G1 Mundo

Lula diz que forças políticas da França ‘se uniram contra o extremismo’

today8 de julho de 2024 4

Fundo
share close

O resultado da eleição na França representa uma reviravolta. No primeiro turno, disputado na semana passada, a extrema direita da política conservadora Marine Le Pen havia se destacado com uma votação recorde.

Especialistas comentam resultado do 2º turno da eleição legislativa na França



Especialistas comentam resultado do 2º turno da eleição legislativa na França

Mas, no segundo turno, neste domingo, as alianças do centro e da esquerda conseguiram prevalecer e deixaram o partido de Le Pen em terceiro lugar.

Em sua mensagem, Lula citou também a vitória dos trabalhistas na eleição da Inglaterra, na semana passada.

“Muito feliz com a demonstração de grandeza e maturidade das forças políticas da França que se uniram contra o extremismo nas eleições legislativas de hoje. Esse resultado, assim como a vitória do partido trabalhista no Reino Unido, reforça a importância do diálogo entre os segmentos progressistas em defesa da democracia e da justiça social. Devem servir de inspiração para a América do Sul”, afirmou Lula.

No primeiro turno, no último domingo (30), o Reunião Nacional, partido de extrema direita de Marine Le Pen, conquistou a maioria dos votos: 33% deles. A Nova Frente Popular, um grande bloco de partidos de esquerda, ficou em segundo lugar, com 28% dos votos, e o bloco centrista do presidente francês, Emmanuel Macron, terminou em terceiro lugar, com 20% dos votos.

Esquerda e centro desenham o cordão sanitário contra a extrema direita desde a semana passada, quando Macron propôs a formação de uma aliança. A união, na prática, daria a esse novo grupo a maioria no Parlamento, o que, na França, garante o direito de nomear um primeiro-ministro.

Ao longo da semana, mais de 200 candidatos centristas e de esquerda desistiram das disputas para aumentar as chances de seus rivais moderados e tentar impedir que candidatos da extrema direita vencessem. O cordão sanitário também ganhou apoio de celebridades como o ex-jogador Raí e Mbappé, o capitão da seleção francesa.

De acordo com as principais pesquisas de intenção de voto divulgadas nesta semana, o número de assentos do bloco da esquerda e do centro seria suficiente para garantir uma maioria absoluta, de 289 cadeiras no Parlamento francês, e, assim, indicar um primeiro-ministro. Mas há incertezas em relação à participação dos eleitores.

Essa possibilidade pode impedir que Macron tenha de governar em uma situação no mínimo desconfortável: ao lado de um premiê opositor.

Pelo sistema político da França, semipresidencialista, o primeiro-ministro, indicado pelo partido ou coalizão que conquistam maioria no Parlamento, governa em conjunto com o presidente — este eleito em eleições presidenciais diretas e separadas das legislativas e que, na prática, é quem ganha mais protagonismo à frente do governo.

No cenário de os dois serem de lados opostos, forma-se o chamado governo de coabitação. Nesse modelo, o presidente mantém o papel de chefe de Estado e da política externa — a Constituição diz que ele negocia também tratados internacionais—, mas perderia o poder de definir a política doméstica e de nomear ministros, o que ficaria a cargo do primeiro-ministro.

Isso aconteceu pela última vez em 1997, quando o presidente de centro-direita, Jacques Chirac, dissolveu o Parlamento pensando que ganharia uma maioria mais forte, mas, inesperadamente, perdeu o controle da Casa para uma coalizão de esquerda liderada pelo partido socialista.

Caso a boca de urna não se confirme e a extrema direita ganhe, Macron terá de nomear um adversário, o jovem líder do RN, Jordan Bardella, de 28 anos, para o cargo de primeiro-ministro — se optar por não fazê-lo, ele pode ser alvo de uma Moção de Censura, um recurso do Legislativo no qual deputados votam se querem mantê-lo ou não no cargo.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

em-1a-visita-ao-brasil-como-presidente,-milei-participa-de-evento-conservador-em-sc-e-nao-encontra-lula

G1 Mundo

Em 1ª visita ao Brasil como presidente, Milei participa de evento conservador em SC e não encontra Lula

Lula e Milei nunca se reuniram, apesar de Brasil e Argentina serem parceiros históricos na América do Sul. O encontro poderia ocorrer nesta semana, na reunião do Mercosul no Paraguai. Mas Milei optou por não ir. Preferiu o evento conservador em Santa Catarina, do qual participou também o ex-presidente Jair Bolsonaro, outro rival de Lula. Em seu discurso no fórum, ao lado de políticos identificados como conservadores, Milei fez uma […]

today8 de julho de 2024 12

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%