G1 Mundo

Entenda por que a ONU mudou regras de missões no Haiti após problemas da Minustah, que foi liderada pelo Brasil

today3 de outubro de 2023 14

Fundo
share close

A ONU está mandando o Grupo de Apoio de Segurança Multinacional (MSS, na sigla em inglês), uma força internacional.

Diferentes países discutem o envio de policiais, entre os quais:

  • Quênia,
  • Bahamas,
  • Jamaica,
  • Antigua e Barbuda



A ONU pede contribuições de pessoal, equipamento e fundos.

O governo dos EUA não mandou tropas, mas afirmou que vai dar apoio com assistência logística, comunicações, operações aéreas e médicas. Os americanos estimam que vão gastar US$ 100 milhões com a operação.

Minustah: cólera e abusos sexuais

Os outros países foram cautelosos ao enviar apoio. O líder do Haiti é o primeiro-ministro Ariel Henry, que assumiu depois do assassinato do presidente Jovenel Moise, em 2021.

Para muitos haitianos, o governo de Henry é corrupto.

A última missão internacional de apoio ao Haiti, a Minustah, coordenada pelo Brasil, terminou com problemas graves.

Veja abaixo uma reportagem de 2016 sobre a cólera no Haiti.

“Muitas pessoas estão com suspeita de cólera”, diz enfermeira brasileira no Haiti

  • Não havia cólera no país, e soldados da Minustah introduziram a bactéria da doença no Haiti: 9 mil pessoas morreram.
  • Houve denúncias de abuso sexual.

Essa missão será a primeira desde a Minustah.

A resolução da ONU determinou que haverá investigações rápidas quando surgirem denúncias de má-conduta, especialmente de abuso sexual de meninas e mulheres.

Por que isso está acontecendo?

O governo do Haiti pediu ajuda de outros países para combater as gangues há um ano. Naquela ocasião, um grupo chamado G9 tomou o controle de um terminal inteiro com tanques de combustíveis.

Estima-se que mais de 200 mil pessoas tenham sido obrigadas a deixar suas casas por causa da violência.

Chefe de gangue pede uma coalizão de criminosos para derrubar o governo

O líder do G9, Jimmy Cherizier, um ex-policial, é o único haitiano que recebeu sanções da ONU.

No mês passado, ele conversou com outros líderes de gangues para acertar uma trégua entre elas para que, juntas, possam derrubar o governo do Haiti.

De acordo com grupos de ajuda humanitária, nas partes da cidade controladas por gangues a criminalidade é altíssima: há muitos sequestros, assassinatos e estupros.

A ONU estima que cerca de metade dos haitianos passa fome. Os grupos de ajuda comunitária têm tido dificuldade para trabalhar.

Países da região reforçaram o policiamento na fronteira –a República Dominicana, que tem fronteira por terra, impediu a passagem.

O Parlamento do Quênia ainda vai votar se vai empregar as forças e coordenar a missão.

A autorização inicial é para que o grupo da ONU fique durante um ano. Deve haver uma análise do emprego das forças após 9 meses.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

apos-50-anos,-china-toma-ursos-pandas-de-zoo-da-capital-dos-eua

G1 Mundo

Após 50 anos, China toma ursos pandas de zoo da capital dos EUA

Os três pandas-gigantes do Zoológico Nacional de Washington, nos Estados Unidos, se despediram do público na semana passada, em um evento batizado como "Panda Palooza", que terminou no sábado (1º). Mei Xiang, Tian Tian e seu filhote, Xiao Qi Ji, devem ser devolvidos para a China no início de dezembro. Esta será a primeira vez em mais de 50 anos que os EUA não terão nenhum panda-gigante em seu território […]

today3 de outubro de 2023 4

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%