G1 Santos

Justiça revoga pedido de prisão de mãe que sequestrou filho; entenda

today12 de junho de 2024 3

Fundo
share close

O garoto foi tomado à força da avó paterna, no momento em que era levado à escola, em Santos (SP), no dia 23 de abril. A mulher agarrou o filho e o colocou dentro de um carro — o motorista e outro homem que a ajudaram na fuga foram indiciados pelo crime. A criança foi apresentada pela avó materna no Fórum e devolvida ao pai e avó paterna, na última sexta-feira (7).

O Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ-SP) acatou o pedido da defesa e revogou a prisão temporária da mãe do menino. Ao g1, a advogada da mulher, Natália Bezan, afirmou que, apesar da decisão, ainda aguarda o andamento do caso, uma vez que o Ministério Público (MP-SP) pode oferecer uma denúncia contra a cliente dela.

Em relação ao pedido da guarda do menor, desejo da mãe dele, Natália afirmou ter solicitado uma liminar para alteração, que foi negada pela juíza. A magistrada determinou estudo psicológico da criança, mãe e do pai.



“Acho que a Justiça está atenta ao que aconteceu. O pai alega que foi lavagem cerebral, mas é óbvio que em tão pouco tempo a criança não ficaria tão horrorizada em voltar com o pai se tivesse um bom relacionamento”, afirmou a advogada.

Milton Barbosa Rabelo, advogado das tias paternas, disse que, com a concessão da liberdade, as clientes vão aguardar os desdobramentos do inquérito contra a mãe e, em caso de eventual denúncia, a inocência delas será provada.

Talita Alambert, advogada do pai da criança, disse ter previsto a revogação do mandado de prisão temporária da mãe e a expedição dos alvarás de soltura das tias.

Segundo ela, a mãe envia mensagens com ofensas e ameaças ao pai e à avó paterna do menino. “Entrarei com pedido de medidas cautelares caso a genitora continue ameaçando e importunando meus clientes”, explicou.

Deborah Lázaro, delegada da Delegacia de Defesa da Mulher (DDM), disse ter esperança de que a mulher que sequestrou o filho se apresente à polícia para ser ouvida e relatar a versão dela.

“Ela já foi indiciada pelos crimes e, agora, [vamos] ver quais as medidas que a Justiça vai tomar. O mais importante, realmente, era a entrega da criança e essas prisões [das tias] aceleraram essa entrega”, disse a delegada.

Menino que foi sequestrado pela mãe, em Santos, SP, foi devolvido ao pai e a avó paterna após 45 dias — Foto: Arquivo Pessoal

“Chorou, gritou muito para mim. Não queria de jeito nenhum. Em nenhum momento ele chegou perto da avó [paterna] e do pai. Ele só chorava e foi chorando aos gritos”, disse a avó materna, Josefa Dalva Xavier dos Santos.

Josefa afirmou que a devolução do neto à Justiça foi uma orientação das advogadas criminalistas que defendem a filha dela e estavam preocupadas com o bem-estar do menino.

“Ele estava ótimo e foi exatamente por isso que ela pegou o menino. Ele ficava com a avó aqui, não era diretamente com o pai. Ele só via o menino de vez em quando”, disse a mulher.

Avó materna (à esq.) devolveu o neto, de 5 anos, que havia sido sequestrado pela mãe, em Santos (SP) — Foto: Brenda Bento/g1 e Reprodução

Questionada sobre como se sente com o fato da filha ter sido considerada foragida da Justiça, ela disse que foi uma sensação horrível. “Ela não é esse monstro”.

Josefa acrescentou que o menino não quer ficar com o pai e a avó paterna. “Ele [o homem] está fazendo o menino sofrer e minha filha sofrer. É horrível o que ele está fazendo, é triste”.

A advogada criminalista Ingrid Amaral afirmou que, desde o início, a defesa da mulher acredita que a conduta dela não se enquadra no tipo penal de sequestro e cárcere privado.

Imagens mostram ação de mãe que sumiu com o filho após tirá-lo das mãos da avó

Imagens mostram ação de mãe que sumiu com o filho após tirá-lo das mãos da avó

Os homens que auxiliaram a fuga da mulher foram identificados como Erivan Francisco da Silva, de 41 anos, e Maxwell Vegner Martins Nunes, de 38. A delegada Natalia Santos Batista Marcelino, que presidiu o inquérito policial, avaliou que ambos tinham conhecimento de que ela subtrairia o filho “de maneira escusa [evasiva] e violenta”.

