G1 Mundo

Como funcionam as eleições parlamentares francesas, disputadas em dois turnos

today1 de julho de 2024 3

Fundo
share close

Em seguida, a Nova Frente Popular, um grande bloco de partidos de esquerda, ficou em segundo lugar, com 28% dos votos, e o bloco centrista do presidente francês, Emmanuel Macron, terminou em terceiro lugar, com 20% dos votos.

Esses resultados, no entanto, não definem a composição final dos assentos no Legislativo. O resultado só será conhecido após o segundo turno, a ser realizado já no próximo domingo (7).

Na França, a eleição parlamentar obedece a um sistema complexo, que divide o território em distritos e aplica a regra dos 50% mais um voto (semelhante ao que é usado na escolha dos chefes do Poder Executivo no Brasil) para definir quem vai ocupar cada cadeira ao longo da legislatura.



Entenda como funciona o sistema:

  • Os legisladores são eleitos por distrito. Um candidato parlamentar precisa de mais de 50% dos votos para ser eleito diretamente em primeiro turno.
  • Caso contrário, os dois candidatos mais votados do primeiro turno, juntamente com qualquer outro que tenha obtido o apoio de mais de 12,5% dos eleitores registrados, avançam para o segundo turno.
  • Em alguns casos, três ou quatro candidatos chegam ao segundo turno, embora estes possam desistir para aumentar as chances de um concorrente e evitar a eleição de um adversário maior – uma tática frequentemente utilizada no passado para bloquear candidatos de extrema direita.
  • Espera-se que os principais líderes partidários definam a sua estratégia (de criar alianças ou desistir em prol de um concorrente) no intervalo de uma semana entre os dois turnos. Isso torna o resultado do segundo turno altamente incerto, dependente de manobras políticas e da forma como os eleitores reagem.

Os líderes da extrema direita francesa, Marine Le Pen e Jordan Bardella, em junho de 2024. — Foto: AP Photo/Thomas Padilla

O RN, à frente em todas as sondagens de opinião pré-eleitorais, tem chance de obter uma maioria absoluta na Assembleia Nacional nas eleições do dia 7 – ou seja, pelo menos 289 dos 577 assentos.

O pleito, que havia sido convocado apenas três semanas atrás, teve recorde de participação em quase 40 anos — na França, o voto não é obrigatório — e concretizou o favoritismo do grupo político de Le Pen. O resultado seguiu o que projetaram pesquisas de intenção de votos.

Antes mesmo da divulgação dos resultados, Macron sugeriu uma aliança ampla entre “candidatos republicanos e democráticos” para o segundo turno das eleições, que acontecem em 7 de julho. Já Marine Le Pen pediu aos franceses que deem a maioria absoluta no Parlamento à sua sigla no segundo turno.

O cenário pode tornar o governo de Macron inviável na prática.

Caso o presidente e o primeiro-ministro sejam de partidos políticos diferentes, a França entrará em um chamado governo de “coabitação”, o que ocorreu apenas três vezes na história do país europeu e que pode paralisar o governo de Macron.

Isso porque, neste caso, o premiê assume as funções de comandar o governo internamente, propondo, por exemplo, quem serão os ministros.

O primeiro-ministro atual, Gabriel Attal, é aliado de Macron, mas, se as pesquisas se concretizarem, quem deve assumir o cargo é o Jordan Bardella, de apenas 28 anos, o principal nome do RN, partido de Le Pen.

A Assembleia Nacional – equivalente à Câmara dos Deputados no Brasil é a mais poderosa das duas câmaras do parlamento francês. Ela tem a palavra final no processo legislativo do Senado, que é dominado pelos conservadores.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

lula-relembra-candidatos-que-tentaram-varias-vezes-antes-de-vencer-uma-eleicao-e-cita-le-pen:-‘esta-chegando-pra-ela’

G1 Mundo

Lula relembra candidatos que tentaram várias vezes antes de vencer uma eleição e cita Le Pen: ‘Está chegando pra ela’

Lula citou Le Pen após lembrar as eleições que ele participou antes de ser eleito pela primeira vez em 2002. Na sequência, ele mencionou, como exemplo, a política Margarida Salomão, que foi eleita prefeita de Juiz de Fora, em 2020, na quarta tentativa. "Chegou para mim [a hora de vencer]. Eu fui visitar Juiz de Fora, agora. A prefeita [Margarida Salomão] perdeu quatro vezes também, chegou para ela. A Le […]

today1 de julho de 2024 3

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%