Tocando:

Rádio 97Web

CPI da Covid: 73,2% são contra Renan Calheiros como relator

Escrito por em 3 de maio de 2021

O senador Renan Calheiros (PMBD-AL) é reprovado por 73,2% dos brasileiros no cargo de relator da CPI da Covid, que investiga omissões do governo federal no enfrentamento à pandemia de covid-19, em especial as ações relacionadas ao colapso do sistema de saúde de Amazonas, em janeiro deste ano, e os repasses federais para estados e municípios. 

O apontamento foi feito na pesquisa do Ibespe (Instituto de Planejamento Estratégico), que realizou 1.070 entrevistas com brasileiros aptos a votar, divididos proporcionalmente entre os 26 estados e o DF, e estratificados de acordo com parâmetros adotados pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral) em relação a sexo, faixas etárias e escolaridade. O levantamento tem margem de erro de 3%. 

Só três estados brasileiros têm aprovação ao nome de Calheiros superior a 50%: Rondônia, Roraima e Ceará. Mesmo em Alagoas, estado onde o político se estabeleceu na vida pública, a reprovação é ampla. 

A maior diferença sobre o nome do senador se deu de acordo com a posição do entrevistado em relação ao governo Bolsonaro. Entre os apoiadores do presidente, 90,7% reprovaram Calheiros. Entre os eleitores que reprovam a gestão federal, a taxa foi de 52,3%. 

Já confirmado no cargo, ele terá o dever de apurar todo o andamento e coletar os dados que vão compor o relatório final, onde podem ser apontados os culpados pela tragédia da pandemia no Brasil, que já matou mais de 400 mil pessoas.

O senador é questionado desde que despontou como favorito a assumir o posto de relator na comissão e se tornou até alvo de ações na justiça federal. Um dos principais argumentos é que o político é pai do governador de Alagoas, Renan Filho, que pode vir a ser investigado pela CPI. Sobre o tema, Calheiros já se declarou parcial.

Em sua primeira fala como relator, porém, ele declarou que a CPI não será instrumento de “inqusição” e prometeu que os trabalhos serão pautados pela ciência e conhecimento.

“Minhas opiniões ou impressões estarão subordinadas aos fatos. Serei relator, não das minhas convicções, mas o redator do que aqui for apurado e comprovado. Nada além, nada aquém. CPI não é a sigla de Comissão Parlamentar Inquisitorial. É de Investigação. Nenhum expediente tenebroso das catacumbas do Santo Ofício será utilizado”, afirmou.




Opinião dos visitantes

Deixe um Comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *