G1 Mundo

Como funciona o gabinete de guerra de Israel

today17 de abril de 2024 7

Fundo
share close

Os israelenses não reagiram até o momento e afirmaram que a reposta será “na forma e no momento certo”. Seus aliados, inclusive os EUA, têm apelado para que os israelenses ajam com cautela. De acordo com o especialista em Israel Peter Lintl, do Instituto Alemão para Assuntos Internacionais e de Segurança (SWP), a resposta israelense, a depender da sua natureza, pode ter consequências de longo alcance para o futuro próximo do Oriente Médio.

Antes mesmo de os primeiros drones chegarem a Israel, o Irã se apressou em falar que a ofensiva seria limitada e que considerava o assunto “concluído”. Alguns especialistas apontaram que o ineficiente ataque iraniano parece ter sido “performático”, funcionando mais como uma advertência a Israel.

Quem vai decidir qual será resposta de Israel?



As decisões decisivas devem ser tomadas pelo gabinete de guerra de Israel, um órgão multipartidário criado logo após o início da guerra entre Israel e o Hamas, em outubro. Sua tarefa é direcionar o curso da guerra, sendo legalmente subordinado ao gabinete de segurança israelense. O ataque iraniano está de certa forma ligado à guerra de Israel na Faixa de Gaza, pois o Irã é um apoiador e financiador aberto da organização terrorista Hamas.

Quem são os membros do gabinete de guerra?

O gabinete de guerra é chefiado pelo primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, do partido conservador Likud. Os outros dois membros são:

  • O ministro da Defesa, Yoav Gallant, também do Likud.
  • Benny Gantz, da aliança partidária HaMahane HaMamlachti.

O líder da oposição, Yair Lapid, recusou-se a participar.

Foram nomeados observadores do colegiado, embora não tenham direito a voto, eles participam das reuniões, as seguintes pessoas:

  • O general reformado Gadi Eisenknot,
  • O presidente do partido Shass, Arie Deri,
  • O ministro de Assuntos Estratégicos, Ron Dermer (Likud)

Por que o gabinete foi formado?

O atual gabinete regular de Netanyahu é considerado o governo mais direitista que Israel já teve. De acordo com o cientista político Peter Lintl, o fato de o gabinete de guerra ser mais equilibrado serve para legitimar melhor as decisões políticas e militares que vêm sendo tomadas durante a guerra contra o Hamas. “Netanyahu já havia perdido muito apoio devido à polêmica reforma judicial, e o ataque terrorista do Hamas em 7 de outubro aumentou ainda mais a pressão”, avalia Lintl.

Dessa forma, o primeiro-ministro avaliou que as decisões relativas à guerra não seriam executadas sem o apoio de uma ampla coalizão e que haveria pressão crescente para que ele renunciasse.

Em base aérea, comandante de Israel diz que o país vai revidar ataque do Irã — Foto: Reprodução

Qual é a posição do gabinete em relação ao ataque do Irã?

“Um contra-ataque militar é muito provável, a questão é quando, como e onde”, supõe Peter Lintl. Os membros do gabinete têm opiniões diferentes sobre o que poderia ser um contra-ataque adequado. Reações simbólicas ou ataques cibernéticos também são concebíveis. “Só podemos ter a esperança que um contra-ataque israelense não seja imediato e tenha um escopo limitado para evitar uma escalada maior no conflito do Oriente Médio”, avalia o cientista político.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

ataque-contra-israel:-estados-unidos-anunciam-que-vao-impor-sancoes-contra-o-ira

G1 Mundo

Ataque contra Israel: Estados Unidos anunciam que vão impor sanções contra o Irã

O Conselheiro de Segurança Nacional dos Estados Unidos, Jake Sullivan, afirmou que espera que países aliados e parceiros também apliquem sanções contra o Irã em breve. Em comunicado, Sullivan disse que as ações devem atingir os programas de mísseis e drones do Irã, além de entidades que apoiam a Guarda Revolucionária e o Ministério da Defesa do Irã. "Estas novas sanções e outras medidas darão continuidade a uma pressão constante […]

today17 de abril de 2024 3

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%