G1 Mundo

Inflação de 100% leva argentinos a mercados de roupas usadas: ‘não dá para comprar jeans novos’

today13 de novembro de 2023 11

Fundo
share close

O país sul-americano, a segunda economia da região e um dos principais exportadores de grãos, está enfrentando sua pior crise em décadas. Dois quintos das pessoas vivem na pobreza e uma recessão iminente está abalando o segundo turno das eleições presidenciais no próximo domingo.

A raiva crescente dos eleitores está impulsionando um outsider radical, Javier Milei, ligeiro favorito nas pesquisas para derrotar o ministro da Economia Sergio Massa, candidato da coalizão peronista governista, cuja campanha tem sido prejudicada por sua incapacidade de controlar o aumento dos preços.

“Você não pode simplesmente ir ao shopping e comprar algo de que gosta, como fazia antes. Hoje os preços são impensáveis”, disse a estudante Aylen Chiclana, de 22 anos, em Buenos Aires.



Uma calça jeans nova custa mais que o dobro do preço de um ano atrás e só essa compra representa mais de um terço do salário mínimo mensal da Argentina.

A inflação anualizada, que já é de 138%, deve aumentar ainda mais quando as autoridades divulgarem os dados oficiais de outubro na segunda-feira, com o aumento mensal estimado em cerca de 10%, um pouco abaixo dos picos de agosto e setembro.

Na Argentina, com a campanha na reta final, as pesquisas mostram disputa acirrada pela presidência

Na Argentina, com a campanha na reta final, as pesquisas mostram disputa acirrada pela presidência

A Argentina vem lutando há anos contra a alta inflação, que os economistas atribuem à impressão de dinheiro e à falta de confiança arraigada no peso local. A inflação acelerou no último ano, atingindo seu nível mais alto desde 1991.

Beatriz Lauricio, uma professora semi-aposentada de 62 anos, disse que ela e o marido, funcionário de uma empresa de ônibus, vão nos fins de semana a uma feira de roupas para vender peças velhas.

“Somos de classe média, classe média baixa, eu diria. Temos nossos empregos, mas precisamos ir à feira”, disse ela, acrescentando que, quando a feira foi cancelada em um fim de semana devido ao mau tempo, as finanças do casal “entraram em colapso”.

“Não estamos fazendo isso como um pequeno extra para podermos sair de férias para o Brasil, fazemos isso por necessidade diária”, afirmou.

María Silvina Perasso, organizadora da feira de roupas em Tigre, nos arredores de Buenos Aires, disse que muitas pessoas compram lá porque os preços subiram muito mais rápido do que os salários.

O salário mínimo mensal local é de 132.000 pesos, 377 dólares pela taxa de câmbio oficial, mas a metade desse valor pelas taxas de câmbio reais devido aos controles de capital — restrições às transações de câmbio.

“Com a economia do jeito que está, eles compram roupas por 5% ou 10% do valor que vem de uma loja e podem comprar coisas para suas famílias”, disse ela.

María Teresa Ortiz, uma aposentada de 68 anos, vive de sua aposentadoria e de trabalhos eventuais de costura, em que ganha 400 pesos por hora, oficialmente cerca de um dólar. Ela vai à feira para poder comprar roupas que, de outra forma, não poderia comprar.

“Simplesmente não podemos comprar coisas novas. Não se pode comprar tênis novos, não se pode comprar chinelos novos, não se pode comprar jeans novos, também não se pode comprar uma camisa ou uma camiseta. Por isso, é preciso procurar nas feiras”, disse ela.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

brasileiros-resgatados-da-faixa-de-gaza-vao-para-tres-estados-e-df;-governo-deve-manter-assistencia

G1 Mundo

Brasileiros resgatados da Faixa de Gaza vão para três estados e DF; governo deve manter assistência

Segundo apuração do g1 e a TV Globo, os passageiros devem pousar em Brasília na noite desta segunda (13) e passar dois dias em instalações da Força Aérea Brasileira. Além da reabilitação física e mental, devem aproveitar esse período para resolver trâmites da documentação de retorno. Veja abaixo uma foto do alojamento: Alojamento da Força Aérea Brasileira (FAB) em Brasília — Foto: FAB/Divulgação No grupo que foi resgatado de Gaza, […]

today13 de novembro de 2023 7

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%