G1 Mundo

Franceses decidem neste domingo se extrema direita chegará ao poder, em 2º turno de eleições legislativas

today7 de julho de 2024 6

Fundo
share close

O desafio, nesta rodada final das eleições legislativas antecipadas do país, é impedir que o Reunião Nacional (RN) alcance a maioria absoluta — ou seja, o número mínimo de 289 assentos no Parlamento exigidos para que um partido forme governo — e, assim, indique o novo primeiro-ministro francês.

No primeiro turno, no último domingo (30), o Reunião Nacional, partido de extrema direita de Marine Le Pen, conquistou a maioria dos votos: 33% deles. A Nova Frente Popular, um grande bloco de partidos de esquerda, ficou em segundo lugar, com 28% dos votos, e o bloco centrista do presidente francês, Emmanuel Macron, terminou em terceiro lugar, com 20% dos votos.

Na semana passada, após os resultados, Macron pediu uma aliança com a esquerda para tentar barrar o RN. Embora ainda não tenham batido o martelo sobre a união, líderes do bloco esquerdista indicaram que poderiam se aliar ao centro com esse objetivo —apesar das pautas distantes e até opostas em muitas questões de ambos. Esse arranjo é chamado na França de “grande cordão sanitário” contra a extrema direita.



Mulher deposita voto no segundo turno das eleições legislativas da França — Foto: AP Photo/Jean-Francois Badias

Mais de 200 candidatos centristas e de esquerda desistiram das disputas para aumentar as chances de seus rivais moderados e tentar impedir que candidatos da extrema direita vencessem.

De acordo com as principais pesquisas de intenção de voto divulgadas nesta semana, o número de assentos do bloco da esquerda e do centro seria suficiente para garantir uma maioria absoluta, de 289 cadeiras no Parlamento francês, e, assim, indicar um primeiro-ministro.

Mas há incertezas em relação à participação dos eleitores.

Essa possibilidade pode impedir que Macron tenha de governar em uma situação no mínimo desconfortável: ao lado de um premiê opositor.

Pelo sistema político da França, semipresidencialista, o primeiro-ministro, indicado pelo partido ou coalizão que conquistam maioria no Parlamento, governa em conjunto com o presidente — este eleito em eleições presidenciais diretas e separadas das legislativas e que, na prática, é quem ganha mais protagonismo à frente do governo.

Eleitora pega as cédulas antes de votar no segundo turno das eleições legislativas da França — Foto: AP Photo/Jean-Francois Badias

No cenário de os dois serem de lados opostos, forma-se o chamado governo de coabitação. Nesse modelo, o presidente mantém o papel de chefe de Estado e da política externa — a Constituição diz que ele negocia também tratados internacionais—, mas perderia o poder de definir a política doméstica e de nomear ministros, o que ficaria a cargo do primeiro-ministro.

Isso aconteceu pela última vez em 1997, quando o presidente de centro-direita, Jacques Chirac, dissolveu o Parlamento pensando que ganharia uma maioria mais forte, mas, inesperadamente, perdeu o controle da Casa para uma coalizão de esquerda liderada pelo partido socialista.

Caso a extrema direita ganhe, Macron teria de nomear um adversário, o jovem líder do RN, Jordan Bardella, de 28 anos, para o cargo de primeiro-ministro — se optar por não fazê-lo, ele pode ser alvo de uma Moção de Censura, um recurso do Legislativo no qual deputados votam se querem mantê-lo ou não no cargo.

Com as eleições em tempo recorde, os candidatos tiveram também apenas três semanas de campanha, marcadas pelo discurso de ódio. O ministro do Interior francês, Gérald Darmanin, disse que o seu ministério registou 51 ataques verbais e físicos contra candidatos.

Darmanin disse que 30 mil policiais serão destacados no domingo, incluindo 5 mil na região de Paris, para garantir que os resultados das eleições “sejam respeitados, sejam eles quais forem”. Ele disse que as reuniões fora da Assembleia Nacional, a câmara baixa do parlamento, foram proibidas.

Trajetória da extrema direita na França

França encerra campanha para segundo turno das eleições legislativas

França encerra campanha para segundo turno das eleições legislativas

Desde que foi fundado, em 1972, e por mais de três décadas, o partido francês de extrema direita Frente Nacional foi um nanico. Teve de esperar 14 anos para conseguir chegar ao Parlamento francês e chegou a emplacar um candidato no segundo turno das eleições presidenciais —seu fundador, Jean-Marie Le Pen.

