G1 Santos

Estruturas artificiais no litoral paulista causam impactos ambientais e exigem ações urgentes; entenda

today1 de julho de 2024 7

Fundo
share close

A pesquisa revelou que ocupações próximas às praias e margens de mangue fazem com que a região seja mais afetada por ressacas e alagamentos. Outro problema observado é a perda de biodiversidade. O estudo apontou para uma invasão de espécies não são nativas, o que impacta de forma negativa na pesca e turismo.

  • Sobre as estruturas artificiais:

    🔹245 km:

    é a extensão pela costa paulista, o equivalente a três vezes a distância entre os centros de Santos e São Paulo

    🔹Moradias: correspondem a 20% das estruturas artificiais

    🔹Contenções, portos e quebra-mares: representam os 80% restantes

A pesquisadora do Instituto do Mar da Unifesp – Campus Baixada Santista, Aline Martinez, explicou que o estudo teve como objetivo entender o impacto do crescimento das cidades perto do mar.



A primeira etapa do estudo, segundo a oceanógrafa, foi entender qual a extensão que já tinha de área construída no litoral de São Paulo. Aline apontou que, até então, não se tinha dados precisos sobre as ocupações e estruturas erguidas perto da linha d’água.

A pesquisadora explicou que 80% das estruturas mapeadas estão relacionadas com o porto ou contenções costeiras, enquanto outros 20% incluem moradias, por exemplo, palafitas.

“Demorou muito tempo para estudos sobre o impacto. Agora, a gente já sabe que, do jeito que elas são construídas, têm um impacto muito grande [no meio ambiente]“, explicou.

Travessia de balsas na Ponta da Praia, em Santos (SP) — Foto: Arquivo/A Tribuna

Aline apontou, ainda, que as características dessas estruturas artificiais tiram a complexidade do que é natural. Segundo ela, portanto, as construções contribuem para a diminuição da ocupação de espécies nativas. “Você acaba tendo uma perda da biodiversidade”.

Ao mesmo tempo que há perda de biodiversidade, há uma invasão de espécies que não são nativas. Isso, a longo prazo, de acordo com a pesquisadora, impacta de forma negativa na pesca e no turismo.

O uso de princípios da engenharia, atrelado aos conceitos de ecologia, é uma das soluções para as áreas que já possuem construções.

“Uma mureta que é lisa, a gente pode acoplar uma estrutura que tenham formas, organismos de um ambiente natural para revitalizar esses ambientes”. Aline explicou que a solução citada acima está sendo desenvolvida com uma universidade da Austrália.

“Dá para adaptar essas estruturas para amortecer as ondas. Então, existem soluções para essas áreas que já estão altamente urbanizadas”.

Áreas urbanizadas e vulneráveis

Outra etapa do mapeamento visou medir a extensão de áreas urbanizadas a 100 metros de distância das praias e margens de rio. Esse dado, de acordo com a pesquisadora, identificou as áreas vulneráveis às mudanças climáticas, ou seja, com potencial de sofrerem com inundações e ressacas.

“A gente tem 300 km de costa que são construções próximas às praias, que não estão em cima [na faixa de areia], mas próximas e, inclusive, pegam terrenos de marinha”, afirmou ela.

Desse total, 235 km perto de praias e 67 km próximos a manguezais e margens estuarinas, o que significa que mais de 25% da linha costeira do estado possui populações humanas e infraestruturas urbanas.

Estudo revela que impacto da urbanização no litoral paulista exige ações urgentes — Foto: Arquivo/A Tribuna

A pesquisadora afirmou que boa parte das praias e margens de mangue na Baixada Santista e Litoral Norte estão com ocupações próximas a esses habitats naturais — áreas mais propícias a sofrerem com ressacas e alagamentos.

“Nessas áreas seria necessário começar a pensar em planos de adaptação para proteger essas áreas, seja restauração de mangue, proteção das praias onde elas se encontram, mas começar a pensar em estratégias para evitar que essas regiões já construídas sofram com ressacas”, afirmou.

De acordo com a pesquisadora, nas áreas ainda não ocupadas, a sugestão é que haja um planejamento de onde construir e não construir nas beiras de praias.

“No litoral sul a gente tem o maior potencial de resiliência climática natural. Então, tentar preservar essas áreas é a maior estratégia de preservar as cidades no futuro”.

🗺️ Mapeamento e benefícios

Casas construídas na frente da praia do Sorocotuba em Guarujá, SP — Foto: Aline Martinez

O professor e pesquisador do IMar/Unifesp, Ronaldo Christofoletti, ressaltou que o mapeamento identificou que o litoral sul é o que traz maior benefício de resiliência climática ao estado porque é o que ainda está mais conservado, com a menor quantidade de estruturas artificiais. Na Baixada Santista e Litoral Norte são onde têm a maior quantidade.

Naturalmente a ressaca encontraria areias, manguezais, restingas e vegetação, que a amorteceria. No entanto, de acordo com Christofoletti, o processo de urbanização levou as cidades muito próximas das linhas d’água. “Usando concreto tradicional, estruturas que, em contato com a onda, viram um problema porque não absorvem a água, pelo contrário, eles geram mais força”.

O estudo, apoiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), foi publicado na última quarta-feira (26) na revista científica Anthropocene Coasts. Agora, os pesquisadores darão continuidade do projeto com o mapeamento de todo o litoral brasileiro.

Mureta na praia da Enseada em Guarujá (SP) — Foto: Aline Martinez

VÍDEOS: g1 em 1 Minuto Santos




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Santos.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

motoristas-desembolsam-quase-r$-1,5-bilhao-em-pedagio-mais-caro-do-brasil-em-2023

G1 Santos

Motoristas desembolsam quase R$ 1,5 bilhão em pedágio mais caro do Brasil em 2023

Conforme apurado pelo g1, a concessionária registrou uma arrecadação bruta de R$ 1.489 bilhão com a cobrança de tarifas no SAI em 2023. O número supera em 18,7% o que foi arrecadado em 2022, quando foram movimentados R$ 1.255 bilhão. No primeiro trimestre deste ano, a arrecadação do SAI alcançou os R$ 406,8 milhões, superando em 14,1% os valores arrecadados no mesmo período em 2023. A segunda maior arrecadação bruta […]

today1 de julho de 2024 3

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%