G1 Mundo

Como Paulo Freire virou pivô de disputa com queima de livros didáticos no México

today6 de setembro de 2023 12

Fundo
share close

Comum em países como os Estados Unidos, a escalada de tensão em torno de símbolos culturais, morais e sexuais e de doutrinas educacionais levou a fogueiras de livros didáticos, à suspensão da distribuição do material escolar a milhões de alunos e a ameaças de morte contra um dos mais altos funcionários do governo federal de Andrés Manuel Lopez Obrador.

O presidente mexicano, conhecido pelas iniciais AMLO, é do partido esquerdista Morena (Movimento Regeneração Nacional), que tenta vencer as eleições presidenciais mexicanas de 2024.

Nas últimas semanas, os livros didáticos das escolas públicas primárias e secundárias do ano letivo 2023/2024 começaram a ser distribuídos ao redor do México. Seu conteúdo — com erros de informação pontuais sobre astronomia e matemática e menções à “teoria da revolução” de Freire — fizeram explodir uma tensão que se avolumava há mais de dois anos no cenário político do país.



Reveja entrevistas do educador Paulo Freire para a TV Globo

Reveja entrevistas do educador Paulo Freire para a TV Globo

Sem conteúdo ‘neoliberal’

Em agosto de 2021, AMLO anunciou que faria uma revisão dos conteúdos educativos mexicanos para retirar abordagens “neoliberais”.

Segundo o presidente mexicano, as alterações eram necessárias para incluir na “educação uma dimensão social, humanística e científica, que havia sido perdida porque, durante o período neoliberal, não queriam que se conhecesse nossa história”.

As medidas seriam necessárias para que o governo pudesse entregar sua prometida “Quarta Transformação”, slogan da campanha de AMLO que prometia um México menos desigual, com melhores e mais bem acessados serviços públicos, fim de privilégios a autoridades e foco no combate à corrupção. Seria, “pacificamente”, uma quarta quebra histórica na ordem social do país. As três anteriores, segundo esse discurso, foram a independência, a reforma (que retirou o poder da Igreja Católica) e a revolução mexicana.

Para a missão educacional, AMLO escalou o filólogo mexicano Marx Arriaga Navarro, empossado como diretor-geral de Materiais Educativos da Secretaria de Educação Pública, responsável pela distribuição de mais de 50 milhões de livros didáticos.

Para auxiliá-lo, Navarro convidou Sady Arturo Loaiza Escalona, ex-diretor da Biblioteca Nacional da Venezuela, entre outros postos ocupados durante o regime chavista venezuelano.

Segundo o governo, o trabalho na área educacional foi feito com consultas públicas. Para os oposicionistas, no entanto, não houve qualquer transparência e a reformulação foi feita no “escurinho”.

Não demorou para que a oposição e entidades conservadoras da sociedade civil acusassem o governo AMLO de promover doutrinamento ideológico e panfletarismo comunista com o material didático.

Antes mesmo que o conteúdo fosse público, a Unión Nacional de Padres de Familia obteve na Justiça Federal, em maio, uma ordem para que a impressão do material fosse interrompida e, em seu lugar, fossem reutilizados os livros didáticos do ano anterior.

Dizendo ter consultado dezenas de universidades públicas e quase dois mil professores e cumprido com todas exigências legais, o governo AMLO não atendeu à ordem judicial e seguiu com o processo de distribuição escolar dos livros.

A situação política atingiu o ponto de fervura quando os conteúdos dos 18 novos livros finalmente foram conhecidos.

Críticos afirmam que o novo material didático teve redução nos conteúdos de matemática e literatura. E a mídia mexicana recolheu exemplos de erros factuais: os livros do terceiro ano trariam a informação de que o ex-presidente mexicano Benito Juárez teria nascido no dia 18 de março de 1806, e não no dia 21 de março, que seria o correto. A data é um dos feriados mais importantes e conhecidos dos mexicanos, já que Juárez, o primeiro presidente indígena do país, é até hoje celebrado como um dos mais relevantes líderes da história do México.

Além disso, um livro do quinto ano trazia um infográfico do Sistema Solar com erros ortográficos (como a palavra “planera” em vez de “planeta”) e de configuração — a Terra aparecia na mesma órbita que Saturno, por exemplo. No material de matemática do terceiro ano primário, uma ilustração sobre frações indica que ⅚ é menor do que ¾, que é menor que ⅝, o que é incorreto.

Mas o ápice da indignação teria sido causado pela entrada de Paulo Freire em cena. Já nas primeiras páginas de apresentação dos 18 novos livros, endereçada aos professores, o nome do educador surge com a seguinte mensagem:

“Paulo Freire, pedagogo brasileiro que por toda a sua vida buscou formas de libertar os marginalizados e oferecer-lhes uma teoria que lhes permitisse adquirir os princípios ideológicos para lutar por justiça, dizia: ‘Cada vez mais nos convenceremos da necessidade de que os verdadeiros revolucionários reconheçam na revolução um ato de amor, tanto quanto um ato criador e humanizador. Para nós, a revolução não se faz sem uma teoria da revolução e, portanto, sem consciência (…)’. Prezada professora, prezado professor, o livro que tem em suas mãos representa o esforço da Secretaria de Educação Pública por brindar uma teoria que acompanhe a revolução que realiza em suas aulas”.

No Brasil, Paulo Freire, formulador da Pedagogia do Oprimido, que preconiza a educação de adultos analfabetos a partir da experiência e das relações cotidianas destes indivíduos, já havia causado celeuma entre conservadores de direita.

