Gospel Prime

China viola acordo com o Vaticano e nomeia bispo ligado ao Partido Comunista

today12 de abril de 2023 11

Fundo
share close

O Vaticano denunciou que as autoridades chinesas nomearam um novo bispo para a maior diocese católica romana da China, violando um acordo bilateral assinado entre a Santa Sé e a China.

O acordo controverso entre o Vaticano e o regime comunista chinês sobre a nomeação de bispos foi renovado em outubro do ano passado, mas críticos do Papa argumentam que o acordo concede muito a Pequim e limita a capacidade do Vaticano de condenar as violações dos direitos humanos no país.

O acordo foi assinado com a esperança de trazer a paz entre a congregação clandestina leal ao Papa na China e a igreja oficial apoiada pelo Estado, sendo que ambos os lados reconheceram o Papa como o líder supremo da Igreja Católica pela primeira vez desde a década de 1950.

De acordo com informações, o Conselho dos Bispos Chineses, controlado pelo Partido Comunista Chinês, nomeou o Bispo Shen Bin de Haimen, na província de Jiangsu, como o novo bispo de Xangai. A embaixada chinesa em Roma ainda não respondeu à declaração do Vaticano.

Segundo a agência de notícias católica AsiaNews, o Conselho dos Bispos chineses é presidido pelo próprio Shen e não é reconhecido pela Santa Sé. Embora a Santa Sé tenha declarado que o bispo auxiliar da cidade, Ma Daqin, deveria administrar a diocese, ele está em prisão domiciliar desde 2012 por ter rejeitado publicamente a Associação Patriótica Católica Chinesa, órgão comunista que governa a Igreja local.



O bispado de Xangai permaneceu vago desde a morte do bispo Jin Luxian em abril de 2013. A Diocese de Xangai afirmou que aproximadamente 200 indivíduos estiveram presentes na cerimônia de posse do bispo Shen. Shen quer “continuar a levar adiante a bela tradição de patriotismo e amor à Igreja Católica em Xangai” e “aderir ao princípio de independência e autogoverno”.

O acordo entre o Vaticano e a China recebeu muitas críticas. Pessoas argumentam que a nomeação de apenas seis novos bispos desde a assinatura do acordo é uma evidência de que não está produzindo os resultados desejados. Além disso, apontam para as crescentes restrições às liberdades religiosas na China para os cristãos e outros grupos minoritários. Em setembro de 2020, o ex-Embaixador dos EUA na Santa Sé, Callista Gingrich, disse que a situação dos direitos humanos na China havia se deteriorado drasticamente desde que o acordo foi assinado em 2018.




Todos os créditos desta notícia pertecem a Gospel Prime.

Por: Redacao

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

especialista-diz-que-china-quer-acabar-com-o-cristianismo-usando-inteligencia-artificial

Gospel Prime

Especialista diz que China quer acabar com o Cristianismo usando Inteligência Artificial

A perseguição religiosa na China está se intensificando, de acordo com a Comissão de Liberdade Religiosa Internacional dos EUA. Em dezembro de 2022, a comissão relatou que o governo chinês está usando tecnologias avançadas, como reconhecimento facial e inteligência artificial, para monitorar e assediar cristãos e outras religiões. O governo chinês já está usando a IA para aumentar ativamente sua perseguição às populações que rotula como “não chinesas o suficiente”, […]

today12 de abril de 2023 14

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%