G1 Santos

Justiça condena empresas a pagar R$ 600 mil à família de pedreiro morto após cair de loja com 7 metros de altura

today17 de julho de 2023 10

Fundo
share close

A sentença é do juiz Francisco Charles Florentino de Sousa, do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região. Marcelo Ribeiro caiu do telhado de uma unidade da DPaschoal, loja de peças para automóveis, localizada no bairro Guilhermina, em novembro de 2021. O pedreiro havia sido contratado pela WDS, companhia de gerenciamento de obras, para fazer o serviço.

“A decisão foi um alívio para a gente”, desabafou Noemia Gonçalves, filha do pedreiro que será beneficiada pela sentença junto com a mãe e dois irmãos. “É a esperança de um novo recomeço. Nada substitui ele, mas, no mínimo, podemos ter um pouco de estrutura“.

Marcelo Ribeiro, pedreiro que morreu após cair de construção em Praia Grande, durante festa de aniversário — Foto: Arquivo Pessoal



Segundo o advogado Fabricio Posocco, que representa a família de Marcelo, a vítima morreu após cair de uma altura de mais de sete metros. O pedreiro chegou a ser levado ao Hospital Irmã Dulce, também em Praia Grande, mas não resistiu aos ferimentos e morreu no dia seguinte à queda.

“Me sinto péssima porque ele já falava sobre insegurança”, disse a filha.

De acordo com Noemia Gonçalves, filha da vítima, o pai não estava preparado para trabalhar em construções altas e, inclusive, havia recebido um ‘falso certificado’ da empresa que o contratou. O suposto documento, segundo ela, servia para ‘comprovar’ a experiência dele neste tipo de serviço.

“Ele acreditou que seria dado um curso de capacitação e, com isso, teria mais uma opção de trabalho”, lembrou. “Ele já vinha falando sobre insegurança […] Durante o processo, tive que ouvir áudios dele pedindo tábuas e ‘madeirites’ porque não tinha sequer um andaime. Foi muito triste.”

Marcelo (à esq.) ao lado da família durante um aniversário — Foto: Arquivo Pessoal

O advogado Fabricio Posocco explicou também que a condenação das empresas funciona de forma ‘solidária’, ou seja, qualquer uma das partes pode ser cobrada para pagar o valor de forma integral à família.

Além disso, as companhias também deverão pagar pensão mensal vitalícia para a viúva e mensal para os dois filhos homens da vítima, que eram menores de idade quando o pai morreu, até que eles completem 21 anos.

Segundo o advogado Luciano Tadeu Thelles, que representa a sociedade WDS Gerenciamento de Obras e Materiais Eireli, a companhia prestou toda a assistência material aos familiares, pagando as despesas de sepultamento, bem como oferecendo auxílio material à família da vítima.

“A WDS externa seu mais absoluto respeito às leis e ao Poder Judiciário, motivo pelo qual não fará comentários sobre o conteúdo da decisão, já que a questão encontra-se sub judice”, complementou.

O advogado afirmou também que a WDS está “lançando mão de todos os meios e recursos adequados para comprovar que não deu causa ao acidente que vitimou o Sr. Marcelo Ribeiro, já que à época dos fatos, forneceu-lhe todos os equipamentos de segurança para que os trabalhos contratados de forma autônoma fossem prestados”.

Em nota, a DPaschoal disse que, na época dos fatos, se pronunciou lamentando o incidente ocorrido em novembro de 2021. Naquela ocasião – e reitera – Marcelo Ribeiro trabalhava para a empresa WDS Gerenciamento de Obras e Materiais, contratada pontualmente pela DPaschoal.

Os prestadores de serviços, segundo a DPaschoal, passam por um rigoroso processo de contratação e validação e, havendo comprovação de negligência pela empresa contratada (WDS), a DPaschoal tomará as medidas cabíveis.

Em relação a decisão judicial, que ainda cabe recurso, a DPaschoal informou que respeita as Leis e o Poder Judiciário, e que seguirá tratando a questão via judiciário. A empresa reitera seu mais profundo pesar à família da vítima e permanece à disposição, para eventuais esclarecimentos.

VÍDEOS: g1 em 1 Minuto Santos




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Santos.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

casal-decide-viver-sem-endereco-e-cria-‘casa-movel’-para-conhecer-o-mundo

G1 Santos

Casal decide viver sem endereço e cria ‘casa móvel’ para conhecer o mundo

Um casal decidiu largar o aluguel em Praia Grande, no litoral de São Paulo, para viver sem endereço em uma ‘casa sobre rodas’. Com objetivo de conhecer o mundo, Gabriel Rosa Santos e Larissa Schunck Losano, ambos de 26 anos, investiram em uma van que, artesanalmente, foi transformada em um motorhome. “Acho que não existe nada mais incrível e valioso [...]. É recompensador você estar viajando, conhecendo histórias, lugares, pessoas”, […]

today17 de julho de 2023 5

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%