G1 Santos

‘Garganta do Diabo’, point dos surfistas, esconde perigos e lendas urbanas; conheça

today21 de junho de 2024 6

Fundo
share close

Segundo os oceanógrafos Henrique Chaves e Renan Ribeiro, na Garganta do Diabo há bancos de areia que se movimentam ao longo do tempo. De acordo com eles, no local existe uma correnteza forte em função do “efeito de maré e estrangulamento da água”, que proporcionam ondulações arriscadas tanto para o ser humano quanto para embarcações.

Além dos perigos ‘ocultos’, outro mistério que paira sobre as águas é o apelido popular. Sergio Willians, presidente do Instituto Histórico Geográfico de Santos, contou que diversas lendas urbanas explicam o nome, incluindo a de que o local “engolia” barcos que ousavam passar por lá. Para ele, a hipótese que mais faz sentido pode ser, literalmente, desenhada (veja abaixo).

Afinal, de onde veio o nome?



Baía de São Vicente e Ilha Porchat — Foto: Carta náutica da Marinha

Sergio Willians destacou que há uma crença popular de que a Garganta serviu de passagem para as caravelas de Martim Afonso na fundação da Vila de São Vicente. Para ele, porem, a ‘informação’ não procede devido à falta de embasamento histórico.

Segundo contou que o pintor Benedito Calixto criou telas para mostrar as caravelas chegando pela primeira vez à baía municipal no século XVI. A ciência já comprovou, no entanto, que navios de grande porte não passariam pela Garganta devido às condições naturais da região. O desembarque das embarcações ocorreu, na verdade, próximo à Ponta da Praia, em Santos.

“Se você pega o mapa da baía de São Vicente, entre a Ilha Porchat e a Ponte Pênsil, o desenho dessa baía no trecho de água lembra a cabeça de um diabo. A parte da Ilha Porchat é onde ficaria a garganta”, explicou ele.

Sérgio Ujvari surfando na Garganta do Diabo em 2023 — Foto: Dinho Imagens

Para o aposentado e juiz de campeonatos de surfe, Sérgio Ujvari, de 66 anos, a Garganta do Diabo pode ‘presentear’ o atleta com as “melhores ondas que você vai pegar na vida” ou também o representar o “seu pior pesadelo”.

Há quatro anos, Ujvari foi surpreendido pela força do mar e jogado para baixo enquanto se aventurava pela Garganta do Diabo. O resultado foi uma prancha quebrada ao meio e o desespero para escapar das ondas.

“Conhecendo o local, sabendo das correntes, é tranquilo surfar lá. Mas muitos surfistas vão sem saber nada, pensando que estão numa praia normal, só que não. Tem que saber onde vai, respeitar o mar e sempre manter a calma”, explicou Ujvari.

Assim como Sérgio Ujvari, o jornalista e advogado Daniks Fischer, de 51 anos, costuma ir à Garganta do Diabo para pegar onda. Ele frequenta o local há cerca de 37 anos, e foi lá que adquiriu a ‘base’ para surfar no famoso arquipélago estadunidense do Havaí.

“É sensacional! Surfar lá é como estar surfando numa bancada gringa de ondas grandes. A gente fica distante da costa, mas ao mesmo tempo perto da Ilha Porchat, o que traz um charme e uma adrenalina especial ao local”, disse ele.

Apesar do ‘sentimento de aventura’, os riscos aos atletas que surfam na Garganta não devem ser ignorados. “É bem perigoso mesmo, com muita corrente e redemoinhos. Inclusive, já ajudei a tirar algumas pessoas de lá em situação de perigo”, ressaltou Daniks Fischer.

Surfista profissional, Douglas Noronha, de 35 anos, também aproveita o mar da Garganta do Diabo desde a adolescência. Ele destacou que é importante não baixar a guarda, especialmente quando o mar está de ressaca [elevação anormal no nível das águas].

“Não é tranquilo surfar lá, precisa de uma certa experiência em ondas maiores e conhecimento do local, como as variações de maré. Precisa também de pranchas maiores do que as que estamos acostumados a usar no dia a dia”, explicou Noronha.

O surfista natural de Santos (SP) disse que nunca se acidentou na Garganta, mas já presenciou alguns acidentes e “perrengues” de amigos e conhecidos no local.

Douglas Noronha surfando na Garganta do Diabo, em São Vicente (SP) — Foto: Celso Ferreira

De acordo com o oceanógrafo Renan Ribeiro, a principal questão envolvendo a Garganta do Diabo é a ondulação do mar. Segundo ele, há basicamente dois grandes bancos de areia: olhando para a cidade, um fica do lado direito, já o outro está do lado esquerdo, próximo à região do Xixová-Japuí.

O oceanógrafo explicou ao g1 que a correnteza é forte devido ao ‘estrangulamento’ que há na região. A água também ganha aceleração devido à passagem da maré pela baía de São Vicente para a de Santos.

“Dependendo da condição de onda que a gente tem, principalmente quando tem mar mais agitado, tem a formação de ondas maiores”, afirmou.

Garganta do Diabo em dezembro de 1991, quando uma embarcação naufragou e três pescadores morreram — Foto: Arquivo/A Tribuna Jornal

O também oceanógrafo Henrique Chaves acrescentou que a Garganta recebe um forte aporte de água do desague da Serra do Mar, cadeia montanhosa que vai do Estado do Rio de Janeiro até o norte do Rio Grande do Sul.

“Alguns surfistas já foram arrastados para alto-mar, aí tiveram que sair nadando para o lado de São Vicente, pro Itararé, para poderem se salvar. Ou então, surfistas já foram parar na Ponte Pênsil“, ressaltou o especialista.

VÍDEOS: g1 em 1 Minuto Santos




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Santos.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

‘vovo’-apaixonada-pela-pm-ganha-festa-tematica-e-surpresa-de-67-anos:-‘amo-muito-a-autoridade’;-video

G1 Santos

‘Vovó’ apaixonada pela PM ganha festa temática e surpresa de 67 anos: ‘Amo muito a autoridade’; VÍDEO

Uma idosa 'apaixonada' pela Polícia Militar ganhou uma festa surpresa com o tema da corporação para celebrar os 67 anos em Itanhaém, no litoral de São Paulo. Ao g1, Antônia Rodrigues contou que 'bate continência' sempre que vê um agente, como foi ensinada pelo pai ainda na infância. "Amo muito a minha polícia, amo muito a autoridade", disse ela. Segundo a mulher, o amor pela PM surgiu quando ela ainda […]

today21 de junho de 2024 2

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%