G1 Mundo

Justiça de Israel obriga estudantes ultraordoxos a se alistarem para a guerra, em guinada contra governo Netanyahu

today25 de junho de 2024 4

Fundo
share close

Em uma derrota para o governo de Benjamin Netanyahu, a Suprema Corte de Israel decidiu nesta terça-feira (25) que jovens ultraortodoxos, até agora isentos de servir ao Exército, devem ser obrigados a se alistar.

É a primeira vez, desde a criação do Estado de Israel, que estudantes religiosos serão obrigados a pegar em armas.

A proposta de obrigar essa parcela da população israelense a se alistar vinha correndo na Justiça havia meses, desde o início da guerra contra o Hamas na Faixa de Gaza.



“Na ausência de uma regulamentação adequada, o Executivo não tem poder para ordenar a não aplicação da Lei do Serviço Militar aos estudantes das escolas talmúdicas”, decidiu o tribunal, acrescentando que “o Estado deve agir para aplicar a lei”.

A decisão é anunciada após o Parlamento israelense relançar, em 11 de junho, um projeto de lei para o alistamento progressivo dos ultraortodoxos nas Forças Armadas.

O serviço militar é obrigatório em Israel para homens e mulheres, mas os judeus ultraortodoxos podem evitá-lo para se dedicarem ao estudo dos textos sagrados, uma isenção estabelecida por David Ben Gurion, fundador do Estado de Israel, em 1948.

Alguns detratores consideram que o texto debatido no Parlamento, apoiado pelo primeiro-ministro mas criticado pelo ministro da Defesa Yoav Gallant, está longe de responder às necessidades do Exército israelense, em guerra com o movimento palestino Hamas em Gaza há mais de oito meses e com outra frente na fronteira com o Líbano.

“Na situação atual, o descumprimento da Lei do Serviço Militar cria uma grande discriminação entre os que são obrigados a cumpri-lo e aqueles para os quais não há medidas de mobilização”, argumentou o tribunal.

“Neste momento, durante uma guerra difícil, a desigualdade de obrigações está mais acentuada do que nunca e exige a aplicação de uma solução duradoura”, afirmou o tribunal.

O líder do partido ultraortodoxo Judaísmo Unido da Torá, Yitzhak Goldknopf, criticou a “decisão esperada, muito infeliz e decepcionante”.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

dez-morrem-em-invasao-ao-parlamento-do-quenia;-irma-de-barack-obama-participa-de-atos

G1 Mundo

Dez morrem em invasão ao Parlamento do Quênia; irmã de Barack Obama participa de atos

A irmã do ex-presidente dos EUA Barack Obama, a ativista queniana Auma Obama, participou das manifestações e relatou à rede CNN Internacional ter sido atingida com gás lacrimogêneo por policiais locais. Auma é irmã do ex-presidente norte-americano por parte de pai, mas é próxima do irmão. Segundo testemunhas da agência de notícias Reuters, manifestantes atearam fogo no hall de entrada do Parlamento. O governo queniano, alvo dos protestos, ainda não […]

today25 de junho de 2024 4

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%