G1 Mundo

Como a rebelião do Grupo Wagner é vista na Rússia

today27 de junho de 2023 9

Fundo
share close

Por causa da proximidade com a Ucrânia, a situação no sul da Rússia é tensa desde o início da guerra. No fim de semana passado, ficou ainda pior.

Dessa vez, porém, o perigo vinha do lado russo, melhor dito, da milícia paramilitar conhecida como Grupo Wagner e chefiada por um aliado do presidente Vladimir Putin, Yevgeny Prigozhin.

8 de abril de 2023 – O fundador do Grupo Wagner, Yevgeny Prigozhin, deixa cemitério antes do funeral de um blogueiro militar russo que foi morto em um ataque a bomba em um café de São Petersburgo, em Moscou, Rússia, 8 de abril de 2023 — Foto: REUTERS/Yulia Morozova/File Photo



“Traição é crime em tempos de guerra”

“Minha vizinha recebeu uma ligação da filha dela dos Montes Urais: ‘Mamãe, você não pode mais ficar em Rostov, venha para cá'”, relatou uma mulher à DW de Rostov, uma cidade que foi tomada pelo Grupo Wagner.

Mas não apenas lá havia medo e insegurança. Medo porque ninguém sabia dizer até onde a milícia iria. A notícia de que ela já estava a 200km de Moscou logo se espalhou, e o prefeito da capital aconselhou os moradores a deixaram a cidade.

Insegurança porque Prigozhin, até havia pouco endeusado por toda a imprensa estatal, era, poucas horas depois, demonizado por essa mesma imprensa.

“Motim armado na Rússia, sem apoio popular! Traição em tempos de guerra é um crime grave!”: foi assim que o apresentador Dmitri Kiselev iniciou seu jornal noturno na emissora Rossia no primeiro dia da rebelião. Dias depois, diante das imagens de tanques em retirada, ele diria: “Guerra fratricida pôde ser evitada”.

Perdas entre militares russos

Kiselev tentou apresentar o acordo que selou o fim do motim como uma vitória do Kremlin, argumentando que poderia tudo poderia ter sido muito pior e que o “grande derramamento de sangue” pôde ser evitado.

Ele deu pouco destaque às mortes de dez soldados russos pela milícia de Prigozhin.

O que causou ainda mais confusão foi a absolvição de Prigozhin. Ainda uns dias atrás chamado de “traidor” que iria “responder pelo que fez”, o chefe da milícia era agora um homem livre que não seria de forma alguma punido. Todas as acusações contra ele foram retiradas, noticiou a agência russa RIA.

Declaração de falência do Estado

Essa situação obrigou a imprensa estatal russa a, mais uma vez, esclarecer a situação para o seu público, já confuso. A chefe da emissora RT, Margarita Simonjan, tentou com estas palavras: “Normas jurídicas não são mandamentos de Cristo ou as Tábuas da Lei de Moisés. Elas são escritas por pessoas para garantir a ordem e a estabilidade no país. Mas, se numa situação crítica de exceção, não conseguem cumprir sua função, e até mesmo produzem o efeito contrário, então… ao inferno com elas!”.

Para o filósofo russo Denis Grekov, essa declaração nada mais é do que uma declaração de falência do Estado russo. “Um estado que não detém mais o monopólio da violência ou no qual o poder não é mais unificado, onde as normas jurídicas não valem mais, no fundo não é mais um estado”, observa.

A pesquisadora sobre propaganda Maria Borsunova resume a declaração assim: “Simonjan tentou explicar que o sistema jurídico e penal russo é voltado às necessidades. Se for necessário, um processo criminal pode ser aberto num dia e fechado no próximo, depende do que se está precisando no momento.”

“Opinião pública patriota”

Grekov avalia que a chamada “opinião pública patriota” vai continuar expressando admiração por Prigozhin. A atuação do líder paramilitar, cujos soldados tomaram a cidade de Bakhmut depois de meses de duros combates, continua sendo festejada como um ato heroico na imprensa russa de propaganda.

Grekov acrescenta que também entre os militares russos há muita admiração pelo líder do Grupo Wagner. Muitos se mostram decepcionados com o ministro da Defesa, Serguei Shoigu.

Em 2024 haverá eleições na Rússia. Uma candidatura de Prigozhin, a quem são atribuídas ambições políticas, é mais duvidosa do que nunca depois da rebelião. Já Putin jamais descartou que irá se candidatar. Ao menos por enquanto.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

autoridades-dos-eua-descartam-falha-de-seguranca-em-morte-de-jovem-sugado-por-turbina-de-aviao

G1 Mundo

Autoridades dos EUA descartam falha de segurança em morte de jovem sugado por turbina de avião

Oficiais do órgão público acreditam que o jovem, de 27 anos, se suicidou Renner trabalhava para a Unifi Aviation, uma empresa terceirizada que fornece operações de assistência em terra para a Delta Air Lines e outras companhias aéreas no aeroporto internacional de San Antonio. Na ocasião da morte, um jato da Delta Air Lines que acabara de chegar de Los Angeles estava taxiando para um portão de desembarque no aeroporto […]

today27 de junho de 2023 13

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%