G1 Mundo

Certidão de óbito de brasileiro morto a tiros nos EUA é liberada um mês após crime, e translado de corpo deve ser feito em até 7 dias

today21 de julho de 2023 17

Fundo
share close

Agora, o documento será encaminhado para o cartório de Sacramento para que o translado seja autorizado. A previsão dada para a mãe de Matheus pelo Consulado do Brasil em São Francisco é a de que o corpo esteja na capital paulista em até sete dias.

“Até semana que vem o Matheus estará no Brasil. Ainda não me sinto aliviada, porque só vou sentir quando puder me despedir do meu filho. Não vejo a hora que essa ferida seja fechada”, diz Isabel Martines.

“Todos os dias eu ligo para saber, porém eles falam que eu tenho que aguardar. Muito difícil isso. Eu não consigo entender o motivo de tanta demora. Desumano o que estão fazendo”, desabafou Isabel.



Mãe aguarda há quase um mês pela liberação do corpo do filho nos EUA

Mãe aguarda há quase um mês pela liberação do corpo do filho nos EUA

O crime foi registrado no dia 21 de junho. Matheus trabalhava como entregador de flores, quando encontrou um homem que passeava com animais de estimação acompanhado de uma mulher.

“Quando fiquei sabendo da morte do Matheus, eu comprei passagem no mesmo momento e fui para Oakland, onde foi o crime. Só que nem me deixaram ver o corpo, porque ele já tinha sido reconhecido e não precisavam que eu reconhecesse. Eu não o vi. Agora, eu só quero poder enterrar meu filho e que os responsáveis por essa crueldade fiquem presos”, ressaltou a mãe.

Em nota, o Itamaraty informou que o “Ministério das Relações Exteriores, por meio do Consulado-Geral do Brasil em São Francisco, tem prestado assistência consular aos familiares do nacional brasileiro”.

“Em caso de falecimento de cidadão brasileiro no exterior, os consulados brasileiros poderão prestar orientações gerais aos familiares, apoiar seus contatos com o governo local e cuidar da expedição de documentos, como o atestado consular de óbito, tão logo terminem os trâmites obrigatórios realizados pelas autoridades locais”, diz a nota.

Ainda conforme o Itamaraty, “em observância ao direito à privacidade e ao disposto na Lei de Acesso à Informação e no decreto 7.724/2012”, o órgão não pode fornecer dados específicos sobre casos individuais de assistência a cidadãos brasileiros.

‘Meu filho era uma pessoa incrível’

Matheus Gaidos, de 27 anos, morreu na Califórnia — Foto: Arquivo Pessoal

Matheus morava nos Estados Unidos havia cinco anos e estava morando em São Francisco. Segundo a mãe, ele resolveu se mudar de São Paulo para conseguir uma melhor condição de vida.

“Sempre moramos na Zona Leste, e ele queria poder ter uma condição de ganhar melhor. Então, ele foi primeiro para a Austrália. Depois, resolveu ir para os Estados Unidos. Trabalhou como motorista por aplicativo e havia cerca de um ano estava como entregador de flores. Todo ano eu o visitava, mas neste ano eu não consegui. Mas ele estava programando vir para São Paulo em agosto. Não deu tempo”, contou.

Isabel Martines com o filho Matheus Gaidos, de 27 anos — Foto: Arquivo Pessoal

Conforme a mãe, amigos contaram que Matheus estava realizando uma entrega de flores na cidade vizinha, Oakland, no dia 21 de junho. Era a última entrega antes de retornar para a casa.

“Enquanto aguardava a pessoa para entregar, ele se conectou a um jogo online. Foi neste momento que houve o assassinato, e os amigos ouviram. Disseram que ouviram Matheus elogiar o cachorro. Nisso, o homem atirou”, diz Isabel.

“O meu filho era uma pessoa incrível. Tirava a roupa do corpo para ajudar as pessoas. Tinha muitos, mas muitos amigos. Era muito inteligente, sempre tinha uma palavra amiga para amenizar e ajudar todos. Estou dilacerada com a crueldade que fizeram com ele. Se briga, morre, mas se elogia, também?”

Isabela Martines com o filho Matheus Gaidos — Foto: Arquivo Pessoal

Uma câmera de segurança registrou o momento em que Matheus encontrou o homem que passeava com dois cachorros. O vídeo divulgado pela imprensa dos EUA mostra uma breve discussão entre os dois momentos antes de o dono dos animais atirar.

“O homem também estava acompanhado de uma mulher, que não fez nada. Nem socorreram meu filho. Ela foi cúmplice do crime”, diz a mãe.

Matheus foi levado para o hospital, mas não resistiu aos ferimentos e morreu. “A polícia analisou o vídeo e divulgou a foto do homem. Ofereceram recompensa para quem denunciasse. Eu vou acompanhar todo o processo para que a Justiça seja feita.”

Isabel conta que terá apoio do governo da Califórnia e da empresa que trabalha para o translado.

“Fizemos missa de sétimo dia, mas é tão estranho não ter velado e enterrado o corpo ainda. Ele era meu parceiro. Tínhamos um ao outro. Minha vida era para o Matheus.”




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

florida-obriga-escolas-a-ensinar-que-escravos-‘desenvolviam-habilidades-que-os-beneficiavam’;-educadores-e-vice-presidente-dos-eua-criticam

G1 Mundo

Flórida obriga escolas a ensinar que escravos ‘desenvolviam habilidades que os beneficiavam’; educadores e vice-presidente dos EUA criticam

O Conselho de Educação da Flórida, nos Estados Unidos, aprovou na quarta-feira (19) novas diretrizes para estudos de história nas escolas do estado, e um dos pontos afirma que os professores devem dizer aos alunos que em alguns casos, escravos desenvolviam habilidades que os favoreciam. O documento lista que o ensino de história deve "examinar as várias tarefas e negócios executados por escravos (exemplos: trabalho em agricultura, pintura, marcenaria, serviço […]

today21 de julho de 2023 7

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%