G1 Mundo

Como família mais rica do Reino Unido foi parar no banco dos réus por tráfico de pessoas

today20 de junho de 2024 2

Fundo
share close

A família Hinduja, com patrimônio avaliado em cerca de £ 37 bilhões (R$ 253,4 bilhões), é acusada de exploração e tráfico humano.

A família possui uma vila no bairro rico de Cologny, em Genebra, e as acusações contra eles estão relacionadas à prática de buscarem empregados na Índia para cuidar de seus filhos e da casa.

Segundo as acusações, Prakash e Kamal Hinduja, juntamente com seu filho Ajay e sua esposa Namrata, confiscaram os passaportes dos funcionários, pagaram a eles o equivalente a cerca de R$ 50 por dia de trabalho de 18 horas e lhes permitiram pouca liberdade para sair de casa.



Embora um acordo financeiro sobre a exploração tenha sido feito na semana passada, os Hindujas permanecem em julgamento por tráfico humano, o que é considerado um grave crime na Suíça. Eles negam as acusações.

Esta semana, no tribunal, um dos procuradores mais famosos de Genebra, Yves Bertossa, comparou os quase R$ 55 mil por ano que a família teria gasto com seu cachorro ao valor diário que supostamente estavam pagando aos seus empregados.

Os advogados da família Hinduja não negaram especificamente as acusações de baixos salários, mas afirmaram que estas devem ser vistas no contexto adequado — observando que os funcionários também recebiam alojamento e alimentação.

A acusação de longas horas de trabalho também foi contestada, com um advogado de defesa argumentando que assistir a um filme com as crianças Hinduja não poderia ser considerado realmente trabalho.

Alguns ex-funcionários testemunharam a favor dos Hindujas, descrevendo-os como uma família amigável que tratava seus empregados com dignidade.

No entanto, as acusações de que os passaportes dos empregados foram confiscados e que eles não podiam deixar a casa sem permissão são graves, pois poderiam ser consideradas como tráfico humano.

A promotoria está pedindo penas de prisão, além de milhões de dólares em compensação e custas judiciais.

Não é a primeira vez que Genebra, um centro de organizações internacionais e também dos ricos do mundo, está sob os holofotes devido ao suposto mau tratamento de empregados domésticos.

Em 2008, Hannibal Gaddafi, filho do ex-ditador da Líbia Muammar Gaddafi, foi preso em seu hotel cinco estrelas em Genebra pela polícia, agindo com base em informações de que ele e sua esposa haviam agredido seus empregados, inclusive com cabides.

O caso foi posteriormente arquivado, mas causou uma grande disputa diplomática entre Suíça e Líbia, com dois cidadãos suíços sendo presos em Trípoli como medida retaliatória.

No ano passado, quatro trabalhadores domésticos das Filipinas abriram um processo contra uma das missões diplomáticas de Genebra para as Nações Unidas, alegando que não haviam sido pagos por anos.

O caso em andamento e de alto perfil dos Hinduja irá, mais uma vez, chamar a atenção para o lado mais sombrio e feio da cidade, que gosta de se autodenominar “a cidade da paz”.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

com-temperatura-de-mais-de-50oc,-peregrinacao-a-meca-tem-mais-de-1.000-mortos-por-calor

G1 Mundo

Com temperatura de mais de 50ºC, peregrinação a Meca tem mais de 1.000 mortos por calor

No total, 1.081 pessoas de quase dez países morreram desde o início da peregrinação, que começou na semana passada com temperaturas que já passaram dos 50ºC. Meca é a principal cidade sagrada do Islã e um dos cinco pilares do islamismo. Apenas os muçulmanos podem entrar na cidade, e, durante o período de peregrinação, o governo saudita distribui vistos para estrangeiros, com base em um sistema de cotas (leia mais […]

today20 de junho de 2024 8

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%