G1 Mundo

Governo Biden vai ampliar muro na fronteira com México para barrar imigrantes

today6 de outubro de 2023 10

Fundo
share close

Para isso, vão ser usados fundos concedidos pelo Congresso a antecessor de Biden, Donald Trump.

O secretário de Segurança Interna, Alejandro Mayorkas, disse em um comunicado que “não havia nenhuma nova política do governo em relação aos muros fronteiriços. Desde o primeiro dia, este governo deixou claro que um muro fronteiriço não é a resposta”.

Mayorkas disse que o projeto de construção foi apropriado durante a administração anterior e que a lei exige que o governo utilize os recursos, com anúncio feito no início do ano. “Pedimos repetidamente ao Congresso que rescindisse esse dinheiro, mas [não aconteceu] e somos obrigados a seguir a lei”, disse ele.



O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, visitou o México para tratar com o vizinho da questão migratória e do tráfico de fentanil. O presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, afirmou que a decisão é um retrocesso.

“Esta autorização para a construção do muro é um retrocesso, porque isso não resolve o problema. É preciso atender as causas (da imigração irregular)”, disse o presidente durante sua habitual entrevista coletiva matinal, pouco antes de receber o secretário Blinken.

Biden respondeu dizendo que não pode impedir que os recursos sejam usados para ampliar a construção do muro na fronteira com o México, porque foram destinados para esse fim durante o mandato de Trump.

“O dinheiro foi destinado para o muro fronteiriço. Tentei (convencer os republicanos do Congresso) que o realocaram, que redirecionassem esse dinheiro. Não fizeram isso”, afirmou o presidente, que garante que não é legalmente possível usar esse dinheiro para outra finalidade.

Para instalar essas “barreiras físicas e caminhos adicionais” no Texas, o governo decidiu revogar cerca de 20 leis e regulamentos federais, muitos deles ambientais.

Ao longo de décadas, diferentes governos republicanos e democratas construíram algum tipo de cerca nas zonas fronteiriças com o México para conter a entrada de migrantes, muitos deles latino-americanos, que tentam entrar nos Estados Unidos em busca de uma vida melhor.

Donald Trump, com quem Biden poderá travar outro duelo eleitoral na eleição presidencial de 2024, fez da construção de um muro fronteiriço um dos eixos de sua política e garantiu que o México pagaria por isso.

Ao chegar à Casa Branca, Biden decidiu suspender a construção do muro e pôr fim ao desvio de fundos para seu financiamento.

O democrata repetia que a construção de um muro na fronteira não era uma solução política para o problema e pediu ao Congresso que o montante fosse atribuído para garantir a segurança fronteiriça mediante o uso de tecnologia.

Agora, porém, decidiu utilizar uma dotação do ano fiscal de 2019, quando Trump ainda era presidente, por meio da qual o Congresso destinou fundos para a construção da barreira fronteiriça no Vale do Rio Grande.

Os novos muros serão construídos neste setor por se tratar de uma área de “elevada entrada ilegal”, justifica Mayorkas.

De outubro de 2022 até o início de agosto, a patrulha fronteiriça interceptou mais de 245 mil pessoas que tentavam ingressar no país através dos portos de entrada desse setor. Nas últimas semanas, o número de migrantes que chegam à fronteira sem a documentação necessária para atravessar vem aumentando, e a questão da imigração se tornou um obstáculo na corrida de Biden pela reeleição.

A reação de Trump, favorito à indicação republicana para disputa do ano que vem, foi imediata em sua plataforma Truth Social.

A medida de Biden mostra que “tinha razão quando construí 560 milhas (…) de um belo e novo muro de fronteira”, afirma, perguntando se “Joe Biden vai pedir desculpas (…) por demorar tanto para agir e por permitir” que o “país seja inundado com 15 milhões de migrantes ilegais, de lugares desconhecidos”.

As pressões não são apenas dos republicanos, mas também das cidades governadas por seus correligionários democratas e sobrecarregadas pela chegada de milhares de migrantes. A situação levou Biden a tomar diversas medidas nas últimas semanas, como o envio de mais 800 militares para a fronteira “para ajudar na logística”, ou a concessão de proteção migratória a quase meio milhão de venezuelanos.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

enchente-deixa-mortos-e-desaparecidos-na-cordilheira-do-himalaia

G1 Mundo

Enchente deixa mortos e desaparecidos na cordilheira do Himalaia

Um lago em uma altidude de mais de 5.000 metros transbordou com as chuvas na região. Um lago nas montanhas do Himalaia, na Índia, transbordou com chuvas fortes na região, o que causou enchentes na região que deixaram pelo menos 18 pessoas mortas e cerca de 100 desaparecidas na quarta-feira (4). O lago de Lhonak fica em uma altitude de 5.200 metros (como comparação, o ponto mais alto do Brasil, […]

today6 de outubro de 2023 3

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%