G1 Mundo

Guerra na Ucrânia: como Zelensky está lidando com a fadiga ocidental com o conflito

today1 de outubro de 2023 6

Fundo
share close

O primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau, prometeu apoiar a Ucrânia “durante o tempo que for necessário” contra a invasão da Rússia, e tem o apoio de todos os partidos nesse esforço.

O bolso dos Estados Unidos é mais fundo, mas a questão política é muito mais complicada.

Zelensky conseguiu um pacote de ajuda militar de US$ 325 milhões da Casa Branca, mas não foi o valor de US$ 24 bilhões que ele esperava. A proposta de ajuda militar bilionária está parada no Congresso, que está quase paralisado devido a discordâncias sobre o orçamento.



As dificuldades não param por aí.

Além de encontrar o presidente americano Joe Biden, o líder da Ucrânia também teve reuniões com políticos republicanos que lutam para conter o crescente ceticismo no seu partido.

“Estamos protegendo o mundo livre, o que deveria receber apoio dos republicanos”, diz um conselheiro do governo ucraniano em Kiev.

“Foi mais difícil quando a guerra começou, porque era um caos”, diz ele. “Agora, podemos ser mais específicos em nossos pedidos, pois sabemos o que os nossos aliados têm e onde armazenam.”

Mas cada vez mais os países aliados estão tendo que lidar com questões como “por que a Ucrânia deveria continuar recebendo um cheque em branco?” e “como o país pretende vencer a guerra?”.

O presidente ucraniano tem tentado responder a ambas questões no cenário mundial. Agora, parece que ele tem feito mais negociações do que campanha de guerra — justamente para manter a ajuda ocidental chegando.

E isso em uma semana em que Kiev se desentendeu com um dos seus aliados mais leais, a Polônia, em uma disputa por causa dos cereais ucranianos.

A proibição das importações ucranianas levou o presidente Zelensky a acusar indiretamente Varsóvia de “ajudar a Rússia”.

O presidente polonês, Andrzej Duda, comparou então a Ucrânia a uma “pessoa que está se afogando e com a qual você pode se afogar junto.”

A situação desde então esfriou.

O primeiro-ministro da Polônia, Mateusz Morawiecki, e o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, se abraçam em foto do início do ano — Foto: REUTERS

Mesmo para um líder experiente em tempos de guerra, estes são tempos difíceis para o presidente ucraniano em termos diplomáticos.

As próximas eleições em países parceiros como a Polônia, a Eslováquia e os EUA tornam o cenário nebuloso. Alguns candidatos estão dando prioridade às questões internas em detrimento do apoio militar à Ucrânia.

“A necessidade de equilibrar a ajuda militar com a satisfação dos eleitores torna as coisas realmente complicadas”, explica Serhiy Gerasymchuk, do Prism, um centro de pesquisa em política externa ucraniano.

“A Ucrânia tem de ponderar a promoção dos seus interesses, utilizando todos os instrumentos possíveis, tendo simultaneamente em conta a situação nos países parceiros e na União Europeia. É um desafio”, diz Gerasymchuk.

Este é o tipo de questão com a qual o líder da Rússia, Vladimir Putin, não precisa de se preocupar.

É por isso que Kiev tenta retratar esta guerra como uma luta não só pela sua soberania, mas pela democracia.

Após a queda da União Soviética, a Ucrânia, a Rússia, os EUA e o Reino Unido fizeram um acordo com o Memorando de Budapeste de 1994.

A Ucrânia entregou à Rússia as armas nucleares soviéticas deixadas no seu solo em troca da promessa de que a sua integridade territorial seria respeitada e defendida pelos outros países que assinaram o tratado.

Nove anos de agressão russa fizeram com que esse acordo parecesse uma promessa quebrada.

Kiev também está tentando um plano de longo prazo e, ao mesmo tempo, buscado interagir melhor com países como o Brasil e a África do Sul, que têm sido apáticos em relação à invasão da Rússia.

É uma estratégia que não trouxe resultados imediatos.

“A verdade é que dependemos do sucesso na linha da frente”, afirma o conselheiro do governo ucraniano.

Ele argumenta que os meios de comunicação simplificaram muito a contraofensiva da Ucrânia.

Para ele, a mídia se concentrou demais no teatro da linha da frente, onde os ganhos foram marginais, e menos nos sucessos substanciais dos ataques com mísseis na Crimeia e nos ataques contra navios de guerra russos.

A Ucrânia sempre afirmou que não vai deixar que a “apressem” na sua contraofensiva. Com a política desta guerra cada vez mais ligada aos combates, isso será testado mais do que nunca.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

suspeito-de-integrar-associacao-criminosa-e-preso-em-central-clandestina-de-golpes-eletronicos

G1 Santos

Suspeito de integrar associação criminosa é preso em central clandestina de golpes eletrônicos

Ele foi surpreendido realizando compras na internet por meio de fraude eletrônica em Mongaguá (SP). Suspeito de integrar associação criminosa foi preso em central clandestina de golpes eletrônicos, em Mongaguá, SP — Foto: Polícia Civil/Divulgação Um homem, de 24 anos, suspeito de integrar uma associação criminosa responsável por fraudes eletrônicas praticadas em plataformas digitais de vendas foi preso no bairro Flórida Mirim, em Mongaguá, no litoral de São Paulo. Segundo […]

today1 de outubro de 2023 5

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%