G1 Mundo

Golpe fracassado na Bolívia pode acelerar processo de entrada do país no Mercosul

today30 de junho de 2024 6

Fundo
share close

A discussão sobre esse novo membro deve ser feita na cúpula do bloco, no Paraguai, no próximo dia 8.

A avaliação de membros do Itamaraty é de que essa adesão seria simbólica de um compromisso da Bolívia com a democracia – o Mercosul adota a chamada “cláusula democrática” que impede a participação de governos autoritários no bloco.

O tema da democracia, aliás, deve ser o grande assunto da Cúpula do Mercosul em Assunção, no mês que vem.



O Itamaraty avalia que, passada a tentativa mal-sucedida de golpe, se tornou ainda mais importante e simbólica a visita prevista de Lula a Santa Cruz de La Sierra, na Bolívia. A viagem será no dia 9 de julho, um dia após a Cúpula.

Golpe fracassado na Bolívia: general deposto do Exército comandou a tentativa de golpe, mas recuou

Golpe fracassado na Bolívia: general deposto do Exército comandou a tentativa de golpe, mas recuou

Na avaliação de integrantes do governo, o ocorrido na Bolívia pode ser avaliado como fonte de instabilidade política – que se somaria ao cenário de tensão em países como Peru e Venezuela.

O Itamaraty ressalta, no entanto, que houve uma resposta foi muito firme em defesa da democracia, vinda inclusive de presidentes conservadores como o do Uruguai.

“A democracia é um valor fundamental para o Brasil, como reafirmamos ontem ao rechaçar a inaceitável tentativa de golpe de estado na Bolívia”, afirmou o ministro Mauro Vieira em reunião do Conselhão, nesta quinta.

O Itamaraty considera que o recado foi dado no sentido de que o golpismo não será tolerado – assim como não foi no Brasil quando houve o 8 de janeiro.

A reação do Brasil foi importante não só por esse contexto, mas também por questões econômicas, porque o Brasil é um grande importador de gás da Bolívia.

O governo brasileiro considera que a população deu o recado porque mostrou disposição em defender a democracia.

Somando essa reação interna com a postura internacional, o Itamaraty acha que isso pode sinalizar que não se vai tolerar desvios na democracia. Aumenta a pressão em cima da Venezuela, por exemplo, por uma eleição transparente.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

israel-diz-que-pode-levar-o-libano-a-‘idade-da-pedra’-em-meio-a-atrito-com-o-hezbollah

G1 Mundo

Israel diz que pode levar o Líbano à ‘Idade da Pedra’ em meio a atrito com o Hezbollah

O ministro da Defesa de Israel, Yoav Gallant, declarou na quarta-feira (26), durante uma visita a Washington, que seu país não quer uma guerra no Líbano, mas que pode levar este país de volta à "Idade da Pedra" em caso de fracasso da diplomacia. "Não queremos entrar em uma guerra porque não é bom para Israel. Temos a capacidade de levar o Líbano de volta à Idade da Pedra, mas […]

today30 de junho de 2024 3

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%