G1 Mundo

Jovens pessimistas são desafio para o futuro da China pós-Covid

today29 de janeiro de 2023 8

Fundo
share close

Foi o tipo de liberdade que os jovens chineses exigiram no fim de novembro em protestos contra a política de covid-zero que se tornou a maior manifestação de raiva pública na China continental desde que o presidente Xi Jinping assumiu o poder em 2013.

Após três anos de bloqueios, testes, dificuldades econômicas e isolamento, muitos da geração Z da China – os 280 milhões nascidos entre 1995 e 2010 – encontraram uma nova voz política, repudiando seus estereótipos de guerreiros nacionalistas digitais ou de preguiçosos apolíticos.

Pacificar uma geração que enfrenta um nível de desemprego juvenil quase recorde e um dos crescimentos econômicos mais lentos em quase meio século apresenta um desafio de formulação de políticas para Xi, que está apenas começando seu terceiro mandato. Melhorar os meios de subsistência dos jovens sem abandonar o modelo de crescimento liderado pelas exportações do país apresenta conflitos inerentes a um governo que prioriza a estabilidade social.



Esta geração é a mais pessimista de todas as faixas etárias na China, mostram as pesquisas. Embora os protestos tenham conseguido acelerar o fim das restrições da covid, os obstáculos que a juventude chinesesa enfrentaa para alcançar melhores padrões de vida serão mais difíceis de superar, dizem analistas.

“À medida que o caminho para a juventude se torna mais estreito e difícil, suas esperanças para o futuro evaporam”, disse Wu Qiang, ex-professor de política da Universidade de Tsinghua, que agora é comentarista independente em Pequim.

Os jovens não têm mais “confiança cega e adulação” em relação aos líderes chineses, acrescentou.

Alguns jovens chineses que falaram com a Reuters refletiram o sentimento de frustração.

“Se eles não mudassem a política, então mais pessoas protestariam, então eles tiveram que mudar”, disse Alex, 26 anos, que se recusou a dar seu sobrenome por medo de represálias das autoridades, em uma entrevista antes do concerto em Xangai.

“Mas não acho que os jovens voltarão a pensar que nada de ruim acontece na China.”

Os jovens, especialmente nas cidades, costumam estar na vanguarda dos protestos em todo o mundo: foram os estudantes que lideraram os protestos de 2022. Embora contidos pela repressão militar, as manifestações foram o maior levante pró-democracia da China em 1989.

Mas a Geração Z da China tem suas próprias características que representam um dilema para Xi, disseram alguns analistas.

Nos últimos anos, alguns jovens chineses chamaram a atenção internacional por sua ferocidade em atacar opiniões críticas sobre a China online, incluindo as políticas de covid de Pequim. Eles ficaram conhecidos como “rosinhas”, um termo associado à cor de um site nacionalista, e fizeram comparações com os diplomatas agressivos do “guerreiro lobo” da China e os Guardas Vermelhos da Revolução Cultural de Mao Tsé-Tung.

Com a economia desacelerando sob o peso das restrições pandêmicas, surgiu uma contratendência, mas não exatamente do tipo liberal do Ocidente, que pressiona contra o crescente nacionalismo. Muitos jovens chineses têm optado pelo “tang ping”, um termo usado para descrever pessoas que rejeitaram a corrida corporativa, adotando um estilo de vida minimalista e fazendo apenas o suficiente para sobreviver.

Não há dados sobre quantos chineses estão inclinados a essas perspectivas. Entretanto, um fator unificador se formou antes dos protestos: o crescente descontentamento com as perspectivas econômicas.

Uma pesquisa com 4.000 chineses realizada pela consultoria Oliver Wyman descobriu que a geração Z é a mais negativa sobre as perspectivas econômicas da China de todas as faixas etárias. Seus pares nos Estados Unidos, por outro lado, são mais otimistas do que a maioria das gerações anteriores, de acordo com um estudo da McKinsey.

Cerca de 62% da geração Z da China se preocupa com a segurança no emprego e 56% se preocupa com as perspectivas de um estilo de vida melhor, muito mais do que as gerações mais velhas, de acordo com a pesquisa Wyman realizada em outubro e divulgada em dezembro de 2022.

Nos Estados Unidos, segundo o estudo da McKinsey, 45% dos jovens de 18 a 24 anos se preocupam com a estabilidade no emprego. Eles, no entanto, pontuaram melhor no medidor de percepções de oportunidades econômicas futuras do que todos os grupos, exceto o daqueles com idade entre 25 e 34 anos.

No início da era Xi, uma década atrás, as coisas pareciam melhores.

