G1 Mundo

Iêmen: quem são os rebeldes que juraram atacar todos os navios rumo a Israel no Mar Vermelho

today20 de dezembro de 2023 14

Fundo
share close

Em novembro, forças dos houthis sequestraram um navio de carga ligado a Israel no Mar Vermelho. E, nos últimos dois meses, eles também atacaram diversos outros navios mercantes com foguetes e drones.

Como os houthis atacaram alvos israelenses?

Depois do início da operação de retaliação israelense na Faixa de Gaza, em 19 de outubro, rebeldes houthis dispararam diversos mísseis e drones em direção a Israel. Os Estados Unidos declararam que seus navios de guerra no Mar Vermelho interceptaram alguns deles, enquanto outros caíram no mar ou em território egípcio.



Em novembro de 2023, rebeldes houthis capturaram o que eles afirmam ser um navio de carga israelense no Mar Vermelho e o levaram para um local perto do litoral do Iêmen. Israel afirmou que o navio não é israelense e que não havia tripulantes de Israel a bordo, mas relatos não confirmados indicam que o navio pode ter pertencido a um armador israelense.

Os houthis divulgaram imagens mostrando seus combatentes sequestrando um navio no Mar Vermelho em 21 de novembro — Foto: REUTERS

Desde o dia 3 de dezembro, os houthis atacaram uma série de navios mercantes no Mar Vermelho com drones e mísseis balísticos disparados da vizinha costa do Iêmen, ocupada pelos rebeldes. Navios de guerra dos EUA, do Reino Unido e da França interceptaram vários desses projéteis, mas diversos navios foram atingidos.

A maior companhia de navegação do mundo, a Mediterranean Shipping Company, declarou que está desviando seus navios para longe do Mar Vermelho. Também agiram assim a companhia francesa CMA CGM, a dinamarquesa Maersk, a alemã Hapag-Lloyd e a petrolífera BP.

O Comando Central dos Estados Unidos (Centcom), responsável pelas operações militares americanas no Oriente Médio, afirmou que “esses ataques lançados pelos houthis no Iêmen são totalmente viabilizados pelo Irã”.

Os Estados Unidos propuseram uma força-tarefa naval para proteger a navegação comercial contra novos ataques dos houthis.

Quem são os rebeldes houthis e qual é o seu objetivo?

Os houthis são um grupo armado iemenita da minoria muçulmana xiita do país, os zaiditas.

O grupo foi formado nos anos 1990, para combater o que eles consideravam ser corrupção do então presidente do Iêmen, Ali Abdullah Saleh (1942-2017). O nome do movimento vem do seu fundador, Houssein al Houthi (1959-2004). Eles também se autodenominam Ansar Allah (Partidários de Deus).

Após a invasão do Iraque liderada pelos Estados Unidos em 2003, os houthis adotaram o slogan: “Deus é grande. Morte aos Estados Unidos. Morte a Israel. Maldição aos judeus e vitória para o Islã.”

Eles se declaram parte do “eixo da resistência” liderado pelo Irã contra Israel, os Estados Unidos e o Ocidente em geral – em conjunto com o Hamas e o Hezbollah.

Isso explica por que os houthis estão agora atacando os navios que se dirigem a Israel no Golfo Pérsico, segundo Hisham Al-Omeisy, especialista em Iêmen da organização Instituto Europeu da Paz.

“Agora, eles estão realmente combatendo os imperialistas, estão lutando contra os inimigos da nação do Islã”, afirma ele. “Sua base se identifica com isso.”

Como os houthis ocuparam grandes partes do Iêmen?

Os houthis ganharam grande força política no Iêmen no início de 2014, quando se levantaram contra o presidente iemenita Abdrabbuh Mansour Hadi, sucessor de Ali Abdullah Saleh. Eles chegaram a um acordo com seu antigo inimigo e tentaram conduzir Saleh de novo ao poder.

Os rebeldes tomaram o controle da província de Saada, no norte do Iêmen. E, no início de 2015, eles capturaram a capital do país, Sanaa, forçando o presidente Hadi a fugir para o exterior.

