G1 Mundo

Congresso francês tenta impedir evasão fiscal de aluguéis do Airbnb

today30 de janeiro de 2024 5

Fundo
share close

Depois de um longo debate na Assembleia Nacional, os deputados franceses aprovaram nesta segunda-feira (29), em primeira leitura, um texto que ataca a evasão fiscal dos chamados alojamentos turísticos mobiliados, como o Airbnb. A plataforma, um dos patrocinadores oficiais dos Jogos Olímpicos de Paris em 2024, é acusada na França de prejudicar os aluguéis de longa duração, em meio a uma crise imobiliária alarmante.

Colocado na ordem do dia pela primeira vez no primeiro semestre de 2023, antes de ser adiado indefinidamente, o projeto de lei transpartidário da deputada Annaïg Le Meur (Renascimento) e Iñaki Echaniz (Partido Socialista) foi aprovado por 100 votos a 25.

“É um compromisso que demoramos um ano e meio a pôr em cima da mesa”, celebrou o deputado socialista. “É um primeiro passo”, elogiou Le Meur.



Todos os deputados de esquerda e da maioria presidencial votaram a favor do texto. Enquanto quase todos da direita e extrema direita votaram contra, alegando principalmente a defesa dos interesses dos “pequenos proprietários”.

A medida mais emblemática pretende reduzir para 30% a taxa de redução fiscal de que beneficiam os rendimentos provenientes dos aluguéis de alojamentos turísticos, contra 71% ou 50% atualmente. Com exceção das “zonas rurais muito escassamente povoadas” onde a redução permaneceria em 71%.

A regra divide o campo presidencial. O relator do orçamento, Jean-René Cazeneuve (do partido de centro-direita Renascimento), reiterou nesta segunda-feira seu apoio à “redução do nicho” fiscal, mas primeiro pede as conclusões de uma missão parlamentar sobre a tributação do aluguel.

“Não podemos deixar as coisas como estão”, defendeu o presidente da Comissão de Assuntos Econômicos, Guillaume Kasbarian (Renascimento), fazendo um apelo para a votação da medida, mesmo que isso implique em melhorá-la posteriormente no Parlamento.

O Ministro da Coesão Territorial, Christophe Béchu, pediu que procurasse um “ponto de saída” em matéria de tributação.

O Executivo se encontra em uma situação delicada neste tema. Ele manteve no seu orçamento de 2024 um artigo apresentado no Senado, diminuindo precisamente a redução para 30% em áreas sob forte pressão imobiliária.

Mas uma fonte governamental alegou que houve um erro material e anunciou que a medida não seria implementada, causando revolta de parlamentares ecologistas.

Outras obrigações  O texto dos deputados inclui outras medidas: obrigações de diagnóstico de desempenho energético dos alojamentos turísticos e novos instrumentos reguladores para as prefeituras, incluindo a possibilidade de baixar de 120 para 90 dias por ano o período máximo durante o qual uma residência principal pode ser alugada.

“Em vez de tornar o quadro atual mais complexo (…) queremos trabalhar com mais cidades na implementação das regras existentes”, disse Emmanuel Marill, diretor da Airbnb para a Europa, num comunicado na segunda-feira.

A diretora da Oxfam França, Cécile Duflot, celebrou a votação e fez um apelo a ir mais longe, eliminando “todas as vantagens fiscais que favorecem o aluguel de alojamento turístico de curta duração”.

Muitos prefeitos, sobretudo de cidades costeiras, denunciam a escassez de moradias em seus territórios devido à explosão do número de Airbnbs.

Eles sublinham de forma mais ampla a “bomba social” representada pela habitação, num momento em que o setor atravessa uma grave crise, e pedem uma “grande lei”, prometida pelo Executivo.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

governo-dos-eua-diz-que-nao-esta-buscando-guerra-com-o-ira,-mas-que-vai-retaliar-ataque-que-deixou-tres-soldados-americanos-mortos

G1 Mundo

Governo dos EUA diz que não está buscando guerra com o Irã, mas que vai retaliar ataque que deixou três soldados americanos mortos

Foi John Kirby, porta-voz do Conselho de Segurança Nacional dos EUA, que disse que os EUA não buscam guerra. Ele também disse que o ataque no qual os soldados ficaram mortos foi uma escalada, e que exige uma resposta. Kirby afirmou que o presidente americano Joe Biden responderá ao ataque do Irã, e que essa resposta ocorrerá de maneira "racional". "Sabemos que (o ataque) foi realizado por grupos combatentes radicais […]

today30 de janeiro de 2024 2

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%