Em setembro de 2022, em entrevista à Rede TV, o então presidente Jair Bolsonaro disse que “tem que tirar esse método Paulo Freire que não levou o Brasil a progresso nenhum, muito pelo contrário, viramos uma fábrica de militantes”. Em 2019, Bolsonaro já havia afirmado que Freire era um “energúmeno, ídolo da esquerda”.

Paulo Freire em entrevista ao Jornal da Tarde, ao voltar do exílio (1979), em sua casa na cidade de São Paulo. — Foto: João Pires/Estadão Conteúdo/Arquivo

No México, a reação foi imediata. “A todos os pais de família do país, os exortamos a que descartem os livros didáticos que derem a seus filhos, ou ao menos arranquem as páginas que não são convenientes para a educação de seus filhos”, afirmou, em vídeo divulgado em suas redes sociais, o líder nacional do direitista Partido da Ação Nacional, o PAN, Marko Cortés.

Cortés ainda disse que “nos preocupa a carga ideológica destes livros didáticos e, se não bastasse, o que estão fazendo com as ciências. Estão retirando dos jovens a chance de se preparar adequadamente”. O âncora da rede de TV Azteca, o popular jornalista Javier Alatorre, acusou o material de espalhar o “vírus comunista”.

Ato contínuo, governadores oposicionistas de Estados Mexicanos como Chihuahua, Coahuila, Jalisco (liderados pelo PAN, PRI e Movimiento Ciudadano), entre outros, disseram que, por conta própria, barrariam a distribuição do material didático ao menos até que fossem corrigidos “os erros pedagógicos” encontrados nos livros didáticos gratuitos e que fosse feita uma consulta “mais plural, diversa e ampla à comunidade educacional”.

O próprio Arriaga Navarro postou em suas redes sociais um vídeo em que mostra uma pilha de novos livros didáticos sendo queimados, supostamente em Chiapas. “Dor profunda, dor na alma”, comentou, para, na sequência, enfileirar nomes de políticos, jornalistas e de partidos mexicanos como o PRI, o PAN e o PRD, todos de oposição ao governo AMLO. “Conquistaram sua perversão”, acusa Navarro.

Em outra postagem, o diretor de materiais educativos do México publica uma suposta ameaça de morte: “só responda como prefere morrer, se com um tiro de um franco atirador ou asfixiado em sua casa, se não retirar os livros de circulação antes do fim de setembro”.

A BBC News Brasil questionou Marx Arriaga Navarro sobre as críticas a respeito da carga ideológica dos livros didáticos.

“Tudo na vida está carregado de ideologia”, afirmou Navarro, para, na sequência, reafirmar que os livros “não foram concebidos para promover qualquer consciência social específica, ou para promover conceitos com caráter proselitista”.

Segundo ele, “a Nova Escola Mexicana é mais uma proposta dentro das discussões e contribuições filosóficas do sul global”, que conta com Paulo Freire, entre outros nomes, como “referência” para “a formação de uma cidadania mexicana que assume, como principal desafio, as implicações do bem-estar comunitário em que o indivíduo não pode estar bem se o resto da comunidade está em péssimas condições”.

Navarro afirma ainda, sem citar exemplos, que muitos dos erros atribuídos ao material didático são “calúnias” espalhadas por redes sociais, mas reconhece que há, sim, incorreções, que chama de “áreas de oportunidades”.

“Como em qualquer processo editorial, existem áreas de oportunidade; nesses livros, praticamente, tudo se deve a questões de estilo, não a questões de conteúdo”, diz o diretor, cuja equipe já estaria trabalhando na produção de erratas.

Navarro atribui a resistência aos novos materiais didáticos à perda de controle por poucos atores econômicos do mercado editorial mexicano, à sua forte representação política na direita e à resistência política ao projeto de AMLO.

“O que vemos é o esforço de uma classe dominante, hegemônica, para manter os marginalizados do sistema submissos, subjugados”.

Segundo ele, o novo material derruba “a ideia de uma cidadania obediente, que tem medo de certos fantasmas que permitiram o assassinato de milhares de mexicanos sob a justificativa de: comunismo, sindicalismo, bons costumes, homossexualidade ou guerrilha”.

Questionado sobre se havia levado à polícia e à Justiça as ameaças de morte que diz sofrer, Navarro afirmou se recusar a levá-las a sério. “Sigo andando de transporte público sem qualquer outra proteção além dos meus princípios”.

O México tem eleições previstas para junho de 2024.

A coligação de oposição ao governo nomeou recentemente como candidata uma senadora com raízes indígenas, Xóchitl Gálvez.

No partido Morena, de Andrés Manuel López Obrador, a ex-prefeita da Cidade do México, Claudia Sheinbaum, é considerada a favorita.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

cinco-pessoas-morrem-apos-queda-de-elevador-de-resort-em-bali;-video-mostra-acidente

G1 Mundo

Cinco pessoas morrem após queda de elevador de resort em Bali; vídeo mostra acidente

Cinco pessoas morreram após o elevador de um resort despencar 90 metros. O acidente aconteceu na última sexta-feira (1º) em Bali, na Indonésia, famoso destino turísticos com hospedagens de luxo. O vídeo acima mostra a queda. Duas pessoas morreram no local, enquanto as outras três morreram no hospital. As vítimas eram dois homens e três mulheres de idade entre 19 e 23 anos e que trabalhavam no local. Envidraçado, o […]

today6 de setembro de 2023 7

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%