Os houthis pretendiam destituir o então presidente do Iêmen, Abdrabbuh Mansour Hadi (à esq.), e trazer de volta ao poder Ali Abdullah Saleh — Foto: AFP

A Arábia Saudita, vizinha do Iêmen, interveio militarmente para tentar derrubar os houthis e reempossar Hadi na presidência. A ação teve o apoio do Bahrein e dos Emirados Árabes Unidos.

Os houthis repeliram os ataques e continuaram a controlar grandes partes do Iêmen. Eles assassinaram Ali Abdullah Saleh em 2017, quando ele tentou trocar de lado e aliar-se aos sauditas.

Quem apoia os rebeldes houthis?

Os rebeldes houthis seguem o modelo do grupo armado xiita no Líbano, o Hezbollah.

A organização libanesa fornece extensos treinamentos e conhecimentos militares aos houthis desde 2014, segundo o instituto de pesquisa americano Centro de Combate ao Terrorismo.

Os houthis também consideram o Irã como aliado, já que a Arábia Saudita é seu inimigo comum. O Irã é suspeito de fornecer armas aos rebeldes houthis.

Os Estados Unidos e a Arábia Saudita afirmam que o Irã forneceu os mísseis balísticos disparados pelos houthis sobre a capital saudita, Riad, em 2017. Os mísseis foram derrubados.

Destroços de um drone disparado a partir do Iêmen contra os Emirados Árabes Unidos — Foto: GETTY IMAGES via BBC

A Arábia Saudita também acusa o Irã de fornecer drones e mísseis de cruzeiro usados pelos houthis para atacar instalações petrolíferas sauditas em 2019.

Os houthis dispararam dezenas de milhares de mísseis de curto alcance em direção à Arábia Saudita e também atacaram alvos nos Emirados Árabes Unidos.

O fornecimento dessas armas desrespeitaria um embargo das Nações Unidas, e o Irã nega as acusações.

Qual o poder dos rebeldes houthis e que parte do Iêmen eles controlam?

A maioria da população do Iêmen vive em áreas sob o controle dos houthis — Foto: REUTERS

O órgão oficial de governo do Iêmen é o Conselho de Liderança Presidencial. O presidente Abdrabbuh Mansour Hadi transferiu seus poderes para o conselho em abril de 2022.

Sua sede fica em Riad, na Arábia Saudita. Mas a maior parte da população iemenita vive em regiões controladas pelos houthis e a organização cobra impostos no norte do país, além de emitir dinheiro.

O Conselho de Segurança da ONU menciona um especialista no movimento houthi, Ahmed al-Bahri, que afirma que, em 2010, os houthis tinham 100 mil a 120 mil seguidores. Esse contingente é composto de soldados armados e apoiadores desarmados.

As Nações Unidas também afirmam que cerca de 1,5 mil crianças recrutadas pelos rebeldes houthis morreram em combate em 2020, além de outras centenas no ano seguinte.

Os houthis controlam grande parte do litoral do Mar Vermelho, de onde eles lançam seus ataques aos navios. Al-Omeisy afirma que esses ataques ajudaram os rebeldes iemenitas nas atuais negociações de paz com a Arábia Saudita.

“Ao mostrar aos sauditas que eles realmente podem fechar o Bab al-Mandab [o estreito que liga o Mar Vermelho ao Golfo de Áden], eles pressionam ainda mais os sauditas em busca de concessões”, explica ele.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

julgamento-de-daniel-alves-acontecera-entre-5-e-7-de-fevereiro,-determina-a-justica

G1 Mundo

Julgamento de Daniel Alves acontecerá entre 5 e 7 de fevereiro, determina a Justiça

O ex-jogador da seleção brasileira é acusado de agredir sexualmente uma mulher dentro de uma boate de Barcelona em dezembro de 2022. Ele nega. Na Espanha, denúncias de estupro são investigadas sob a acusação geral de agressão sexual, e as condenações podem levar a penas de prisão de 4 a 15 anos. Desde janeiro, quando foi ouvido pela polícia pela segunda vez e se contradisse, Daniel Alves está em prisão […]

today20 de dezembro de 2023 11

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%