G1 Santos

Equipe médica opera feto de seis meses ainda no útero da mãe; FOTOS

today24 de junho de 2024 5

Fundo
share close

Segundo o médico Maurício Saito, que conduziu o procedimento e é referência em correção de meningomielocele de forma intrauterina, a malformação costuma aparecer de forma aleatória. No caso da mãe submetida à cirurgia, a abordagem foi um sucesso e a gestante ficou sob observação no Hospital Vicentino.

Na prática, a coluna vertebral do bebê fica aberta, o que deixa os nervos expostos e, consequentemente, as funções são comprometidas. A cirurgia serve para fechar a coluna e permitir que o bebê complete o desenvolvimento dentro no útero.

A condição pode ser diagnosticada desde o primeiro ultrassom morfológico [exame detalhado do feto], mas as consequências dependem da posição da lesão. De acordo com o especialista, no bebê operado em São Vicente ela ocorreu na região lombossacral – perto da última vértebra da coluna lombar.



“Como ela é responsável pela enervação dos membros inferiores, [caso não haja a correção] há grande chance de o bebê apresentar paralisia desses membros, não ter a movimentação da perna e dos pés, não conseguir urinar, não evacuar”, explicou em entrevista ao g1.

A equipe de Saito atua em São Paulo, mas desceu a serra para realizar a correção da meningomielocele intrauterina, procedimento minimamente invasivo. Participaram nove cirurgiões, uma dupla de anestesistas e a equipe de sala coordenada por uma enfermeira.

Com mais de 30 anos de carreira, o médico explicou que o procedimento consistiu em fazer três punções no abdômen com dispositivos pontiagudos chamados trocaters, permitindo o acesso do cirurgião com pequenas câmeras para visualizar o bebê e fechar a coluna.

Segundo o médico, a equipe avalia o sucesso da operação a partir de duas condições: a primeira é a técnica do procedimento em si, que considerou satisfatória nesse caso. A segunda, por sua vez, depende da evolução da gravidez e se a criança nascerá prematura.

Na maioria dos casos, as lesões já chegam bem avançadas, por isso a importância de se agir com antecedência. Além das paralisias, outra possível sequela da malformação é a hidrocefalia – acúmulo anormal de líquido cerebrospinal dentro do cérebro – em decorrência da abertura da coluna e consequente vazamento de líquido cerebral.

Equipe multidisciplinar de médicos participou do procedimento cirúrgico minimamente invasivo — Foto: Prefeitura de São Vicente/Divulgação

A médica obstetra Maria Carolina Dalboni disse ao g1 que uma média de 800 bebês nascem por ano no Brasil com a meningomielocele. A cada 10 mil nascimentos há 2,42 casos.

Apesar de ser a melhor escolha na maioria das vezes, a cirurgia intrauterina não é 100% efetiva. Saito e a especialista ouvida pelo g1 explicaram que a prevenção inclui ingestão de ácido fólico. Então, se uma mulher tem planos de engravidar deve começar a tomar a vitamina três meses antes.

Como toda cirurgia, há riscos que, segundo Dalboni, incluem infecção, sangramento e o nascimento prematuro. Para ela, é papel dos médicos orientar quanto às alternativas da gestante para que a cirurgia seja indicada no momento certo e não se torne uma complicação.

“Isso tem que ser muito conversado com a mãe, a mãe tem que realmente querer fazer esse procedimento. A gente sabe que é difícil, porque muitas vezes a mãe não tem o real conhecimento”, afirmou a obstetra.

VÍDEOS: g1 em 1 Minuto Santos




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Santos.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

submarino-de-guerra-de-62-metros-chega-ao-porto-de-santos-com-tripulacao-sobre-o-casco;-video

G1 Santos

Submarino de guerra de 62 metros chega ao Porto de Santos com tripulação sobre o casco; VÍDEO

O submarino Tikuna - S34, lançado ao mar pela primeira vez em março de 2005, atracou no Porto de Santos, no litoral de São Paulo. Vídeos obtidos pelo g1, nesta segunda-feira (24), mostram o navio chegando à cidade litorânea com os tripulantes sobre o casco (assista acima). Segundo a Marinha do Brasil, os submarinos são navios de guerra capazes de alterar seu grau de flutuabilidade para efetuar patrulhas e ataques […]

today24 de junho de 2024 12

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%