De acordo com as investigações, Maxwell foi o motorista contratado para levar a mulher até o filho e, logo depois, à cidade de destino escolhida por ela. Erivan, por sua vez, aparece no vídeo de camiseta azul. Segundo o pai da criança, Eduardo Cassiano, esse seria um ex-cunhado da mãe do menino.

Tias de menino levado à força pela mãe foram presas no litoral de SP — Foto: Yasmin Braga/TV Tribuna

Entenda o passo a passo de como a mulher sequestrou o filho:

➡️Às 7h47, Erivan passou em uma moto pela rua do prédio onde o menino morava com a avó paterna.

➡️Erivan encostou a moto ao lado do carro para conversar com a mulher e Maxwell. Eles gesticularam e apontaram para a direção do prédio onde o menino sairia.

➡️Em seguida, o ex-cunhado estacionou a moto e voltou a pé. Ele abriu a porta de trás do carro e continuou a conversa com a mulher e o motorista. Depois, Erivan se afastou e ficou andando nas proximidades do veículo.

➡️Às 8h, a avó saiu com o menino para levá-lo a escola, sendo surpreendida pela mãe dele. A mulher, vestida de vermelho, saiu do carro, pegou o filho pelo braço e ele chegou a cair. Ela o arrastou e, depois, levantou-o no colo, seguindo até o veículo. “A criança se jogava e gritava: ‘Vovó, vovó'”, disse o pai.

➡️Assim que a mulher saiu do carro, Maxwell fechou a porta do passageiro e abriu a de trás para que a mãe conseguisse entrar com o filho.

➡️Quando a mulher retornava ao carro, Erivan se aproximou. Ele ficou entre ela e a avó do menino, impedindo que a idosa se aproximasse do neto.

➡️Depois, o motorista levou a mãe e o filho para cidade de destino escolhida por ela. Enquanto isso, Erivan ficou no local conversando com as testemunhas e com a própria idosa.

➡️A mulher não foi mais vista com a criança e é investigada pela Polícia Civil. Maxwell e Erivan foram indiciados por ajudá-la a subtrair o menor.

Eduardo contou que ele e a avó da criança viveram um mês de angústia sem notícias do menino, que foi levado pela mãe — Foto: Reprodução/TV Tribuna e Reprodução

Pai teme pelo bem-estar do filho após mãe tirá-lo à força das mãos da avó em Santos (SP) — Foto: Arquivo pessoal e Reprodução

O pai e a avó paterna estão com o menino há três anos. Eles obtiveram a guarda compartilhada provisória em 25 de janeiro após Eduardo entrar com a ação de regulamentação, com pedido de tutela antecipada, porque a mãe da criança havia ameaçado levar o filho para Aracaju (SE).

A mãe só tem autorização da Justiça para vê-lo com supervisão. Ela, inclusive, alega que resolveu tomar o filho à força após ser proibida de visitá-lo pelo pai e avó paterna do menino. Entretanto, Eduardo informou ao g1 que a mulher podia ver o filho quando quisesse.

Mãe disse que não vai devolver

“Eu ia passar só o dia com ele e ia devolver de noite […]. Eu não vou mais devolver [o menino], ele é meu filho. Só [vou devolver] se a justiça vier e tomar”, afirmou à época a mãe da criança.

VÍDEOS: g1 em 1 Minuto Santos




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Santos.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

encontro-inesperado-em-onibus-durante-temporal-historico:-amor-a-primeira-vista-resiste-ao-tempo

G1 Santos

Encontro inesperado em ônibus durante temporal histórico: amor à primeira vista resiste ao tempo

A enfermeira usou uma foto que tirou de Fernando para encontrá-lo nas redes sociais e, desde então, um não saiu da vida do outro. Nesta quarta-feira (12) de Dia dos Namorados, o casal celebra a história que começou em meio à uma série de acontecimentos atípicos traçados pelo destino. “Hoje eu olho para o Fernando e eu vejo que, caramba, realmente ele é a resposta de oração”, explicou Alexia, em […]

today12 de junho de 2024 1

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%