G1 Mundo

Falta de dólares e escassez de combustível: tentativa de golpe na Bolívia ocorre em meio a crise no governo de Luis Arce

today30 de junho de 2024 5

Fundo
share close

Logo após a invasão, o presidente boliviano, Luis Arce, foi pessoalmente até o local — ele estava no prédio ao lado, a Casa Grande del Pueblo, onde hoje funciona a sede do governo.

A rebelião dos militares aconteceu em um cenário de turbulências na economia, devido à escassez de dólares, que afeta as importações, e de combustíveis, o que irrita os sindicatos de transporte de carga.



Veja a cronologia da tentativa de golpe na Bolívia

Veja a cronologia da tentativa de golpe na Bolívia

“Nós, bolivianos, precisamos trabalhar para levar o país adiante, e não de revoltas que prejudicam a imagem da democracia boliviana internacionalmente e geram incertezas desnecessárias”, escreveu Arce nas redes sociais.

Presidente da Bolívia discute com comandante do Exército acusado de tentar golpe

Presidente da Bolívia discute com comandante do Exército acusado de tentar golpe

Antes de assumir a presidência do país, Arce chegou a ser ministro da Economia e Finanças durante o governo de Evo Morales, com quem tinha uma relação de amizade.

Como ministro, ele conseguiu não só reduzir a inflação e viver um boom econômico, mas também reduziu significativamente a pobreza.

O político era considerado o “pupilo” do ex-presidente boliviano, mas a aliança entre eles foi rompida por causa das eleições presidenciais de 2025.

Zúñiga entrou na disputa política depois de expressar, na segunda-feira, sua veemente oposição ao eventual retorno ao poder de Morales, que disputa com Arce a liderança do MAS.

Em uma entrevista a um canal de televisão, ele afirmou que Morales seria detido se insistisse em apresentar a candidatura à presidência no próximo ano.

O movimento golpista culminou, na quarta, com tanques nas ruas e com Zúñiga na porta do palácio presidencial. Um dos veículos tentou derrubar porta do edifício.

Luis Arce e Evo Morales em encontro em Buenos Aires, em 7 de fevereiro de 2020 — Foto: Agustin Marcarian/Reuters

As tropas rebeldes se posicionaram diante da sede do governo, no centro de La Paz, antes da retirada.

Zúñiga também deixou o local e foi detido. O general foi levado para uma delegacia de polícia, ao lado do comandante geral da Marinha da Bolívia, o vice-almirante Juan Arnez Salvador.

Depois de várias horas, o cenário acalmou com o retorno dos soldados aos seus quartéis e a detenção dos dois comandantes militares.

Nas últimas horas, o Palácio de Governo divulgou o áudio de uma conversa entre Arce e Zúñiga na entrada do palácio presidencial, ambos cercados por militares.

Arce repreende o general: “Eu sou seu capitão, volte atrás em suas ordens e leve toda a polícia militar para seus quartéis. Retire todas estas forças neste momento, general. É uma ordem geral, não vai me ouvir?”. Em seguida, Zúñiga respondeu apenas com um “não” taxativo.

Arce divulgou uma mensagem na rede social X durante a noite: “Vamos defender a democracia e a vontade do povo boliviano, custe o que custar”.

Ele agradeceu aos países que “condenaram de maneira enérgica e se pronunciaram a favor da democracia boliviana, diante da tentativa de golpe de Estado contra o nosso governo”.

Juan José Zúñiga é apresentado após prisão por tentativa de golpe de Estado, na Bolívia — Foto: Juan Karita/AP

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva condenou “qualquer forma de golpe de Estado” na Bolívia na rede social X.

O presidente venezuelano Nicolás Maduro também criticou a tentativa de golpe.

Pouco antes de ser levado para uma delegacia, Zúñiga alegou que o movimento teria sido combinado com o presidente Arce no último domingo, que teria proposto “preparar algo para aumentar a sua popularidade”,sem revelar detalhes.

“É absolutamente falso e são coisas que considero inconcebíveis”, respondeu horas depois a ministra da Presidência, María Nela Prada, braço-direito de Arce.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

navio-‘fantasma’-encalhado-ha-mais-de-100-anos-no-litoral-de-sp-pode-virar-museu-a-ceu-aberto;-entenda

G1 Santos

Navio ‘fantasma’ encalhado há mais de 100 anos no litoral de SP pode virar museu a céu aberto; entenda

O veleiro inglês Kestrel, encalhado na orla da praia de Santos (SP) há mais de 100 anos, terá os destroços preservados no local, tornando-se um espaço cultural para estudo e visitação. A decisão foi tomada entre a prefeitura, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e a Advocacia Geral da União (AGU), em acordo com o Ministério Público Federal (MPF). Os destroços no bairro Embaré foram encontrados em […]

today30 de junho de 2024 7

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%