Ainda assim, a extrema direita na França continuou à margem da política e vista como pária. As coisas só começaram a mudar junto da chegada de um novo nome no partido, que em 2018 passou a se chamar Reunião Nacional — já sob comando de sua atual secretária-geral, Marine Le Pen. Filha do fundador, ela assumiu após o pai ser expulso da própria sigla, por conta de discursos antissemitas, e foi moderando o discurso para ampliar o espectro de seu eleitorado.

Mas foi só com a geração das redes sociais que a sigla conseguiu dar um salto e se tornar o partido favorito para governar o país — o RN ficou em primeiro lugar no primeiro turno das eleições legislativas na França, realizado no domingo (30). O segundo turno acontece em 7 de julho.

Veja a linha do tempo da ascensão da extrema direita na França. — Foto: Equipe de arte/g1

Embora a moderação de Marine Le Pen em comparação a seu pai tenha ajudado a tornar o partido mais popular, o discurso de Bardella não segue esse roteiro. O jovem político é mais radical que sua tutora em uma série de pautas da extrema direita, principalmente a imigração.

Nos últimos anos, Marine Le Pen vem deixando para trás pautas polêmicas que ela mesma defendia no início de sua carreira política, como posturas xenófobas, proximidade com o governo russo e discurso favorável à saída da França da União Europeia.

Le Pen abandonou também posturas racistas e antissemitas de seu pai, mas manteve pautas anti-imigração. Ela já sugeriu a retirada do apoio da França à Ucrânia na guerra e o abandono a políticas para amenizar o impacto do carbono, com mais incentivos a indústrias francesas.

Essa moderação do discurso foi uma tática adotada por Le Pen principalmente depois de perder as eleições para o então novato Emmanuel Macron, em 2017, com uma forte rejeição no segundo turno — repetindo o que aconteceu com seu pai, que em 2002 foi esmagado por Jacques Chirac no segundo turno das eleições presidenciais.

Além de tentar romper com a trajetória do seu pai, Marine Le Pen também investiu em outra estratégia: a profissionalização dos políticos de seu partido com treinamentos de mídia e assessores especializados em redes sociais.

Dessa estratégia surgiu o nome de Bardella, que com apenas 26 anos foi nomeado presidente do partido.

Bardella também busca marcar distância das ideias de Jean-Marie Le Pen. Mas não economiza nos discursos anti-imigração e também de negação do aquecimento global. Já acusou os migrantes de fazer a França desaparecer e disse que é preciso contê-los, caso contrário “a nossa civilização morrerá”.

Na última composição do Parlamento francês, dissolvido no início de julho por Emmanuel Macron, o RN tinha 88 dos 577 deputados da Casa. É preciso aos menos 289 assentos para garantir a maioria absoluta.

Como funcionam as eleições legislativas na França

Como funcionam as eleições legislativas na França

Eleições legislativas da França têm extrema direita à frente, seguida pela esquerda e coalizão de centro de Macron em terceiro

Eleições legislativas da França têm extrema direita à frente, seguida pela esquerda e coalizão de centro de Macron em terceiro

Isso porque, neste caso, o premiê assume as funções de comandar o governo internamente, propondo, por exemplo, quem serão os ministros.

O primeiro-ministro atual, Gabriel Attal, é aliado de Macron, mas, se as pesquisas se concretizarem, quem deve assumir o cargo é Jordan Bardella. Após o fechamento das urnas, Bardella disse que a votação do segundo turno, na semana que vem, será o “momento mais importante da história da Quinta República da França.

As eleições parlamentares são realizadas em dois turnos — o primeiro foi neste domingo, e o outro será em 7 de julho.

O presidente francês, Emmanuel Macron, sai de cabine de votação durante eleições legislativas na França, em 30 de junho de 2024. — Foto: Yara Nardi/ Reuters

Eleições na França — Foto: Yves Herman/Reuters

A líder do RN, partido da extrema direita, Marine Le Pen, vota em Hénin-Beaumont, no norte da França, em 30 de junho de 2024. — Foto: Yves Herman/ Reuters

Parlamento francês — Foto: Martin Bureau/AFP




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

por-que-tantas-mulheres-estao-apoiando-a-direita-radical-na-franca

G1 Mundo

Por que tantas mulheres estão apoiando a direita radical na França

Apenas nos últimos cinco anos, a parcela da população feminina que vota no RN ganhou dez pontos percentuais, passando de 20% a 30%, de acordo com diferentes pesquisas. No caso eleitorado masculino foram 36%, segundo a pesquisa Ipsos-Talan para France.tv e Public Sénat. A operação de atração da população feminina começou quando Marine assumiu, em 2011, as rédeas do partido fundado no início dos anos 1970 por seu pai, Jean-Marie […]

today7 de julho de 2024 5

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%