G1 Santos

Cápsula do tempo é aberta e revela lembranças e histórias do passado: ‘indescritível’

today10 de julho de 2023 4

Fundo
share close

Dentro da cápsula, lacrada em 2003, foram retirados jornais da época, medalhas e principalmente cartas escritas pelos escoteiros para eles próprios, amigos e instrutores.

O jornal A Tribuna, de 5 de julho de 2003, um sábado, era a prova de que o tempo avança sem freios. A manchete, por exemplo, falava de mudanças na telefonia celular, como a inclusão de dígitos para ligações interurbanas. Também trazia, na capa, a morte do cantor Barry White, entre outras notícias.

Jornal A Tribuna de julho de 2003 relembra sobre as notícias da época — Foto: Alexsander Ferraz/A Tribuna Jornal



Para o presidente da Associação Civil Baden Powell, mantenedora do Escoteiros do Ar de São Vicente, Sérgio Ferreira Teijeira, a oportunidade de abrir a cápsula do tempo é motivo de absoluta emoção. “É indescritível poder rever antigos escoteiros, que foram membros juvenis nossos e, hoje, retornam depois de 15, 16 anos”.

“Quando a gente fez essa cápsula, há 20 anos, não tinha ideia se estaria aqui para abri-la”, afirmou.

Foram pouco mais de 10 minutos para que a base de concreto, que abrigava a cápsula, fosse aberta. Após aplausos, o invólucro que armazenava e protegia os itens também foi aberto e levado até uma mesa, onde começou a distribuição das cartas. Foi quando a alegria começou a tomar conta do local.

É o caso da chefe escoteira Cinthia Miranda Higa. Ela recebeu de volta a carta escrita há 20 anos para seus dois filhos, Alexandre Higa, hoje com 34, e André, com 28. Com base no texto escrito por ela em 2003, havia o desejo de que fosse uma boa mãe, que os filhos fossem felizes e realizados, além de desculpas “por eventuais erros”.

“Hoje, vejo que deu certo. Os dois são homens bons e fazem o que o escotismo prega: buscam, a cada dia, melhorar o mundo”, frisou.

Amigos e parceiros de vida

Quem também se reencontrou com os antigos manuscritos foram os amigos Felipe Romero, de 36 anos, e Carlos Henrique de Oliveira, de 35.

O primeiro, que é programador web, trabalha com o segundo, que é designer. As cartas só comprovaram o que a vida escreveu: a cumplicidade fraterna entre eles perdurou. “Engraçado que, na carta, ele fala várias vezes sobre amizade. E ela segue até hoje”, diz Felipe.

E quando o amor ao escotismo serve para reforçar um sentimento? O engenheiro químico Roberto de Oliveira Mano, de 44 anos, e a autônoma Marcela Andalafti, de 34 anos, tinham um ano de casados quando a cápsula foi fechada, em 2003. E as cartas escritas por eles revelavam, além dos gostos, a intenção de uma vida a dois.“

Roberto e Marcela releem cartas escritas e guardadas por 20 anos — Foto: Alexsander Ferraz/A Tribuna Jornal

Ele escreveu na carta que pretendia estar comigo 20 anos depois. E aqui estamos”, diz Marcela. Mano também revela a concretização de um sonho posto no papel: conhecer a França. “Sou um sonhador, e sigo buscando um mundo melhor”, resume.

Já a bancária Thainara Pereira da Silva, de 29 anos, recebeu uma carta escrita pela mãe. Mas preferiu não abrir na hora. O fechamento da cápsula marcou um ano complicado para ela, por conta da morte do pai. E o evento de sábado (8) reacendeu velhas emoções.

“Participei do escotismo entre 6 e 12 anos. É um misto de sensações, um nó na garganta até. Mas estar aqui e reencontrar tanta gente, me deixou muito feliz”, resume.

VÍDEOS: g1 em 1 minuto Santos




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Santos.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

toxicologista-alerta-para-os-riscos-da-ingestao-de-cloro-apos-crianca-queimar-o-canal-digestivo:-‘danos-no-sistema-neurologico’

G1 Santos

Toxicologista alerta para os riscos da ingestão de cloro após criança queimar o canal digestivo: ‘danos no sistema neurológico’

"O cloro tem essa capacidade de interferir na oxigenação do sangue, além de interferir nos neurônios, podendo gerar danos no sistema neurológico. Pode ser que ele venha a ter sequelas referentes a isso", explicou Paula. A profissional pontuou, inclusive, que é comum durante a limpeza de casa, até mesmo por faxineiras, sofrerem desmaios por causa do manuseio incorreto do cloro. "Acabam colocando água sanitária pura para agilizar a limpeza e […]

today10 de julho de 2023 5

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%