Gospel Prime

Especialista diz que China quer acabar com o Cristianismo usando Inteligência Artificial

today12 de abril de 2023 14

Fundo
share close

A perseguição religiosa na China está se intensificando, de acordo com a Comissão de Liberdade Religiosa Internacional dos EUA. Em dezembro de 2022, a comissão relatou que o governo chinês está usando tecnologias avançadas, como reconhecimento facial e inteligência artificial, para monitorar e assediar cristãos e outras religiões. O governo chinês já está usando a IA para aumentar ativamente sua perseguição às populações que rotula como “não chinesas o suficiente”, incluindo os cristãos.

Há alguns anos, a China iniciou um sistema de crédito social, que monitora todos os cidadãos chineses por meio de câmeras de circuito fechado, aplicativos de telefone e de compras. As informações coletadas são usadas para criar pontuações de crédito social, que classificam cada indivíduo em seu nível de “dignidade de cidadão”. Além disso, o programa “Becoming Family” da China envia espiões para viver com as famílias a fim de relatar tudo o que observam como contrário às ideias prescritas pelo governo. Quando atividades “suspeitas” são relatadas, os pais são devidamente enviados para “campos de reeducação” e seus filhos enviados para internatos para doutrinação chinesa.

De acordo com o Global Christian Relief, os cristãos estão reconhecendo o potencial da IA para perpetrar futuros abusos dos direitos humanos, usando-a indevidamente para orientar os cidadãos sobre o que fazer, juntamente com seu governo, deixando de fora informações específicas, especialmente em relação ao cristianismo. A organização Global Christian Relief alerta que existe ainda o potencial de sobrecarregar a própria repressão, fornecendo ao estado redes de vigilância inteligentes imensuráveis, monitorando e controlando populações em uma escala inimaginável, com um grau de precisão muito além das capacidades humanas.

A ex-executiva do Facebook, Kara Frederick, agora diretora de políticas de tecnologia da Heritage Foundation, acredita que a IA está liderando as guerras tecnológicas: “O presidente Xi disse que até 2030 ele queria que a China fosse o país proeminente em pesquisa e desenvolvimento de IA”. O pastor Mao Zhibin adverte: “Com os dados coletados do WeChat e centenas de milhões de câmeras de vigilância processadas com algoritmos de inteligência artificial, o poder está muito além de qualquer outro regime totalitário”.

As preocupações não param com os abusos dos direitos humanos, a organização alerta que a IA pode fornecer ao estado redes de vigilância inteligentes imensuráveis, monitorando e controlando populações em uma escala inimaginável, com um grau de precisão muito além das capacidades humanas. Além disso, a China baniu recentemente o WeChat, um dos aplicativos de mensagens sociais mais populares do mundo, com mais de um bilhão de usuários mensais, devido a uma postagem que incluía a palavra “Cristo”. Um vídeo de batismo postado nele também levou à prisão de um pastor chinês.



O ex-líder da igreja doméstica de Pequim, Bob Fu, especificou: “A palavra ‘Cristo’ viola a nova lei em categorias que incluem pornografia, jogos de azar, abuso de drogas, marketing excessivo e incitamento”. Essa nova lei foi promulgada em 2021 e visa aumentar o controle do governo sobre a internet e as mídias sociais. Desde então, houve um aumento significativo na censura e repressão de conteúdo religioso online, bem como um aumento na perseguição de líderes religiosos e seus seguidores.

De acordo com a Comissão de Liberdade Religiosa Internacional dos EUA, o Partido Comunista Chinês (PCC) está implementando uma política cada vez mais agressiva de “sinicização” da religião, na qual tenta moldar as crenças religiosas para se adequarem às normas do Partido. Isso inclui a exigência de que as organizações religiosas se registrem no Estado e adotem a ideologia comunista em sua prática e doutrina.

A perseguição aos cristãos na China não é um fenômeno novo. Desde a fundação da República Popular da China em 1949, o governo comunista tem reprimido severamente a religião, incluindo o cristianismo. Mas a tecnologia de vigilância de alta tecnologia, combinada com a repressão cada vez mais agressiva do governo, levou a uma situação ainda mais preocupante para os cristãos e outras minorias religiosas na China.

A Comissão de Liberdade Religiosa Internacional dos EUA teme que a tecnologia de inteligência artificial, combinada com a política de “sinicização” da religião, possa levar a um aumento ainda maior na perseguição religiosa na China, e que a situação possa piorar ainda mais nos próximos anos.

A China é um dos países mais vigilantes do mundo, com mais de 200 milhões de câmeras de vigilância em todo o país. A tecnologia de reconhecimento facial é usada em larga escala, e o governo também monitora as atividades online dos cidadãos. Com a crescente aplicação da inteligência artificial, o potencial para o governo controlar e monitorar a população chinesa é ainda maior.

Embora o governo chinês defenda a tecnologia de inteligência artificial como uma ferramenta para melhorar a segurança pública e a eficiência do governo, as preocupações com os abusos de direitos humanos são crescentes. Organizações de direitos humanos temem que a tecnologia de vigilância seja usada para reprimir a dissidência política e suprimir a liberdade de expressão e religião.

Em resumo, a situação dos cristãos e outras minorias religiosas na China é cada vez mais preocupante, com a tecnologia de inteligência artificial sendo usada para aumentar a vigilância e repressão do governo. A Comissão de Liberdade Religiosa Internacional dos EUA está alertando para a deterioração contínua da liberdade religiosa na China e pede que a comunidade internacional tome medidas para pressionar o governo chinês a respeitar os direitos humanos e a liberdade religiosa.




Todos os créditos desta notícia pertecem a Gospel Prime.

Por: Redacao

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

video-de-suposta-decapitacao-de-soldado-ucraniano-por-russos-gera-comocao-internacional

G1 Mundo

Vídeo de suposta decapitação de soldado ucraniano por russos gera comoção internacional

O vídeo, de um minuto e quarenta segundos, tem imagens chocantes e circula desde terça-feira (11). Um homem camuflado, usando uma máscara, corta o pescoço de outro homem fardado que se debate no chão gritando “está doendo”.  Após alguns segundos, os gritos param e ouvimos um homem atrás da câmera incitando o carrasco em russo a “cortar a cabeça” da vítima. Este termina sua decapitação com uma faca e mostra […]

today12 de abril de 2023 23

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%