G1 Santos

Justiça determina e pai devolve filhos à mãe norte-americana após visita ao Brasil

today22 de junho de 2024 2

Fundo
share close

A decisão para que o pai devolvesse as crianças foi tomada pelo juiz federal Alexandre Saliba, da 1ª Vara Federal de Santos (SP). O magistrado determinou o retorno do casal de menores aos Estados Unidos após reconhecer a ilegalidade da retenção no Brasil, uma vez que nasceram e vivem em território norte-americano com a mãe.

O pai entrou com recurso e o caso chegou ao Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3), que manteve a decisão da Justiça de Santos. Desta forma, as crianças foram devolvidas à mãe no início de junho.

De acordo com o TRF, o casal se separou em 2022 e a ação de divórcio tramita no Tribunal de Justiça de New Hampshire, nos Estados Unidos. Desde então, eles mantêm um acordo para que as crianças visitarem o pai no Brasil.



A mãe trouxe os filhos ao país no dia 28 de fevereiro, com o combinado que eles seriam devolvidos no dia 10 de março. No entanto, o pai, que mora na Baixada Santista (SP), impediu o retorno das crianças.

Conforme o processo, desde então, a mãe não tem contato com as crianças nem com o ex-marido, que se recusa a atendê-la.

A mulher entrou na justiça e o juiz Alexandre Saliba determinou o retorno dos menores ao território norte-americano, com base no artigo 12 da Convenção da Haia Sobre os Aspectos Civis do Sequestro Internacional de Crianças (leia mais abaixo).

A retenção unilateral das crianças, sem perspectiva de retorno ao país de origem (Estados Unidos) e ao convívio com a mãe configura flagrante ato ilícito internacional e deve ter seus efeitos revertidos com a maior celeridade possível, em atenção especial ao melhor interesse dos menores, que sofrerão duplamente caso o retorno tarde a se concretizar, diante do natural e gradativo aumento do vínculo afetivo no ambiente em que vivem no Brasil”, enfatizou Saliba.

O magistrado explicou que a convenção de Haia prestigia o regime de guarda atribuído pela lei do Estado onde a criança tinha sua residência habitual imediatamente antes de sua retenção, ou seja, Estados Unidos.

“Deve prevalecer a competência da Justiça norte-americana para a definição do regime de guarda e visitação das crianças, que, naquele país, residiam no período imediatamente à sua retenção ilícita no Brasil”.

O pai das crianças entrou com recurso no TRF3 contra a decisão da 1ª Vara Federal de Santos, mas o desembargador federal Antônio Morimoto rejeitou o pedido, mantendo a decisão de retorno das duas crianças aos Estados Unidos.

“A permanência dos menores no Brasil por maior tempo, sendo ela, à primeira vista, ilegítima, também lhes configura estado de dano pessoal, que a decisão agravada pretende mitigar com o retorno deles ao local de residência habitual”, apontou Morimoto.

A Convenção sobre os Aspectos Civis da Subtração Internacional de Crianças, também conhecida como Convenção da Haia, é um tratado internacional que busca criar mecanismos e critérios para assegurar o retorno das crianças e adolescentes em situação de ruptura familiar ao seu país de referência cultural e afetiva.

É considerado subtração internacional quando uma criança ou um adolescente menor de 16 anos é retirado ou mantido fora do país de residência habitual por um dos genitores, sem autorização do outro.

A situação também ocorre quando um dos pais está autorizado a viajar com o menor, mas se recusa a devolvê-lo ao seu local de origem após o prazo da autorização.

De acordo com o TRF, a Convenção de Haia conta com 91 nações signatárias, incluindo o Brasil.

Rede Internacional de Juízes da Haia

A competência para processar e julgar ações relacionadas à Convenção da Haia é da Justiça Federal. Por isso, para promover a troca de informações entre os magistrados dos Estados, há uma rede internacional de juízes.

Desde 2021, por designação do Supremo Tribunal Federal, há uma coordenação nacional do grupo de juízes de enlace e um desembargador de cada Tribunal Regional Federal indicado como Juiz de Enlace da respectiva Região. Na 3ª Região, que abrange o Estado de São Paulo, o cargo é ocupado pela desembargadora federal Inês Virgínia.

VÍDEOS: g1 em 1 Minuto Santos




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Santos.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

motorista-acusado-de-assediar-passageiras-e-oferecer-‘massagens-intimas’-e-excluido-de-aplicativo

G1 Santos

Motorista acusado de assediar passageiras e oferecer ‘massagens íntimas’ é excluído de aplicativo

Um motorista, de 46 anos, foi excluído da plataforma Uber após ser acusado de assediar pelo menos três passageiras. O morador de Santos (SP) entrou na Justiça pedindo indenização e a reativação da conta dele, mas teve os pedidos negados em primeira instância. Ao g1, o advogado dele disse que vai recorrer da decisão. Conforme registrado no processo, o motorista se cadastrou na plataforma em 10 de maio de 2023, […]

today22 de junho de 2024 1

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%