Em 2015, um estudo do Pew Research Center descobriu que sete em cada dez chineses nascidos no final da década de 1980 tinham sentimentos positivos em relação à sua situação econômica. E impressionantes 96% sentiam que seu padrão de vida era melhor do que o que seus pais tinham na mesma idade.

“É um pessimismo estudado. É baseado nos fatos e na realidade que eles estão testemunhando. Não acho que esses protestos teriam acontecido dez anos atrás, mas essa geração jovem acredita que eles deveriam ser ouvidos de uma forma que as gerações mais velhas não acreditavam”, disse Zak Dychtwald, fundador da empresa de pesquisa Young China Group, que examina as tendências entre os jovens chineses.

Ele disse que mais distúrbios parecem improváveis ​​no curto prazo, mas o Partido Comunista está sob pressão para oferecer “alguma esperança e direção” à juventude do país em uma reunião legislativa que acontecerá em março. Para Dychtwald, o fracasso em entregar tais soluções pode reacender os protestos a longo prazo.

Em um discurso de Ano Novo, Xi reconheceu a necessidade de melhorar as perspectivas da juventude chinesa, sem mencionar os protestos contra sua abordagem de zero covid.

“Uma nação só prosperará quando seus jovens prosperarem”, disse Xi, sem entrar em detalhes sobre possíveis políticas.

Para o Partido Comunista da China, obcecado pela estabilidade, dar à geração Z mais atuação política é impensável.

Em vez disso, analistas dizem que os formuladores de políticas chinesas precisam criar empregos bem remunerados para os jovens e garantir que eles prosperem economicamente, como a geração de seus pais, que aceitou liberdades limitadas em troca do sucesso prometido.

Contudo, conseguir isso é mais difícil em uma economia mais lenta, e algumas das políticas que poderiam melhorar os padrões de vida dos chineses mais jovens estão em conflito com outras prioridades da segunda maior economia do mundo: garantir que os motores por trás de sua expansão de 15 vezes nas últimas duas décadas continuem funcionando.

Por exemplo, tender às expectativas da geração Z de salários mais altos tornaria as exportações chinesas menos competitivas. Enquanto isso, tornar mais acessível o acesso à moradia pode significar permitir que um setor responsável por um quarto da atividade econômica da China nos últimos anos entre em colapso.

Apesar de todo o discurso do governo sobre “prosperidade comum”, nivelar o campo de jogo para esta nova geração parece impossível, de acordo com Fang Xu, sociólogo urbano da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos.

“Seus pais conseguiram acumular uma quantidade enorme de riqueza do mercado imobiliário, do empreendedorismo privado, e esse salto provavelmente não se repetirá”, disse Fang.

“Nivelar o campo de jogo significa desvalorizar o mercado imobiliário o suficiente para que não seja impossível para os jovens comprar uma casa, mas isso seria um grande golpe para as gerações mais velhas.”

Dado o risco de prisão, a maioria dos que participaram dos protestos contra as restrições da covid-19 está se escondendo. Não está claro quais são suas esperanças e planos ou como eles variam. Mas alguns jovens se sentem motivados a perseguir suas ambições em outro lugar.

A estudante universitária Deng, de 19 anos, que falou à Reuters sob condição de anonimato por causa da sensibilidade da situação, tem poucas esperanças de que ela conseguirá prosperar na China.

“Se eu quiser ficar na China, tenho duas opções: ficar em Xangai para trabalhar e aceitar um emprego de escritório comum, ou ouvir meus pais, voltar para minha cidade natal, fazer um exame de funcionário público, [optar pelo] tang ping”, contou Deng.

Dados da gigante da internet Baidu mostram que, durante o bloqueio de dois meses dos 25 milhões de residentes de Xangai em 2023, as pesquisas online para estudar no exterior foram cinco vezes a média de 2021. Outro pico ocorreu durante os protestos de novembro.

Nem Deng nem Alex veem muito espaço para mais dissidências no futuro próximo.

“Você pode aceitar o sistema ou deixar a China. Você não pode mudar o sistema aqui, as autoridades são muito poderosas”, afirmou Alex.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

terremoto-de-magnitude-5,9-deixa-dois-mortos-e-centenas-de-feridos-no-ira

G1 Mundo

Terremoto de magnitude 5,9 deixa dois mortos e centenas de feridos no Irã

No dia 18 de janeiro, a região já havia sofrido com um terremoto de magnitude 5,8 perto de Khoy. Imagem mostra os danos depois que o terremoto atingiu a cidade de Khoy — Foto: Soheil FARAJI / ISNA / AFP Um terremoto de magnitude 5,9 foi detectado na noite de sábado (28) no noroeste do Irã, perto da fronteira com a Turquia, deixando ao menos dois mortos e centenas de […]

today29 de janeiro de 2023 12

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%