G1 Mundo

Eleições no Reino Unido: primeiro-ministro Sunak joga a toalha e tenta reduzir o tamanho da derrota conservadora

today4 de julho de 2024 4

Fundo
share close

Com uma vantagem de 20 pontos sobre os conservadores nas pesquisas, a expectativa é que o Partido Trabalhista, de Keir Starmer, possa obter uma maioria equivalente à conquistada em 1997 pelo Novo Trabalhismo de Tony Blair, de 418 das 650 cadeiras do Parlamento.

Daí o apelo de Sunak, que soou fantasioso: “Se apenas 130 mil pessoas mudarem a sua direção de voto e nos apoiarem, podemos impedir que Starmer alcance essa maioria absoluta”, calculou o premiê. Na véspera das eleições, um de seus ministros mais leais — Mel Stride, do Trabalho — previu uma vitória esmagadora dos trabalhistas, “maior até do que a de 1997”.

Do campo conservador, outras vozes ecoaram o fracasso da campanha. Suella Braverman, ex-ministra do Interior, disse, num artigo ao “Telegraph”, que a vitória não deveria ser mais o objetivo dos chamados tories: “A votação de quinta-feira agora é sobre formar uma oposição forte o suficiente. É preciso ler o que está escrito: acabou. Precisamos nos preparar para a realidade e a frustração de ser oposição.”



Cauteloso, o candidato trabalhista, que deverá ser consagrado mais tarde o novo premiê britânico, desdenhou essas manifestações apocalípticas do campo opositor e atribuiu-as a uma manobra para confundir o eleitor, dando a sensação de que o jogo está definido antes mesmo da abertura das urnas. “É mais do mesmo, realmente uma supressão de votos. É tentar fazer com que as pessoas fiquem em casa em vez de sair e votar”, advertiu Starmer.

Mas, a contar pela estabilidade das pesquisas de opinião nas últimas semanas, a mudança de ventos, com a vitória trabalhista, é dada como certa. Jornais como “Financial Times”, “The Guardian”, “Independent” e até mesmo o tabloide “The Sun”, de Rupert Murdoch, que sempre apoiou os conservadores, deram apoio aos trabalhistas.

Montagem mostra Rishi Sunak e Keir Starmer — Foto: AP

Em seu editorial, o “FT” considerou que o Reino Unido deve escolher entre um partido conservador polarizador, que limitou seu apelo a um segmento cada vez mais restrito da população, e um partido trabalhista, que parece querer governar para todo o país. “Os riscos de permanecer com os titulares exaustos superam os de trazer um novo governo. Grande parte do país anseia por um novo começo. O Partido Trabalhista deve ter a oportunidade de oferecê-lo.”

Os cinco governos tumultuados do Partido Conservador desde 2010 traduzem o cansaço do eleitor, que em 14 anos, enfrentou a dramática saída da União Europeia, os cortes de gastos em serviços públicos e assistência social, a pandemia do coronavírus e escândalos em série envolvendo seus líderes.

A insatisfação no país gira em torno do fraco crescimento econômico, do alto custo de vida, da preocupação com o sistema público de saúde e da desconfiança nos governos conservadores para solucionar a crise migratória.

Este desgaste conservador coincidiu com a aproximação dos trabalhistas ao centro. Após a dramática derrota eleitoral em 2019, o moderado Keir Starmer foi eleito líder, substituindo Jeremy Corbyn, representante da ala esquerdista do partido. Ele assumiu o leme e o direcionou para o centro, promovendo um expurgo dos setores radicais.

“Este expurgo transformou o Partido Trabalhista em uma imagem espelhada dos conservadores: obsequioso em relação às grandes empresas, defendendo a austeridade em casa e o militarismo no exterior”, analisou o jornalista britânico Oliver Eagleton, autor do livro “The Starmer Project”, em artigo publicado no “New York Times”.

Com esses argumentos, o novo líder trabalhista atraiu conservadores moderados e insatisfeitos, enquanto Sunak, isolado, perdeu os mais radicais para a extrema direita, do populista Nigel Farage.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

eleicao-no-reino-unido-acontece-nesta-quinta;-centro-esquerda-e-favorita-para-conquistar-maioria-e-indicar-primeiro-ministro

G1 Mundo

Eleição no Reino Unido acontece nesta quinta; centro-esquerda é favorita para conquistar maioria e indicar primeiro-ministro

Os conservadores de centro-direita assumiram o poder durante a crise financeira global e venceram mais três eleições desde então. Mas esses anos foram marcados por uma economia lenta, serviços públicos em declínio e uma série de escândalos, tornando os "tories", como são comumente conhecidos, alvos fáceis para críticos da esquerda e da direita. Rishi Sunak vota nas eleições gerais no Reino Unido em 4 de julho de 2024 — Foto: […]

today4 de julho de 2024 6

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%