G1 Santos

Estátua de Pelé que é motivo de briga na Justiça não foi usada de forma indevida, decide juiz

today20 de julho de 2023 6

Fundo
share close

O processo movido por Laércio é por danos material e moral. A Prefeitura de Santos, que é a ré na ação, negou as acusações e reforçou o que disse em posicionamentos anteriores: sempre creditou o artista e que a obra não está mais exposta. (leia mais abaixo)

Na sentença, o juiz Fabio Sznifer da 3ª Vara da Fazenda Pública de Santos negou as indenizações solicitadas pelo artista plástico, por considerá-las “incabíveis”.

“Não tendo havido conduta ilícita da ré, estão ausentes os pressupostos da responsabilidade civil” Sznifer destacou, ainda, que não há como aceitar qualquer violação dos direitos autorais sobre o uso da obra, porque o autor confessou que a estátua foi cedida para ser exposta.



O magistrado, porém, deu razão ao artista sobre os direitos ao crédito e, como o Laércio se manifestou contra a exposição da peça, decidiu: “Diante do manifesto interesse do autor de proibir a utilização da obra, colocando fim à cessão anteriormente realizada, deverá a municipalidade se abster de realizar a exposição da obra”.

De soldado a ator: 5 histórias de Pelé fora dos campos

De soldado a ator: 5 histórias de Pelé fora dos campos

Com isso, o Sznifer determinou procedente a liminar para que a prefeitura não exponha a obra bem como providencie a devolução da peça ao autor em prazo de 15 dias a contar da intimação. Ao g1, a Prefeitura de Santos informou que ainda não foi notificada da intimação.

De acordo com o juiz, a administração municipal deverá indicar o local em que o autor poderá retirar a estátua. Sznifer reforçou que é Laércio quem deverá buscar a obra.

Custas processuais e honorários

Além de negar a indenização, o juiz condenou o artista plástico a pagar a custas e despesas processuais, além dos honorários advocatícios da Prefeitura de Santos, fixados em 10% do valor atualizado na causa.

Apesar da condenação, como o artista plástico solicitou o benefício da gratuidade de justiça no começo do processo, juiz suspendeu tal decisão. A isenção, conforme apurado pela reportagem, pode ser revista caso a condição financeira dele mude. Neste caso, será obrigado a pagar.

Museu Pelé em Santos, SP — Foto: Susan Hortas/Prefeitura de Santos

Em nota, a Prefeitura de Santos informou que não foi intimada e ressaltou que a obra foi cedida gratuitamente para exposições temporárias no município, antes mesmo do Museu Pelé ser inaugurado, em 2014. Portanto, de acordo com o Executivo, não há relação direta com o acervo do espaço museológico.

Ainda segundo a prefeitura, o artista nunca solicitou a devolução da estátua, que sempre esteve à disposição para retirada, e a administração do museu fez diversos contatos com a advogada do artista para informar que a obra não está mais sendo exposta e reforçar que pode ser retirada quando quiser.

A estátua, de acordo com a administração municipal, está guardada em local seguro e, todas as vezes que foi exposta, estava com o crédito do artista.

O g1 entrou em contato com o artista plástico Laércio Alves da Silva, com a advogada dele e com o TJ-SP, mas não obteve retorno até a última atualização desta reportagem.

No pedido de indenização, o artista plástico alegou que a obra foi cedida para a Secretaria de Turismo da cidade para uma temporada de curta duração, até meados de agosto de 2012, e que teria oferecido a estátua para a prefeitura e para a empresa que administrava o Museu Pelé para compra ou locação.

Com base na ação, o artista afirmou que teria sido informado por ambas que a verba era insuficiente para a transação — atualmente só a prefeitura faz a gestão do museu.

Laércio Alves declarou à Justiça que não autorizou a exposição da obra ou acertou qualquer valor relacionado com a sua utilização [locação]. No documento, consta que o município teria divulgado a obra de Pelé em site oficial e redes sociais. Tais publicações, porém, não foram encontradas.

VÍDEOS: Mais assistidos do g1 nos últimos 7 dias




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Santos.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

sitio-arqueologico-e-descoberto-em-sp-com-mais-de-4-mil-pecas-raras-da-colonizacao-portuguesa-no-seculo-xvii

G1 Santos

Sítio arqueológico é descoberto em SP com mais de 4 mil peças raras da colonização portuguesa no século XVII

Área em Cubatão, na Baixada Santista, conta com aproximadamente 777 m². Segundo arqueóloga, acervo histórico vem de família rica de portugueses e é considerado raro. Sítio arqueológico de aproximadamente 777 m² foi descoberto em Cubatão (SP) — Foto: Divulgação/Preservar Arqueologia e Meio Ambiente Um sítio arqueológico com mais de 4 mil peças do início da colonização portuguesa no Século XVII foi descoberto em Cubatão (SP). Ao g1, a coordenadora da […]

today20 de julho de 2023 15

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%