G1 Mundo

França reforça mobilização policial, e quase 500 pessoas são detidas em mais uma noite de protestos

today1 de julho de 2023 9

Fundo
share close

Na véspera do funeral de Nahel, 17, o presidente Emmanuel Macron reforçou as medidas de segurança e apelou diretamente aos pais dos menores que participaram das três noites de protestos anteriores.

O ministro francês do Interior, Gérald Darmanin, anunciou a mobilização de 45 mil agentes no país e autorizou a mobilização de unidades blindadas da gendarmaria, corpo militar que tem competências de segurança pública.

À noite, no entanto, voltou a trazer destruição, saques e lançamentos de projéteis contra as viaturas da polícia, que respondia com gás lacrimogêneo para dispersar os manifestantes. Por volta das 2h30 locais, o ministro anunciou que 471 pessoas haviam sido detidas, mas ressaltou que a violência era de menor intensidade, com algumas regiões bastante tranquilas.



A violência explodiu na última terça-feira (27), no subúrbio de Paris, e se espalhou pelo país após a morte de Nahel, atingido por um tiro à queima-roupa disparado por um policial durante uma blitz em Nanterre, a oeste da capital francesa.

Na quinta-feira (29), dia de maior tensão, terminou com a detenção de 875 pessoas e 249 agentes feridos, assim como 492 prédios atacados e 2.000 veículos incendiados.

A primeira-ministra francesa, Élisabeth Borne, disse que seriam estudadas “todas as opções”, entre elas o estado de emergência que a direita e a extrema direita pedem, mas optou por reforçar o número de agentes e mobilizar os blindados.

O presidente Macron, por sua vez, pediu “responsabilidade” a redes sociais como TikTok e Snapchat, a quem solicitou a remoção de conteúdo vinculado aos protestos e a identificação de usuários.

Manifestantes entram em confronto com a polícia após a morte de Nahel, em 30 de junho de 2023. — Foto: REUTERS/Gonzalo Fuentes

O governo está sob pressão, entre a direita e a extrema-direita, que pedem uma linha dura, e os que querem medidas de apaziguamento.

Dois sindicatos da polícia, entre eles o majoritário Alliance, pediram, em um duro comunicado, o “combate” às “hordas selvagens” que protagonizam os distúrbios e alertaram o governo que “vão entrar em resistência” assim que a crise for superada.

A oposição de esquerda condenou o comunicado, que qualificou de “ameaça de sedição” e de “chamado à guerra civil”.

Sem se referir ao comunicado, o ministro do Interior pediu aos agentes para “respeitar as leis e a deontologia” e destacou que a “minoria de delinquentes [dos distúrbios] não representa a imensa maioria dos moradores dos bairros pobres”.

Em uma tentativa de apaziguar a situação, a seleção francesa de futebol, capitaneada pelo craque do PSG Kylian Mbappé, pediu em um comunicado que “o tempo da violência deve parar” e dar lugar a “maneiras pacíficas e construtivas de se expressar”.

Violência e atos de vandalismo foram registrados na noite desta sexta, principalmente em Lyon e Marselha, segunda maior cidade da França, para onde o Ministério do Interior enviou reforços. Autoridades decretaram toque de recolher em três localidades da região de Paris e em várias outras do país.

Os fatos relançaram o debate recorrente da violência policial na França, onde em 2022 treze pessoas morreram em circunstâncias similares às de Nahel, e sobre as forças de ordem, consideradas racistas por parte da população.

A ONU pediu às autoridades francesas que se ocupem seriamente dos “profundos” problemas de “racismo e discriminação racial” em suas forças de segurança, acusações que o Ministério das Relações Exteriores qualificou de “totalmente infundadas”.

Vários países europeus, como Reino Unido, Alemanha e Noruega, alertaram seus cidadãos na França, pedindo que evitem as áreas de distúrbios e que aumentem as precauções.

O presidente do principal sindicato patronal do setor hoteleiro, Thierry Max, alertou para a onda de cancelamentos nas áreas afetadas pela violência.

No sábado (1º) será celebrado o enterro de Nahel, anunciou o prefeito de Nanterre, Patrick Jarry.

Mounia, a mãe da vítima, disse à rede France 5 que não culpava a Polícia, mas sim o agente que tirou a vida de seu filho.

A justiça decretou prisão preventiva por homicídio doloso para o policial de 38 anos autor do disparo, cujas “primeiras” e “últimas” palavras durante sua custódia policial foram “para pedir perdão à família” de Nahel, segundo seu advogado.

VÍDEOS: mais assistidos do g1




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

terremoto-na-indonesia-deixa-10-feridos-e-causa-estragos-em-centenas-de-casas

G1 Mundo

Terremoto na Indonésia deixa 10 feridos e causa estragos em centenas de casas

Tremor de magnitude 6,4 foi registrado na sexta-feira (30), na ilha de Java. Terremotos são comuns no país. Casa ficou parcialmente destruída após terremoto na Indonésia — Foto: Sandra Widiana/Friendhira Dinda Agmelia/Yanita Putri/Reuters Dez pessoas ficaram feridas após um terremoto de magnitude 6,4 atingir a Indonésia, na sexta-feira (30), segundo autoridades do país. Uma pessoa também morreu durante o tremor. A suspeita é que ela tenha sofrido um ataque cardíaco. […]

today1 de julho de 2023 11

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%