas autônomos como este.”

O que fazem os robôs de resgate?

Berns é especialista em resgate com robôs em áreas de terremotos − sua equipe fez parte de um projeto similar ao Cursor em 2016. Os robôs com que Berns trabalhou no projeto também tinham o objetivo de facilitar a atuação das equipes de socorro.

Havia tanto pequenos veículos sobre esteiras com sensores infravermelhos, como grandes robôs semelhantes a escavadeiras. Graças a sua capacidade de mover escombros pesados ou partes de prédios, e de ser operados a um quilômetro de distância, nenhum operador de escavadeira fica exposto a perigos. Enquanto isso, uma câmera transmite para a central de controle o que o robô “vê”.

Alguns robôs que exploram casas desmoronadas podem ser equipados com sensores de gás: não apenas o risco de desmoronamento, mas também o de uma explosão é alto, devido a tubulações danificadas após um terremoto.

Tanto os robôs da equipe de Berns quanto os novos exemplares do projeto Cursor são apenas protótipos desenvolvidos em pesquisas e testados no contexto de apresentações individuais.

No entanto, nenhuma dessas máquinas pode ajudar a encontrar soterrados na área do terremoto turco-sírio. A produção em série para uso em desastres reais ainda está longe de ser realidade.

Para tal, é preciso por exemplo esclarecer a questão dos custos: quem deve financiar a produção de máquinas tão caras, quem pagaria o transporte para as áreas do terremoto? Na área de pesquisa não há capacidade de arcar com esses custos, diz Berns em entrevista à DW: é aqui que a indústria tem de se mexer.

O que é melhor: robô ou cão farejador?

Uma vantagem muito clara dos cães de resgate é que eles não são protótipos. Os animais já são usados ​​para isso há muito tempo, e também na Turquia e na Síria estão à procura de sobreviventes sob os escombros. Equipes com cães de resgate também viajaram da Alemanha e do Brasil para a área do terremoto.

Os cães podem identificar o cheiro de suor, hormônios, sangue, excrementos ou até mesmo hálito humano. Quando farejam alguém soterrado, latem e sinalizam com as patas.

Outro aspecto positivo dos animais é que eles não dependem de eletricidade ou da internet, de que os robôs de resgate precisam, para transmissão de dados. Sua única necessidade é água e ração.

Segundo Berns, a tecnologia dos robôs ainda não está aperfeiçoada o suficiente para superar o nariz de um bom cão farejador: “Eu diria que, hoje, o cão pastor ainda é melhor.” Também existem algumas vantagens dos robôs: a transmissão por câmera não é possível com cães, por exemplo, e eles não podem ser controlados com tanta precisão quanto um veículo pequeno.

Humanos tomam a decisão final

Enquanto trabalhavam no projeto Icarus (Sistema de controle para robôs de busca e resgate), Berns e sua equipe divagavam sobre a possibilidade de automatizar a decisão sobre os prédios a priorizar numa operação de resgate. Mas logo foram dissuadidos da ideia por ajudantes ativos.

“Eles disseram: ‘Pelo amor de Deus, tal decisão já é extremamente difícil para um especialista humano’. Há gente sob escombros que está feliz por alguém estar vindo, e os especialistas sabem muito bem que não podem salvá-las.”

Quando o perigo de desabamento é muito grande, por vezes a equipe é forçada a deixar as vítimas soterradas para trás, a fim de não colocar em perigo a vida de quem está ajudando. Tal decisão não pode ser entregue a um robô.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

balao-espiao-chines-tinha-capacidade-de-monitorar-sinais-de-comunicacao,-dizem-eua

G1 Mundo

Balão espião chinês tinha capacidade de monitorar sinais de comunicação, dizem EUA

Os EUA analisaram material do balão, que apareceu nos céus do país na semana passada e posteriormente foi abatido. O governo chinês alegou fins científicos, mas os americanos afirmaram se tratar de espionagem. Suposto balão espião da China sobrevoa os Estados Unidos O governo dos EUA alega que o balão, que apareceu misteriosamente nos céus de estados da costa oeste do país, era um equipamento de espionagem. O governo chinês […]

today10 de fevereiro de 2023 16

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%