G1 Mundo

Ferramentas pré-históricas encontradas no Quênia têm origem misteriosa e intrigam arqueólogos

today10 de fevereiro de 2023 38

Fundo
share close

Às margens do Lago Vitória, no Quênia, uma equipe de arqueólogos encontrou 330 ferramentas de pedra de 2,9 milhões de anos, algumas das mais antigas já descobertas. A origem dos artefatos, no entanto, é um mistério: não se sabe qual espécie de hominídeo criou e usou os objetos.

Os cientistas responsáveis pela pesquisa disseram na quinta-feira (9) que encontraram três tipos de ferramentas no sítio arqueológico de Nyayanga: martelos e núcleos de pedra para triturar plantas, ossos e carne, e lascas afiadas para cortar carne. Esses artefatos são exemplos de um tipo de tecnologia da Idade da Pedra chamada de Olduvaiense.

  • Consiste em objetos feitos de pedra;
  • Foi revolucionária para os hominídeos da época;
  • Permitiu processamento de alimentos e expansão do cardápio;
  • Já foi encontrada em diversas regiões da África;
  • Foi utilizada por pelo menos 1 milhão de anos;
  • Chegou até a Geórgia e a China graças ao Homo erectus.

Acreditava-se que as ferramentas Olduvaienses eram utilizadas apenas por espécies pertencentes ao gênero Homo, um agrupamento que inclui nossa espécie e nossos parentes mais próximos. Entretanto, a recente descoberta colocou esta teoria em xeque.



Além dos artefatos, dois dentes foram encontrados em Nyayanga. Após análises, os arqueólogos concluíram que os molares são os fósseis mais antigos já localizados de um hominídeo do gênero Paranthropus.

“A associação dessas ferramentas de Nyayanga com o ‘Paranthropus’ pode reabrir o caso de quem fez as ferramentas Olduvaienses mais antigas. Talvez não apenas os ‘Homo’, mas outros tipos de hominídeos estivessem processando alimentos com a tecnologia”, disse Thomas Plummer, principal autor da pesquisa, à Reuters.

Molares de ‘Paranthropus’ recuperados no sítio de Nyayanga, no sudoeste do Quênia. — Foto: S. E. Bailey/Homa Peninsula Paleoanthropology Project via AP

A descoberta, então, deu lugar a um mistério, pois não se sabe ao certo quem foram os criadores das ferramentas encontradas no sítio arqueológico do Quênia.

“Existem várias possibilidades. E, a menos que encontremos ossos de mão fossilizados enrolados em uma ferramenta de pedra, o criador das primeiras ferramentas Olduvaienses pode ser desconhecido por muito tempo”, afirmou Rick Pott, paleoantropólogo e coautor do estudo, à AP.

Outros hominídeos, como o Australopithecus, também perambulavam pelo planeta naquela época. Os Homo sapiens surgiram mais tarde, apenas cerca de 300.000 anos atrás.

“Enquanto algumas espécies de primatas não humanos produzem tecnologias que auxiliam no forrageamento, os humanos são exclusivamente dependentes da tecnologia para sobreviver”, explicou Plummer.

Exemplo disso são alguns ossos de hipopótamo encontrados em Nyayanga. As marcas de corte nos fósseis indicam que a carne foi cortada para alimentação — essas são as evidências mais antigas do consumo de um animal grande já registrado.

Esqueleto fóssil de hipopótamo e artefatos Olduvaienses no sítio de Nyayanga, no sudoeste do Quênia, em julho de 2016. — Foto: T.W. Plummer/Homa Peninsula Paleoanthropology Project via AP

Os primeiros humanos provavelmente também usaram os objetos para quebrar ossos de antílopes para retirar sua medula gordurosa, triturar material vegetal e descascar as cascas externas de raízes de plantas duras.

“Ferramentas de pedra permitiam, mesmo nesta data tão inicial, extrair muitos recursos do meio ambiente”, disse Plummer. “Se você pode abater um hipopótamo, pode abater praticamente qualquer coisa.”

Esta foto fornecida pelo Projeto de Paleoantropologia da Península Homa mostra a escavação no local de Nyayanga, no sudoeste do Quênia, em julho de 2016. — Foto: J.S. Oliver/Homa Peninsula Paleoanthropology Project via AP




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

numero-de-mortos-por-terremoto-em-turquia-e-siria-passa-de-20-mil,-e-chances-de-sobreviventes-se-dissipam

G1 Mundo

Número de mortos por terremoto em Turquia e Síria passa de 20 mil, e chances de sobreviventes se dissipam

O resgate de um menino de 2 anos após 79 horas preso nos destroços de um prédio desabado em Hatay, na Turquia, e de várias outras pessoas animou as cansadas equipes de busca. Mas a esperanças estavam se dissipando de que outras serão encontradas vivos nas ruínas das cidades. Bebê é resgatado com vida 79 horas após o início dos tremores na Turquia A contagem de mortes nos dois países […]

today10 de fevereiro de 2023 62

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%