G1 Mundo

Israel ameaça Hezbollah com ‘guerra total’ no Líbano

today19 de junho de 2024 9

Fundo
share close

Katz deu essas declarações depois que o Hezbollah divulgou imagens que, segundo o movimento garantiu, foram feitas por um drone em Haifa, cidade portuária no norte de Israel.

“Estamos muito próximos do momento em que decidiremos mudar as regras do jogo contra o Hezbollah e o Líbano. Em uma guerra total, o Hezbollah será destruído e o Líbano será duramente atingido”, disse Katz, de acordo com um comunicado de seu gabinete divulgado na rede X.

O Hezbollah é um movimento islâmico xiita com raízes no Líbano e fortemente apoiado pelo Irã.



Israel e Hezbollah elevam tom sobre guerra total

Israel e Hezbollah elevam tom sobre guerra total

A fronteira entre Israel e Líbano tem sido cenário de trocas de tiros e bombardeios quase diários entre o Exército israelense e o Hezbollah, aliado do Hamas, após o início da guerra, em 7 de outubro, entre os israelenses e o grupo terrorista que controla a Faixa de Gaza.

O Hezbollah afirma que lançou mais de 2.100 operações militares contra Israel desde 8 de outubro.

De acordo com o ministro israelense, o líder do Hezbollah, Hassan Nasrallah, “se vangloria hoje [terça-feira] de ter fotografado os portos de Haifa, operados por grandes empresas internacionais chinesas e indianas, e de ameaçar danificá-los”.

No vídeo, que a AFP não conseguiu verificar de forma independente até o momento, o Hezbollah identifica locais como infraestruturas militares e energéticas, bem como instalações civis.

Libaneses observam casa destruída no vilarejo de Adloun por um ataque aéreo israelense, em 1º de junho de 2024 — Foto: Mohammad Zaatari/AP Photo

O Hezbollah publicou as imagens coincidindo com a visita a Beirute de Amos Hochstein, enviado especial do presidente americano, Joe Biden, para tentar reduzir a tensão na fronteira.

“O conflito entre Israel e Hezbollah já durou muito tempo”, disse Hochstein em Beirute.

“A todos interessa resolver isso de forma rápida e diplomática e isso é factível e urgente”, acrescentou, considerando que a situação é “grave” e ressaltando que Washington quer evitar “uma guerra em grande escala”.

Bombeiro israelense trabalha para apagar chamas provocadas por ataque do Hezbollah perto de Ramot Naftali, comunidade próxima da fronteira com o Líbano, em 4 de junho de 2024 — Foto: Ariel Schalit/AP Photo

O movimento intensificou seus ataques contra alvos militares no norte de Israel na semana passada, após a morte de um de seus comandantes em um bombardeio israelense.

‘Frear a agressão israelense’

Hochstein se reuniu com o presidente do Parlamento libanês, Nabih Berry, um aliado-chave do Hezbollah, um dia depois de conversar com o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, em Jerusalém.

Segundo o enviado americano, o encontro com Berry girou em torno da “situação política e de segurança do Líbano e sobre o acordo que está sobre a mesa a respeito de Gaza”, em referência ao plano apresentado em maio pelo presidente Joe Biden.

Em uma primeira fase, o plano contempla um cessar-fogo de seis semanas acompanhado de uma retirada israelense das áreas densamente povoadas de Gaza, bem como as libertações de alguns reféns retidos em Gaza e de palestinos detidos em Israel.

O enviado americano também se reuniu com o primeiro-ministro libanês, Najib Mikati, que afirmou que “o que falta é deter a atual agressão israelense contra o Líbano e que a calma e a estabilidade retorne à fronteira sul”.

A guerra entre Israel e Hamas foi deflagrada em 7 de outubro, quando terroristas mataram 1.194 pessoas, a maioria civis, e sequestraram 251 no sul de Israel, segundo um balanço baseado em dados oficiais israelenses.

O Exército israelense estima que 116 pessoas sequestradas permanecem em Gaza, sendo que 41 reféns teriam morrido.

Em resposta, Israel lançou uma ofensiva que já deixou pelo menos 37.372 mortos na Faixa de Gaza, também civis em sua maioria, segundo o Ministério da Saúde do território palestino, governado pelo Hamas desde 2007.

No Líbano, ao menos 473 pessoas morreram após mais de oito meses de ataques transfronteiriços, a maioria combatentes, mas também 92 civis, de acordo com estimativas da AFP.

Do lado israelense, pelo menos 15 soldados e 11 civis morreram, segundo as autoridades.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

o-brasil-nao-merece-um-chefe-de-estado-que-hostiliza-suas-criancas

Pleno News

O Brasil não merece um chefe de Estado que hostiliza suas crianças

HomeOpiniãoMarco FelicianoO Brasil não merece um chefe de Estado que hostiliza suas crianças Presidente Lula afirma que uma criança gerada de um estupro é um monstro Marco Feliciano - 19/06/2024 16h44 Crianças Foto: Freepik Um presidente da República tem de, antes de tudo, ser um estadista. Para isso, tem de seguir religiosamente a liturgia do cargo que, pela importância, é observado por todos interna e externamente. Digo isso porque, quando […]

today19 de junho de 2024 6

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%