G1 Mundo

Israel liberta dezenas de presos palestinos, incluindo diretor de hospital

today1 de julho de 2024 4

Fundo
share close

Israel libertou dezenas de presos palestinos nesta segunda-feira (1º), segundo informações de jornais palestinos. A ação não foi confirmada imediatamente pelo governo, mas repercutiu na mídia israelense e foi alvo de críticas de setores mais conservadores da sociedade, incluindo do ministro da Segurança Nacional, Itamar Ben Gvir.

Entre os cerca de 50 palestinos libertados está Mohammed Abu Salmiya, diretor do hospital Al Shifa, o maior do território palestino, que havia sido detido em novembro. O grupo teria sido transferido para centros médicos em Gaza.

Israel “libertou dezenas de detentos da Faixa de Gaza, incluindo o doutor Mohamed Abu Salmiya”, através de uma passagem de fronteira ao leste de Khan Yunis, segundo uma pessoa que trabalha em um hospital na cidade de Deir el Balah, no centro do território, e que não teve a identidade revelada.



Cinco palestinos liberados foram internados neste centro médico e os demais foram transferidos para hospitais de Khan Yunis, segundo a mesma fonte.

Ben Gvir criticou a medida nas redes sociais. O Exército afirmou que estava “verificando as informações”.

Após a libertação, Salmiya afirmou que foi submetido a “graves torturas” durante sua detenção e que sofreu uma fratura em um polegar.

“Os prisioneiros são submetidos a todo tipo de tortura”, declarou o médico em uma entrevista coletiva. “Muitos presos morreram em centros de interrogatório e foram privados de alimentos e remédios”.

“Durante dois meses, os detentos só comeram um pedaço de pão por dia”, disse, antes de mencionar que eles foram submetidos a “humilhações físicas e psicológicas”.

O médico, preso em outubro, afirmou que foi detido “sem ter sido acusado”.

Israel acusa o Hamas, no poder em Gaza desde 2007, de utilizar os hospitais com fins militares, o que o grupo nega.

O hospital europeu de Khan Yunis anunciou que o diretor do departamento ortopédico, o doutor Basam Miqdad, também foi liberado nesta segunda-feira, “após sua detenção há vários meses”.

Um correspondente da AFP observou vários homens abraçando seus parentes no Hospital dos Mártires de Al Aqsa.

“A libertação do diretor do centro médico Shifa em Gaza, com dezenas de outros terroristas, é uma renúncia à segurança”, escreveu Ben Gvir na rede social X.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

extrema-direita-vence-1o-turno-na-franca,-e-macron-pede-por-alianca-democratica

G1 Mundo

Extrema direita vence 1º turno na França, e Macron pede por aliança democrática

A sigla, segundo o Ministério do Interior francês, obteve 33% dos votos. A Nova Frente Popular, um grande bloco de partidos de esquerda, ficou em segundo lugar, com 28% dos votos, e o bloco centrista do presidente francês, Emmanuel Macron, terminou em terceiro lugar, com 20% dos votos. O pleito, que havia sido convocado apenas três semanas atrás, teve recorde de participação em quase 40 anos -- na França, o […]

today1 de julho de 2024 6

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%