G1 Santos

Governo de SP vai fechar mais de 300 classes de escolas no estado; sindicato aponta sucateamento do ensino e superlotação

today5 de maio de 2023 4

Fundo
share close

Segundo a Secretaria da Educação, os alunos não vão ser transferidos de escolas e turnos, e o que vai haver é um redimensionamento de 0,3% de 104 mil classes (312). “Se ao final de cada bimestre, constatarmos o aumento ou diminuição da demanda escolar, a Diretoria de Ensino deverá reavaliar e proceder ao devido redimensionamento”, diz. (veja nota completa abaixo).

Para a Apeoesp, a gestão de Tarcísio de Freitas (Republicanos) quer promover uma “reorganização disfarçada” e afirma que esse movimento pode causar o fechamento de escolas e não apenas das classes.

De acordo com o levantamento do Sindicato, Araras é a região com mais escolas afetadas: 36 classes de 18 escolas serão fechadas



Em segundo lugar está Osasco, na Grande São Paulo, onde 9 escolas devem ter redução de classes.

Presidente da Apeoesp, a professora Bebel condena a medida e alerta para o risco de sucateamento em um momento ainda mais delicado para quem atua na rede pública.

“Quanto mais cheia é uma sala de aula, menos humanizado é o aprendizado”, defende. “A escola precisa de espaço e de contato com os alunos para trabalhar temas como ataques”.

A lotação das classes não deve passar o determinado por resolução, que varia de 30 a 45, dependendo do ano do ensino fundamental ou médio.

Segundo o sindicato, o fechamento poderá implicar em:

  • Salas de aula mais cheias e, por isso, menos humanizadas
  • Supercarga de trabalho dos professores, que resulta em professores mais estressados
  • Alunos mais dispersados na sala de aula, porque um professor não consegue dar atenção e ter o controle sobre muitas pessoas de uma só vez
  • Menos liberdade para ensinar, porque atividades mais complexas como dissertações e redações levam mais tempo para serem produzidas e corrigidas, então um modelo mais rápido é escolhido
  • Demissão de professores

“A qualidade de ensino tem a ver sim com a quantidade de alunos presentes em sala de aula. A denúncia que recebemos é que tem escola com 19 alunos, com 21, com 15 e que, simplesmente, as diretorias de ensino, através do sistema, fecham a sala e obrigam as escolas a realocar os alunos em outras salas de aula”, explica integrante do sindicato da Zona Sul de SP.

Os alunos da Escola Estadual Tiago Alberione, na Zona Sul da capital paulista, fizeram um abaixo-assinado contra o fechamento das salas. Segundo um dos alunos, “estão querendo fechar 4 salas. Teria uma reunião com o dirigente, mas o mesmo saiu.” Uma nova dirigente já está no comando.

No enunciado do abaixo-assinado está escrito “se manifestem contra as ameaças de fechamento de classes da escola estadual Padre Tiago Alberione. Os docentes da mesma unidade escolar, compreendendo que tais ameaças, oriundas da diretoria de ensino através da supervisão, se configuram como ataques aos interesses da comunidade escolar e a escola pública.”

Em Sorocaba, no interior do estado, duas classes devem ser fechadas na Escola Estadual Júlio Prestes de Albuquerque, segundo o levantamento do sindicato. A unidade já convive com lotação de salas e insatisfação dos alunos com relação ao modelo de aprendizagem.

“Há classe superlotada de itinerário formativo com 50 estudantes de humanas e 40 em turma de exatas. Os estudantes foram informados que serão remanejados 5 de Humanas para Exatas para igualar o número de estudantes por turma, o que gerou grande insatisfação, pois suas escolhas não estão sendo respeitadas. Por outro lado, os professores que ficaram ministrando as aulas do Ensino Médio estão precisando se desdobrar com até 8 componentes distintos, possuindo apenas uma única formação, entre muitos outros problemas”.

O Apeoesp afirma que houve diálogo com “dirigentes da Educação nas regiões, que em alguns casos consideraram a argumentação do Sindicato” e que tentam uma reunião com o governo do estado desde fevereiro, sem sucesso.

O que diz a secretaria da Educação

Questionada pelo g1, a Secretaria Estadual de Educação confirmou o fechamento de 300 turmas e afirma que “as classes serão incorporadas em outras da mesma unidade, não ultrapassando critérios das Resoluções SE nº2/2016”:

  • 30 alunos para as classes dos anos iniciais do ensino fundamental;
  • 35 alunos para as classes dos anos/séries finais do ensino fundamental;
  • 40 alunos para as classes de ensino médio;
  • 45 alunos para as turmas de educação de jovens e adultos, nos níveis fundamental e médio.

A secretaria informou que quer tentar manter até 30 alunos por classe. O sindicato defende que as turmas deveriam ter 25 estudantes por sala de aula e ressalta que é necessário avaliar outros critérios, como o tamanho da sala de aula e a composição, ou seja, a diversidade no ambiente.

Fechamento de salas e o levante estudantil

Estudantes dentro da escola Fernão Dias Paes, em Pinheiros, em protesto de 2015 contra o fechamento de classes — Foto: Hélvio Romero / Estadão Conteúdo

A proposta gerou protestos de estudantes e pais porque previa o fechamento de 93 escolas, que seriam disponibilizadas para outras funções na área de educação. Os pais reclamaram da transferência dos filhos para outras unidades de ensino. A mudança atingiria ainda 74 mil professores.

Em 14 de novembro, as escolas ficaram abertas para receber pais e alunos e tirar dúvidas sobre a reestruturação. O dia foi chamado de “Dia E” pela Secretaria da Educação. A pasta também criou um sistema online de consulta sobre a matrícula do próximo ano.

Estudantes começaram a ocupar escolas em 9 de novembro, uma segunda-feira, em protesto contra a reestruturação. Quatro dias depois, na sexta-feira (13), 196 escolas estavam ocupadas, segundo a Secretaria da Educação. O número chegou a cerca de 200 escolas ocupadas.

A primeira escola a ser ocupada foi a Escola Estadual Diadema, no ABC. No dia seguinte, alunos ocuparam a escola Fernão Dias, em Pinheiros, na Zona Oeste de São Paulo. Um grande número de policiais militares foi deslocado para a unidade de ensino na capital paulista. Houve tumulto em algumas ocasiões.

“Não procede a informação de transferência de alunos entre escolas ou turnos. A Secretaria da Educação do Estado de São Paulo informa que de 104 mil classes, 0,3% serão redimensionadas, em acordo aos critérios das Resoluções SE nº2/2016 e SE nº 62/2018. A Seduc-SP dialoga com a rede a otimização da formação de classes com até 30 alunos. Se ao final de cada bimestre, constatar o aumento ou diminuição da demanda escolar, a Diretoria de Ensino deverá reavaliar e proceder ao devido redimensionamento, adequando à realidade local e com total garantia pedagógica do ensino aos estudantes.”

* Sob supervisão de Cíntia Acayaba




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Santos.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

pf-realiza-acao-contra-o-trafico-internacional-de-drogas-pelo-porto-de-santos

G1 Santos

PF realiza ação contra o tráfico internacional de drogas pelo Porto de Santos

Um mandado de busca e apreensão foi cumprido em São Vicente, SP, após a PF e a Receita Federal apreenderem 683 kg de cocaína. A droga estava escondida em uma carga de 21 toneladas de tripas de bovinos. PF cumpre mandado de busca e apreensão no combate ao tráfico de drogas no Porto de Santos — Foto: Receita Federal A Polícia Federal cumpriu um mandado de busca e apreensão em […]

today5 de maio de 2023 3

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%